traduzir
Uma pessoa olhando para uma vista do Novo México
Por Elizabeth Dwyer Sandlin

Requisitos de residência

Feira Joanna da UNM ajuda a promover princípios holísticos para treinamento médico

O que faz um bom médico? Certamente, uma carreira acadêmica de sucesso pode fornecer alguns insights, mas como outras qualidades importantes podem ser medidas – como liderança, curiosidade ou compaixão?

Estas são as questões colocadas pelos comitês de admissão e seleção que visam trazer uma lente holística para os processos de análise de candidatura para suas escolas de medicina e programas de treinamento.

Joanna Fair, MD, PhDComo parte de tais esforços, a Associação de Faculdades Médicas Americanas (AAMC) lançou o Comitê Consultivo de Princípios Holísticos Avançados, no qual Joanna Fair, MD, PhD, reitora associada sênior de Educação Médica de Graduação (GME) na Escola de Medicina, foi recentemente convidado a servir.

O comitê é composto por “um grupo de líderes acadêmicos de todo o país em vários níveis. Alguns podem liderar programas de Educação Médica de Graduação (UME), alguns podem ser professores ou reitores”, disse Fair.

Princípios holísticos para admissões da UME estão em vigor há algum tempo, e a UNM está há muito tempo na vanguarda da revisão holística de inscrições para faculdades de medicina.

“Eu tenho que falar muito bem sobre os colegas da UNM, como a Dra. Marlene Ballejos e o Dr. Robert Sapien, e o trabalho que eles já fizeram na UNM na UME”, disse Fair. “Dra. Ballejos foi fundamental para nos ajudar a conduzir workshops para nossos colegas da GME, compartilhando o trabalho que eles fizeram por anos. Graças ao seu trabalho, nossos candidatos à faculdade de medicina da UNM não são reduzidos apenas a números, como notas ou resultados de testes.”

Enquanto vários dos programas GME da UNM foram os primeiros implementadores e construíram uma base sólida na revisão holística, a AAMC desenvolveu apenas recentemente um kit de ferramentas de princípios holísticos GME, que aborda o recrutamento e seleção de residentes e bolsistas. No futuro, Fair e seus colegas trabalharão para garantir que esses recursos sejam incorporados aos processos de seleção da GME.

Quando a AAMC fez um apelo para que novos membros se juntassem ao Comitê Consultivo de Princípios Holísticos Avançados, uma categoria que eles identificaram foi de pessoas que atuam como diretores de programas de residência ou como funcionários institucionais designados (chefe de Educação Médica de Pós-Graduação). Reconhecendo a importância deste trabalho, Fair queria estar diretamente envolvido com a equipe desenvolvendo ainda mais esses princípios e ferramentas em nível nacional.

A revisão de um aplicativo de forma holística inclui olhar para a pessoa como um todo – suas experiências, atributos, competências e métricas. Métricas são as mais fáceis, os números nos testes e seus GPAs, enquanto avaliar experiências e atributos são mais complicados. É aí que entra em jogo o que importa para um programa específico, juntamente com a missão institucional geral.

“Para nós, o acéfalo é recrutar novos mexicanos, porque é extremamente importante fornecer uma força de trabalho de saúde por Comunidades do Novo México”, diz Fair. “Isso é fácil de selecionar nas aplicações. Mas e se o que importa é a resiliência, como um atributo? Como você pega os 2,700 pedidos que a Medicina Interna recebeu este ano e os filtra e classifica para descobrir quem tem mais resiliência? Como operacionalizamos esse processo para que seja aplicado de forma justa e adequada?”

Esse número, 2,700, parece alto, mas os programas GME podem receber centenas a milhares de inscrições, e pode haver apenas algumas pessoas supervisionando o processo de revisão. Esses recursos limitados podem tornar a perspectiva de processos de seleção holísticos bastante assustadora.

“Certamente é fácil escolher um número ou uma nota e dizer: 'OK, vamos jogar fora tudo abaixo disso'”, diz Fair, “mas reconhecemos que não é realmente uma válido maneira de revisar aplicativos. Há muito mais a considerar sobre o que faz um bom médico ou um bom praticante da especialidade XYZ.”

Descobrir como implementar esses princípios é um desafio, pois eles são diferentes para cada especialidade. Os programas precisam “olhar para este kit de ferramentas e descobrir o que se encaixa melhor com seu programa”, diz Fair. No entanto, haverá temas comuns e, ao compartilhar entre programas e instituições, “podemos melhorar continuamente nossos processos”.

Em vez de um esforço estático e feito, aprender a melhor forma de implementar as ferramentas é um processo contínuo. Dr. Fair acredita que parte do papel do comitê será receber e incorporar feedback à medida que mais e mais programas GME abordam as seleções de forma holística e refinam suas abordagens.

Todos esses fatores inspiraram o Dr. Fair a se envolver com este comitê, não apenas moldando ainda mais o kit de ferramentas de implementação, mas aprendendo com outros membros do comitê e trazendo esse conhecimento de volta aos processos de seleção GME na UNM.

“Estou muito grato por ter sido escolhido para esta função”, diz o Dr. Fair. “Temos muito a oferecer na UNM, como um ambiente educacional único com perspectivas que nem sempre fazem parte dos grandes comitês nacionais. Eu aprecio ter uma voz na mesa e estou empolgado com o trabalho pela frente.”

Categorias: Envolvimento da comunidade, educação, saúde, Faculdade de Medicina, Melhores histórias