traduzir
Um médico pediátrico examinando um paciente com um estetoscópio
Por Michael Haederle

Colaborando para uma cura

Oncologistas pediátricos da UNM destacam o mês nacional de conscientização sobre o câncer infantil

Setembro é o mês nacional de conscientização sobre o câncer infantil, um lembrete de que, embora o câncer em crianças seja uma doença incomum, mas é a causa mais comum de mortalidade por doença em jovens.

O estado vê cerca de 100 novos casos de câncer infantil por ano, em média, diz Koh Boayue, MD, professor associado da Divisão de Oncologia Pediátrica da Universidade do Novo México.

A boa notícia é que os médicos de câncer pediátrico da UNM pertencem ao Grupo de Oncologia Infantil (COG), um consórcio internacional de médicos que desde a década de 1960 realizam ensaios clínicos dos mais recentes tratamentos para câncer em crianças e adolescentes, diz ela.

Hoje, o COG é apoiado pelo National Cancer Institute e inclui mais de 7,500 médicos dos EUA, Canadá, Suíça, Holanda, Austrália e Nova Zelândia. A capacidade de reunir pesquisas e compartilhar dados nos EUA e em todo o mundo rendeu dividendos, diz ela, pois os ensaios clínicos do COG oferecem a oportunidade de tratar e estudar milhares de crianças com câncer ao mesmo tempo.

“O que aconteceu nos últimos 10 anos é que descobrimos que o câncer em crianças de 0 a 15 anos teve uma boa evolução”, diz Boayue, observando que a leucemia linfoblástica aguda – o câncer pediátrico mais comum – tem uma sobrevida global taxa de 85%. 

“O Grupo de Oncologia Infantil tem estado na vanguarda dessa melhoria no resultado do tratamento do câncer para crianças que estamos vendo hoje”, diz ela. E como a maioria das instalações de tratamento de câncer dos EUA são instituições membros do COG, os protocolos de tratamento são os mesmos em todos os lugares.

“É realmente padronizado, e a UNM se dedica a garantir que as crianças no Novo México tenham o mesmo acesso que as crianças de outros lugares nos Estados Unidos, diz Boayue, acrescentando que essa capacidade de acessar os ensaios clínicos do COG poupa as famílias do Novo México de ter que se mudar. de estado para tratamento.

 

Koh Boayue, MD
Estamos aqui. Os impostos pagos no Novo México estão cuidando de sua família e de seus filhos. Tratamos nossos pacientes com base nesses ensaios clínicos que acontecem há 60 anos
- Koh Boayue, MD

“Essas são as coisas que estamos tentando conscientizar as pessoas”, diz ela. "Estamos aqui. Os impostos pagos no Novo México estão cuidando de sua família e de seus filhos. Tratamos nossos pacientes com base nesses ensaios clínicos que já duram 60 anos”.

A diversidade racial e étnica do Novo México o torna um local atraente para ensaios clínicos. “Nós, no Novo México, temos uma posição única, porque quando o COG faz sua pesquisa clínica, quanto mais crianças de todas as etnias participam desde o início, melhor é”, diz Boayue. “As taxas de resposta podem variar com base em diferentes características da população, e os ensaios clínicos são a melhor maneira de estudar essas disparidades”.

Ela observa que os médicos também fizeram avanços no tratamento do câncer entre adultos mais velhos, mas, surpreendentemente, as taxas de sobrevivência para pacientes adolescentes e adultos jovens com idades entre 15 e 39 anos permanecem sombrias.

Pesquisas estão em andamento para determinar o motivo da disparidade, incluindo a possibilidade de que adultos jovens não tenham o mesmo nível de acesso a cuidados médicos que tinham quando moravam com seus pais, e que pode haver uma lacuna no local de prática do médico ou experiência para o tratamento de pessoas que se encontram entre a infância e a idade adulta.

Apesar de toda a melhoria no tratamento de crianças com câncer, ainda existem crianças que não sobrevivem ao câncer, ou crianças que sobrevivem, mas apresentam complicações debilitantes de sua doença ou tratamento.

“É por isso que aumentamos a conscientização sobre o câncer infantil, para que a pesquisa continue até que possamos curar todas as crianças com câncer e melhorar a qualidade de vida daqueles que sobrevivem”, diz Boayue.

Categorias: Hospital Infantil, Engajamento Comunitário, Notícias que você pode usar, Melhores histórias