traduzir
$ {alt}
Por Luke Frank

UNM Children's Hospital abre a primeira clínica de concussão do estado

Recuperando a cabeça no jogo

A Hospital infantil da Universidade do Novo México abriu uma nova clínica de concussão pediátrica neste verão para fornecer atendimento integrado e abrangente para casos complexos de lesões cerebrais que chegam ao hospital, mas podem não exigir internação para reabilitação intensiva.

O momento parece certo, já que os esportes de outono estão a todo vapor para os jovens do Novo México, enquanto o atletismo escolar é retomado em todo o estado. Apesar dos melhores esforços dos treinadores, pais e alunos, haverá contato contundente devido a inúmeras colisões entre os atletas.

As concussões cerebrais são mais comuns entre as crianças do que podemos imaginar. Em 2016, 7 por cento das crianças americanas com idades entre 3-17 anos terão sofrido um traumatismo craniano significativo em algum momento de suas primeiras vidas, de acordo com a Pesquisa Nacional de Entrevistas de Saúde dos Centros para Controle e Prevenção de Doenças.

"As crianças podem sofrer concussões de várias maneiras", diz Nancy Rasch, gerente da Hospital Carrie Tingley serviços de reabilitação ambulatorial, que abriga a nova clínica. "Certamente de esportes de contato físico, mas na verdade qualquer coisa que tenha movimento associado a ele - acidentes de carro, quedas e outros incidentes mais comuns."

As concussões são lesões cerebrais leves após algum tipo de trauma. Se reconhecida e tratada, a maioria das pessoas se recupera totalmente de uma única concussão. No entanto, crianças e adolescentes podem sustentar várias concussões dentro do mesmo evento, às vezes sem saber, diz Rasch.

"Essas lesões tendem a demorar mais para se recuperar a cada vez e são mais propensas a ter sintomas persistentes, resultando em problemas físicos, cognitivos e psicológicos para o resto da vida", explica ela. "Então, desenvolvemos uma clínica pós-concussão interdisciplinar para trabalhar em pacientes com sintomas múltiplos."

Os sintomas de concussão podem incluir dor de cabeça, náusea ou vômito, sonolência excessiva, sensibilidade a ruído e luz, dormência ou formigamento em qualquer parte do corpo, tontura ou perda de equilíbrio, irritabilidade, visão dupla e muitos outros. A clínica de concussão atenderá pacientes de até 21 anos para tratamento ou plano de cuidados.

Vários especialistas podem trabalhar juntos nos casos, com base nos sintomas e nas necessidades do paciente. Essas equipes interdisciplinares podem incluir pediatras, especialistas em equilíbrio, neurologistas e neuro-oftalmologistas, fisioterapeutas ocupacionais e fonoaudiólogos, psicólogos e psiquiatras e outros.

Por enquanto, os pacientes da clínica de concussão pediátrica são encaminhados pelo Hospital Infantil da UNM, a sala de emergência pediátrica e outros departamentos dentro do Sistema de Saúde UNM. O processo começa com um diagnóstico de concussão ou lesão cerebral traumática leve e continua com avaliações de cuidados primários ao longo dos próximos dias, com testes cognitivos repetidos e exames de concussão.

Se as condições persistirem e o paciente apresentar déficit de atenção, problemas de audição ou visão, dificuldades na escola, sintomas emocionais, problemas de sono ou outros sintomas, ele pode ser encaminhado para a clínica.

O primeiro estágio da cura pode não exigir nenhuma atividade e completo tempo de silêncio e descanso, o que significa que não há interações em grupo, vídeos, leitura, computadores, telefones celulares ou lugares barulhentos. "É muito importante que o cérebro descanse após uma concussão", diz Rasch. "Quando a cura começa, podemos introduzir alguma atividade aeróbica leve, caminhada e bicicleta ergométrica, mas ainda assim queremos limitar as atividades em grupo."

As atividades são aumentadas gradualmente ao longo do tempo com base na resposta da criança ao tratamento e, idealmente, os alunos são capazes de retomar as atividades acadêmicas e atléticas normais.

"Avaliamos e tratamos todos os elementos de uma lesão, incluindo ansiedade, equilíbrio ou deficiência visual e muito mais", diz Rasch. "É uma oportunidade real de educar pais e famílias sobre o tratamento pós-concussão e a importância de uma recuperação completa."

Categorias: Envolvimento da comunidade, saúde, Melhores histórias