$ {alt}

Profissional de saúde SRMC fora de serviço ajuda a salvar homem na academia

Todos os dias, centenas de pessoas no Centro Médico Regional UNM Sandoval (SRMC) dedicam seu tempo e habilidades aos seus pacientes. O trabalho que salva vidas é o seu trabalho e a sua paixão. Mas para duas mulheres que trabalham lá, foi o que aconteceu lado de fora do hospital que mudou tanto a sua vidas e salvou outra. 

Estranhos antes, agora os dois estão ligados para sempre.

Ainda não consigo acreditar que isso aconteceu. Você olha para trás e pensa, ‘uau’.

- Jennifer Torbaghan, RN, MSN, Centro de Excelência UNM

“Ainda não consigo acreditar que isso aconteceu”, disse Jennifer Torbaghan, RN, MSN. “Você olha para trás e pensa, ‘uau’”.

Torbaghan é o Diretor de Clínicas de Especialidades Cirúrgicas do Centro de Excelência em Cirurgia e Reabilitação Ortopédica (COE) da Universidade do Novo México, uma instalação localizada em frente ao SRMC. Ela lidera uma equipe de profissionais de saúde no segundo andar. 

“Minha prioridade são minhas interações com minha equipe. Eles são o maior ativo que possuo e a razão pela qual podemos oferecer um atendimento tão bom aos pacientes.” 

Fora do COE, Torbaghan lidera outra equipe – não de profissionais de saúde – mas de entusiastas do CrossFit na academia que a conhecem simplesmente como “Treinadora Jenn”. 

“Acho que liderança e coaching são muito semelhantes”, disse Torbaghan. “Ambos têm pontos fortes semelhantes, então adoro fazer isso.”

O dia que mudou tudo aconteceu naquela academia CrossFit Thunderhawks, em Rio Rancho. Depois do turno no COE, ela foi malhar; ela não estava treinando naquele dia. 

“Acabei de ser atleta, o que é muito divertido”, disse ela. “Então, o treinador nos leva ao quadro branco. Estamos fazendo o treino que incluiu corrida. O treinador diz, ‘três, dois, um, vai!’ e eu vou embora.”

Torbaghan começou a correr pelo prédio quando, de repente, “ouvi um treinador gritando por socorro”, disse ela. 

Quando ela correu de volta para dentro, viu um homem, um de seus estagiários, caído imóvel no chão.

Por um momento não houve nada. Não havia respiração. Não havia nada.

- Jennifer Torbaghan, RN, MSN, Centro de Excelência UNM

“No início parecia que ele tinha tido uma convulsão, mas não tinha pulso”, disse Torbaghan. “Sua pele estava fria e úmida e seus olhos estavam fechados.”

A equipe da academia ligou para o 911, o dono da academia pegou o desfibrilador externo automático (DEA) e colocar as pás no peito do homem. Com o dono de um lado e a treinadora Jenn do outro, os dois trabalharam para salvar sua vida. 

“Quando você coloca os eletrodos do DEA e diz ‘aconselha-se choque’, isso significa que o aparelho detectou um ritmo cardíaco letal ou um ritmo que não é sustentável para a vida”, disse ela. 

E foi exatamente isso que a máquina alertou. 

“Demos um choque e então comecei a RCP. Felizmente o DEA estava lá, estava contando. Isso nos mantinha no caminho certo”, disse Torbaghan. 

Os dois se revezaram na aplicação de RCP.

“Por um momento não houve nada”, disse ela. “Não havia respiração. Não havia nada. Depois de fazermos três rodadas de RCP, ele teve uma respiração agoniante.”

Em poucos minutos, Técnicos de Emergência Médica (EMT) chegaram e levaram o homem ao hospital. 

No dia seguinte, Torbaghan ainda estava se recuperando do que havia acontecido na academia. 

“Tive que vir trabalhar, cuidar dos nossos pacientes, cuidar da nossa equipe. Mas saí um pouco mais cedo para poder vê-lo”, disse ela, parando para enxugar as lágrimas. “Eu precisava vê-lo. Eu estava tão preocupado por tê-lo machucado ao realizar a RCP.” 

Quando ela chegou ao hospital, sua preocupação diminuiu. 

“Ele estava acordado. Ele estava vivo”, disse Torbaghan. “A esposa dele estava lá e ele ficou muito aliviado. Claro, ele passou por muita coisa, mas foi tão bom vê-lo sorrir.”

Quer seja um líder no hospital, um treinador num ginásio, é apenas parte de quem somos e do que fazemos. Sou apenas uma pequena peça do quebra-cabeça do que aconteceu naquele dia.

- Jennifer Torbaghan, RN, MSN, Centro de Excelência UNM

Esse homem era Hassan Firoozi. Com apenas 39 anos, ele sofreu uma parada cardíaca súbita, o que fez com que seu coração parasse de bater repentinamente. Se não fosse pela treinadora Jenn e pela equipe da academia, ele poderia ter morrido. 

“Ela salvou minha vida,” Firoozi disse sorrindo. “Ela conseguiu, ela realmente conseguiu!” 

Firoozi e sua esposa mudaram-se para Rio Rancho há alguns meses. Firoozi é um atleta ávido que já competiu em competições de resistência extrema como a Spartan Race, entre outras. Ele estava ansioso para encontrar uma nova academia e Torbaghan foi a primeira pessoa que conheceu no CrossFit ThunderHawks. Ela o incentivou a ingressar no time, um time que agora também se tornou sua família.

“Ela me apresentou às pessoas e me disse: ‘É uma boa academia com ótimas pessoas; experimente e você vai adorar.’ Essas pessoas literalmente salvaram minha vida”, disse Firoozi. “Estou tão feliz por estar aqui. Dia após dia, luto para melhorar com o apoio dos meus amigos, da minha família e principalmente da minha esposa.”

No hospital, Torbaghan e Firoozi descobriram outra coisa. A esposa de Firoozi também trabalha no COE, um andar abaixo de Torbaghan.

“Ela é uma de nossas fisioterapeutas ambulatoriais”, disse Torbaghan. “Eu não tinha ideia até conhecê-la no hospital.”

“Nos conhecemos na UTI”, disse Gungeet Kaur, PT, MS, CLT, sorrindo. “Jenn me apoiou muito, mesmo depois, se eu precisasse de alguma coisa. Simplesmente incrível”, disse ela. “Estou muito grato por essas pessoas.

Kaur e Firoozi estão muito gratos porque a academia tinha uma máquina DEA e a equipe sabia exatamente o que fazer. 

“É muito importante aprender a fazer RCP e tornar o DEA acessível em todos os locais públicos”, disse Firoozi.

E a reviravolta final da história, os donos do CrossFit ThunderHawks que ajudaram naquele dia também são profissionais de saúde. César Javier Hernandez, MD, e Anti Soto-Hernandez, MD, originários de Porto Rico, fizeram residência na Faculdade de Medicina da UNM. 

“Seja um líder no hospital, um treinador numa academia, é apenas parte de quem somos e do que fazemos”, disse Torbaghan sobre o grupo. “Sou apenas uma pequena peça do quebra-cabeça do que aconteceu naquele dia.”

Ela acrescentou que está grata pela gentileza e carinho que recebeu do homem que ajudou a salvar e de sua esposa, o casal que agora ela chama de amigos. 

“Deus me colocou lá por um motivo. Mas todo o reconhecimento e todo o amor deles foram avassaladores de uma forma muito positiva”, disse ela. “Estou muito grato por eles.”

Categorias: Notícias que você pode usar, Centro Médico Regional Sandoval, Melhores histórias