$ {alt}
Por John Arnold

Pesquisadores da UNM têm como alvo o mosquito transmissor do Zika com óleo de capim-limão

Um óleo de ervas usado para cozinhar e conhecido por sua agradável fragrância cítrica pode ser uma arma potente na luta contra o vírus Zika e outras doenças transmitidas por mosquitos.

Pesquisadores do Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Novo México desenvolveram uma nova e surpreendentemente simples tecnologia que usa óleo de capim-limão para matar as larvas do mosquito.

"Esta é uma abordagem verdadeiramente de baixo custo e baixa tecnologia, mas funciona muito bem", disse Ravi Durvasula, MD, pesquisador de doenças infecciosas do Centro de Saúde Global da Escola de Medicina da UNM. "Não estamos alvejando o vírus. Estamos atrás do portador e queremos pegá-lo no estágio inicial. Você mata as larvas, você não tem mosquitos voando por aí."

Em concentrações muito baixas, o óleo de capim-limão é extremamente letal para o mosquito Aedes aegypti, que espalha Zika, dengue, chikungunya e outras doenças tropicais. O zika está alertando a saúde pública e os alertas de viagens em todo o mundo e está relacionado a sérios defeitos congênitos em bebês nascidos de mulheres infectadas pelo vírus.

“O grande problema é a água”, diz Durvasula. "Em grandes cidades em muitas partes do mundo, especialmente no mundo em desenvolvimento, existem grandes cisternas que armazenam água. Pneus e poças de água estagnadas. Eles são criadouros de mosquitos."

Portanto, os pesquisadores estão mirando nesses criadouros com minúsculas "bombas" de capim-limão. Usando um processo de aquecimento com patente pendente, eles colocaram a carga letal de capim-limão dentro das células de outro ingrediente natural, o fermento de padeiro, um alimento favorito das larvas de mosquitos.

Quando o fermento é colocado na água, a membrana celular contém completamente o óleo para que ele não vaze. Depois que as larvas se alimentam do fermento, as enzimas em seu intestino rompem a parede celular, liberando o óleo de capim-limão.

Dentro de 24 a 48 horas, um número significativo de larvas está morrendo. Dentro de uma semana, "temos 100 por cento de mortalidade no laboratório", disse o membro da equipe de pesquisa Ivy Hurwitz, PhD.

Enquanto os pesquisadores ainda precisam testar a tecnologia em configurações do mundo real, Hurwitz diz que está otimista de que verão resultados semelhantes. E se o fizerem, a tecnologia oferece uma série de vantagens atraentes sobre os métodos existentes usados ​​para controlar as populações de mosquitos, incluindo pesticidas.

“Em muitos lugares, eles colocam pesticidas na água”, diz Durvasula. "O problema é que esse é um produto químico que vai para o abastecimento de água. E muitos lugares pobres não podem comprar pesticidas. O óleo de capim-limão é muito barato."

Também é quase impossível para os mosquitos desenvolverem resistência ao óleo de capim-limão. Ao contrário de outros larvicidas, ele ataca várias vias biológicas nas larvas, incluindo os sistemas respiratório, nervoso, digestivo, endócrino e respiratório.

"Nós os chamamos de os cinco dedos da morte", diz Scott Matthews, MD, da UNM, que desenvolveu um processo simples para incubar células de levedura com óleos essenciais. O processo é tão simples, na verdade, que qualquer pessoa pode implantar a tecnologia com apenas algumas horas de treinamento.

“Queríamos fazer o tipo de coisa em que as pessoas não precisassem contar com suporte externo”, diz Matthews. "As pessoas precisam ser capazes de pegar a bola e correr com ela."

A eficácia da tecnologia não se limita ao mosquito Aedes. Os pesquisadores também fizeram experiências com sucesso com o mosquito culex, que carrega o vírus do Nilo Ocidental. Durvasula diz que sua equipe está expandindo o tamanho de seus experimentos enquanto ele trabalha para trazer a tecnologia ao mercado.

"Esse é o nosso objetivo", diz ele. "Estamos criando um larvicida ecológico que não envenena o abastecimento de água e é barato."

Categorias: Educação, Faculdade de Medicina