$ {alt}
Por Michele W. Sequeira

Cadeiras Musicais Moleculares

Equipe do UNM Cancer Center descobre que um medicamento comum pode reduzir o risco de infecção por HPV e cânceres relacionados ao HPV

A vacina contra o papilomavírus humano (HPV) é segura e eficaz – mas não é para todos.

“Algumas pessoas não podem ser vacinadas”, diz Michelle Ozbun, PhD. “Eles não têm acesso à vacina, não podem pagar ou não podem ser vacinados.”

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, o HPV é responsável por mais de 90% dos cânceres cervicais, mais de 90% dos cânceres anais e uma porcentagem significativa de outros tipos de câncer.

 

Michelle Ozbun, PhD

Algumas pessoas não podem ser vacinadas. Eles não têm acesso à vacina, não podem pagar ou não podem ser vacinados.

- Michelle OzbunDoutorado

Ozbun, professor de Genética Molecular e Microbiologia e de Obstetrícia e Ginecologia da Universidade do Novo México, realiza pesquisas sobre HPV no Centro Integrado de Câncer da UNM.

Ela e sua equipe publicaram um artigo de pesquisa no início deste ano em Agentes Antimicrobianos e Quimioterapia em que descrevem como uma droga chamada sulfato de protamina bloqueia a infecção pelo HPV. Como um jogo de cadeiras musicais entre moléculas, as moléculas da droga se ligam aos receptores das células do sulfato de heparan, impedindo que as partículas do vírus HPV o façam.

“O vírus [HPV] tem uma carga líquida”, diz Ozbun, “e o receptor celular de sulfato de heparan tem uma carga líquida. Eles se atraem. É isso que o vírus usa para se ligar às células.”

Uma vez aderida à superfície celular, uma partícula de HPV pode entrar na célula e cooptar sua maquinaria molecular para fazer mais cópias de si mesma. Mas se as moléculas de sulfato de protamina se ligam aos receptores das células de sulfato de heparan, as partículas de HPV não têm nada para se ligar e o processo infeccioso para.

Ozbun e sua equipe relataram que o sulfato de protamina não apenas previne a infecção pelo HPV, mas também reduz o risco de infecção mesmo após as células terem sido expostas ao vírus. A equipe realizou seus estudos em experimentos de laboratório e em camundongos. O próximo passo é testar o medicamento para esse novo uso em pessoas.

Você tem que criar algo que seja realmente bom e que as pessoas usem.

- Michelle OzbunDoutorado

Novos medicamentos passam por uma década ou mais de testes em pessoas antes de receberem aprovação da Food and Drug Administration (FDA) dos EUA, mas uma vez que um medicamento tenha aprovação da FDA, obter aprovação para um uso diferente simplesmente requer testes de eficácia para o novo uso.

O sulfato de protamina tem aprovação da FDA há décadas. Administrado por via intravenosa, neutraliza um medicamento para afinar o sangue chamado heparina, que geralmente é administrado às pessoas antes da cirurgia para evitar complicações durante o procedimento. Após a cirurgia, o sulfato de protamina é injetado para restaurar a capacidade de coagulação do sangue.

A equipe de Ozbun, inspirada nas ideias do colega de equipe Zurab Surviladze, PhD, sabia que no sangue, o sulfato de protamina bloqueia a heparina ligando-se aos receptores das células do sulfato de heparano. Eles projetaram estudos para mostrar que o sulfato de protamina também pode se ligar aos receptores de células de sulfato de heparan quando aplicado topicamente.

Eles também descobriram que o sulfato de protamina protege contra todas as cepas de HPV (a vacina atual contra o HPV protege apenas contra os nove tipos de HPV mais prevalentes). E, surpreendentemente, a equipe descobriu que, mesmo depois que uma célula foi exposta ao HPV, o sulfato de protamina pode impedir que o vírus assuma o controle da célula e faça mais cópias de si mesmo.

“'Infectado' significa que o vírus já está dentro da célula e está começando a se replicar”, explica Ozbun. “'Exposto' significa apenas que o vírus entrou em contato com uma célula que pode tomá-lo, mas você ainda pode impedir que o vírus entre e inicie uma infecção.”

Ozbun quer traduzir essa descoberta em algo que as pessoas possam usar em breve.

“Falamos sobre a redução do risco”, diz Ozbun sobre a infecção pelo HPV. “Uma das coisas que é importante para mim é a possibilidade de transformá-lo [sulfato de protamina] em algo acessível.”

Ela e sua equipe estudarão como o sulfato de protamina é protetor quando combinado com ácido hialurônico, um ingrediente comum em hidratantes de pele e lubrificantes sexuais. Hidratantes e lubrificantes são mais baratos que vacinas, e Ozbun espera que possam ser uma boa maneira de reduzir o risco de infecção.

“Você tem que criar algo que seja realmente bom e que as pessoas usem”, diz Ozbun. Ela e sua equipe podem ter descoberto esse algo.

 

Centro Integrado do Câncer da UNM

O Comprehensive Cancer Center da Universidade do Novo México é o Centro Oficial do Câncer do Novo México e o único Centro do Câncer designado pelo National Cancer Institute em um raio de 500 milhas.

Seus mais de 120 médicos especialistas em oncologia certificados pelo conselho incluem cirurgiões de câncer em todas as especialidades (abdominal, torácico, osso e tecidos moles, neurocirurgia, geniturinário, ginecologia e câncer de cabeça e pescoço), hematologistas/oncologistas médicos adultos e pediátricos, oncologistas ginecológicos, e oncologistas de radiação. Eles, juntamente com mais de 600 outros profissionais de saúde do câncer (enfermeiros, farmacêuticos, nutricionistas, navegadores, psicólogos e assistentes sociais), oferecem tratamento a 65% dos pacientes com câncer do Novo México de todo o estado e fazem parceria com sistemas de saúde comunitários em todo o estado para fornecer tratamento do câncer mais perto de casa. Eles trataram aproximadamente 14,000 pacientes em cerca de 100,000 consultas ambulatoriais, além de internações no Hospital UNM.

Um total de quase 400 pacientes participaram de ensaios clínicos de câncer testando novos tratamentos contra o câncer que incluem testes de novas estratégias de prevenção do câncer e sequenciamento do genoma do câncer.

Os mais de 100 cientistas de pesquisa do câncer afiliados à UNMCCC receberam US$ 35.7 milhões em subsídios e contratos federais e privados para projetos de pesquisa sobre o câncer. Desde 2015, eles publicaram quase 1000 manuscritos e, promovendo o desenvolvimento econômico, depositaram 136 novas patentes e lançaram 10 novas empresas start-up de biotecnologia.

Finalmente, os médicos, cientistas e funcionários forneceram experiências de educação e treinamento para mais de 500 estudantes de ensino médio, graduação, pós-graduação e pós-doutorado em pesquisa do câncer e prestação de cuidados de saúde do câncer.

Categorias: Comprehensive Cancer Center