$ {alt}

Preservador de Memória

Pesquisadores da UNM desenvolvem vacina que pode proteger contra o mal de Alzheimer

A doença de Alzheimer é um distúrbio de memória progressivo que afeta quase um em cada três idosos e está aumentando, afetando atualmente 43 milhões de pessoas em todo o mundo.

Por trás das deficiências de memória, há uma tempestade perfeita de destruição no cérebro, decorrente em parte do acúmulo de uma proteína chamada tau. Normalmente uma estrutura estabilizadora dentro dos neurônios, a tau pode se acumular em longos emaranhados que atrapalham a capacidade dos neurônios de se comunicarem entre si.

Pesquisadores da Universidade do Novo México desenvolveram uma vacina que pode prevenir a formação dos emaranhados de tau e potencialmente prevenir o declínio cognitivo tipicamente visto em pacientes com Alzheimer.

Em um artigo publicado na semana passada em Vacinas NPJ, a equipe relatou que desenvolveu uma vacina usando partículas semelhantes a vírus (VLPs, para abreviar) que eliminou os emaranhados de tau em camundongos que foram criados para desenvolver sintomas como os que afetam pacientes humanos com Alzheimer.

"Estamos entusiasmados com essas descobertas, porque elas parecem sugerir que podemos usar o próprio sistema imunológico do corpo para fazer anticorpos contra esses emaranhados, e que esses anticorpos realmente se ligam e eliminam esses emaranhados de tau", disse Nicole Maphis, uma candidata a PhD no Programa de Pós-Graduação em Ciências Biomédicas da UNM.

Maphis, trabalhando no laboratório de Kiran Bhaskar, PhD, professor associado do Departamento de Genética Molecular e Microbiologia da UNM, descobriu que quando a vacina foi dada a camundongos, eles desenvolveram anticorpos que eliminaram a proteína tau de seus cérebros - e a resposta durou por meses.

Em seguida, ela testou os animais em uma bateria de testes labirínticos. Os ratos que receberam a vacinação tiveram um desempenho notavelmente melhor do que aqueles que não receberam. Imagens de ressonância magnética mostraram que os animais vacinados tiveram menos encolhimento cerebral, sugerindo que a vacina evitou que os neurônios morressem.

Maphis também encontrou significativamente menos emaranhados no córtex e no hipocampo - áreas do cérebro que são importantes para o aprendizado e a memória e que são destruídas no Alzheimer.


"Esses resultados confirmam que alvejar emaranhados de tau usando uma intervenção de vacina pode resgatar deficiências de memória e prevenir a morte de neurônios", disse Maphis.

A vacina foi criada com a ajuda dos cientistas da UNM David Peabody e Bryce Chackerian. A dupla ajudou a criar vacinas pioneiras no uso de VLPs para o vírus da dengue, hepatite B, papilomavírus humano e proteína beta-amilóide (que também está presente no cérebro de pacientes com Alzheimer).

As VLPs são derivadas de vírus que têm seus genomas removidos, deixando apenas sua camada protéica externa. Sem um genoma, eles são incapazes de se reproduzir, mas o sistema imunológico do corpo ainda os reconhece como invasores estranhos e fabrica anticorpos para neutralizar as proteínas fixadas em sua superfície. Nesse caso, uma porção da proteína tau na superfície do VLP desencadeia uma resposta imune, levando à eliminação dos emaranhados de tau.

No futuro, Bhaskar espera obter financiamento para comercializar esta vacina, a fim de criar uma injeção que poderia ser testada em pacientes humanos. No entanto, mover um medicamento da bancada para o leito pode custar milhões de dólares e levar décadas.

Em parceria com a AgilVax, Inc., uma empresa formada para comercializar a tecnologia VLP, e STC.UNM (braço de comercialização de tecnologia da UNM), Bhaskar espera receber financiamento de uma bolsa federal de pesquisa de inovação em pequenas empresas para ajudar a levar o projeto de pesquisa adiante.

Categorias: Saúde, Notícias que você pode usar, Estudos, Faculdade de Medicina, Melhores histórias