Medicina de rua
By Nicole San Román

O trabalho e o valor da medicina de rua

“Você está com alguma dor no peito agora? Alguma falta de ar?

A paciente balança a cabeça enquanto a médica Lindsay Fox, MSPAS, PA-C, coloca as mãos nas costelas da mulher. Fox é médico assistente do Departamento de Medicina Interna da Faculdade de Medicina da Universidade do Novo México.

“Ok, então o que estou verificando agora é ter certeza de que, quando você respira, suas costelas se expandem”, disse Fox. A mulher espera pacientemente enquanto o exame continua. 

Essa interação não acontece dentro de uma clínica ou de um quarto de hospital. Está acontecendo lá fora, na rua, no calor escaldante do verão, perto do Robinson Park, às 8h. th e Central no noroeste de Albuquerque. A mulher em tratamento não tem casa. 

Uma rápida pesquisa on-line no Robinson Park anuncia o popular Downtown Grower's Market, que ocupa o espaço todo fim de semana nos meses de verão. Mas num dia de semana, o fascínio pela comida fresca, pela arte e pela música desaparece. Este se torna um lugar onde uma comunidade de pessoas que não têm muito procura abrigo.

“As pessoas têm se reunido aqui porque é uma área centralizada, mas também oferece muita sombra. Eles estão morando em tendas no parque”, disse Fox.

Resolver o problema dos sem-abrigo não é uma questão nova para Albuquerque, mas é uma questão que está a crescer. No início deste ano, os legisladores do Novo México receberam um relatório da Comissão Legislativa de Finanças [PDF] indicando que a falta de moradia no estado aumentou quase 50%, com metade dessas pessoas morando em Albuquerque.

O trabalho da medicina de rua da UNM Ciências da Saúde on Vimeo.

 

Medicina de Rua

Além de seu trabalho na UNM com pacientes e estudantes de medicina, Fox também é diretora de serviços médicos da ABQ Street Connect (ABQSC). ABQSC é uma iniciativa colaborativa voltada para a habitação, focada em ajudar pessoas que vivem em situação de rua e que precisam urgentemente de cuidados e em levá-las para suas casas.

“Estamos constantemente pensando na melhor forma de servir as pessoas”, disse Fox. “As pessoas que atendemos são as de maior acuidade, aquelas com maior probabilidade de morrer em nossas ruas.”

Fox disse que uma maneira de fazer isso é através da medicina de rua. Fox e sua equipe saem e encontram as pessoas mais vulneráveis ​​que vivem nas ruas de Albuquerque. Eles trabalham para construir relacionamentos e confiança, oferecendo atendimento imediato e serviços de apoio com o objetivo final de ajudar as pessoas a encontrar moradia permanente.

Agora, programas como o Street Medicine estão recebendo mais apoio. O Departamento de Medicina Interna da Faculdade de Medicina da UNM, juntamente com a Medicina Interna Geral (GIM), escreveram e receberam uma doação de US$ 250,000 do Departamento de Saúde do Novo México. Esse dinheiro será usado para expandir os serviços do novo Centro de Saúde Inclusiva da UNM, que fornecerá medicina móvel e serviços clínicos com agências como a ABQSC.

Além disso, a UNM Health, juntamente com a ajuda de um doador privado, contratou empresas reconhecidas internacionalmente Instituto de Medicina de Rua (SMI) para fornecer serviços de consultoria para ajudar a construir e sustentar o programa aqui em Albuquerque.

 

Como funciona a medicina de rua

Fox e a equipe da ABQSC trabalham em estreita colaboração com a cidade de Albuquerque, o Departamento de Polícia de Albuquerque, o Departamento de Emergência da UNM, o Departamento de Psiquiatria e Ciências do Comportamento da UNM e outras organizações de assistência gerenciada para identificar pessoas com necessidade crítica de habitação e serviços sociais. A Fox também é apoiada por equipes inteiras do sistema de saúde da UNM.

“É por isso que adoro a UNM. Não estou aqui sozinho. Tenho toda aquela universidade à qual posso recorrer para me ajudar sempre. Não importa quem atenda o telefone, eles me consultam para garantir que o paciente receba o tratamento de que precisa com dignidade e compaixão”, disse Fox.

 

Um dia na rua

Neste dia em particular, foi um telefonema da cidade sobre Robinson Park que fez Fox entrar em seu Subaru com sua mochila gigante cheia de suprimentos. Sua equipe ABQSC também estava a caminho. 

No carro, Fox falou sobre como é interagir com um grupo diversificado de pessoas com necessidades diversas, que nem sempre estão dispostas a receber ajuda.

“Uma das coisas em que começo a pensar quando me envolvo com as pessoas é: em última análise, o que é melhor para elas? Talvez o que seja melhor para eles agora possa não ser o melhor para eles daqui a 18 meses, mas acho que precisamos começar a pensar que nem todo mundo precisa morar em uma casa unifamiliar. Algumas pessoas podem se sair melhor em uma casa coletiva. Algumas pessoas poderiam se sair melhor em um sistema que fornece serviços completos, e temos alguns deles em Albuquerque.”

Quando Fox chega ao Robinson Park, ela é alertada sobre um grupo reunido do outro lado da rua. O perímetro da grande área pavimentada está repleto de sacos de dormir enrolados, mochilas e carrinhos de compras lotados; um ursinho de pelúcia gigante está no topo de um deles. Alguns policiais próximos de Albuquerque explicam que estão tentando fazer com que o grupo saia da área desde aquela manhã.

Já passa um pouco das 10h e está calor. Não é seguro. Fox diz que encontrou muitas pessoas nas ruas com queimaduras graves por deitarem ou dormirem no cimento.

 “Bom dia, pessoal, sou Lindsay, da Street Connect e UNM. Acho que conheci alguns de vocês na semana passada. Estou apenas verificando você. Vocês estão se sentindo bem hoje? 

Fox encontra resistência, até mesmo alguma hostilidade no início. Um homem que está sentado debaixo de um cobertor a xinga – dizendo-lhe para recuar. Você pode sentir a tensão, mas a Fox não se intimida, movendo-se de maneira respeitosa e tranquila pela comunidade, oferecendo suprimentos médicos e avaliações.

“Quando vamos a este parque, entramos no mundo deles e temos que respeitar isso”, disse Fox.

“Não posso simplesmente dizer 'isso é o que você precisa fazer e é assim que vamos resolver o problema'. Muitas pessoas que estão sem casa têm resiliência e forças pessoais que nem consigo imaginar. Então, trata-se de aprender com eles – quais são suas necessidades e quais são suas preocupações. O importante é ouvir primeiro o que é importante para eles e trabalhar a partir daí.” 

E o que era importante para esse grupo naquele momento era um projeto de arte. Fox encontra a mulher responsável – a líder desta comunidade.

A mulher reconhece Fox instantaneamente e pede que ela dê uma olhada. Ela está sentindo dor. Ela não tem conseguido dormir. Fox a examina e lhe dá um pouco de ibuprofeno: “Você pode tomar dois comprimidos a cada oito horas”.

Em seguida, a mulher explica o projeto artístico em que ela e suas amigas estão trabalhando. Eles vão pintar um mural ao longo das paredes de cimento. Ela chora ao expressar que isso significa tudo para ela e explica que recebeu permissão da cidade para que isso acontecesse. Fox ouve e tem empatia enquanto permanece focado.

“Este é o meu bairro”, Fox disse a ela, “Então, estou animado que você esteja fazendo isso. Só estou muito preocupado com o fato de seu pessoal estar fazendo o mural porque está muito quente. Se estiver 95 graus, este pavimento está 112 graus.”

Fox passou a discutir algumas opções de moradia com a mulher, mas, naquele momento, a mulher está focada apenas no projeto e no que ela considera intimidação policial. Ela começa a chorar e gritar.

Depois de acalmá-la, Fox perguntou se ela estava com fome e se gostaria de comer alguma coisa. A tensão diminui um pouco. Os olhos da mulher suavizam.

“Acho que ela é facilmente acionada. Acho que ela está com fome”, disse Fox. Fox comprou para a mulher um burrito de café da manhã.

“A medicina de rua baseia-se em ir ao encontro do paciente onde ele está, atendê-lo nos seus termos e reduzir qualquer dinâmica de poder. Queremos manter o poder com o paciente e permitir que ele permaneça no centro”, disse Fox. “Você sabe, provavelmente há muitas outras coisas médicas que ela pode precisar, mas o que ela precisa agora é de comida, segurança, água, abrigo, e isso é fundamental. Como médico, preciso entender isso. Se um burrito vai melhorar a situação, então é melhor do que qualquer comprimido que eu possa prescrever.”

 

Lindsay Fox apertando a mão do homem.
Como médico, preciso entender isso. Se um burrito vai melhorar a situação, então é melhor do que qualquer comprimido que eu possa prescrever.
- Lindsay Fox, MSPAS, PA-C

Fox sorriu: “Quer dizer, eu sei que sou muito exigente quando estou com fome”.

Embora não saiba detalhes específicos sobre esse projeto de arte, Fox disse que o projeto em si é importante.

“É importante porque é importante para ela. Se isso faz com que ela se sinta mais incorporada à comunidade, vamos descobrir como podemos fazer isso. "

Naquele dia, Fox e sua equipe conseguiram trabalhar em colaboração com a Polícia de Albuquerque para aliviar a tensão dentro do grupo. Eles forneceram suprimentos médicos e alimentos e, o mais importante, alguns quartos de hotel para algumas pessoas daquele grupo, incluindo a mulher que liderava o projeto.

“Pudemos dizer: 'Ei, olha, honramos o trabalho que você quer fazer aqui, mas vamos levá-lo a algum lugar onde haja ar condicionado e onde você possa descansar. Você pode estar seguro.'”

 

Colecionador de histórias

No final das contas, Fox se autodenomina uma colecionadora de histórias, tentando reservar um tempo para ver cada pessoa com quem interage como um indivíduo.

“Neste momento, vivemos numa sociedade baseada no medo, que tem feito um excelente trabalho ao 'alterar' as pessoas. Você diminui a humanidade das pessoas dessa forma. As pessoas na rua são pessoas. Eles podem ser uma mãe, podem ser uma criança; você tem que lembrar que muitas pessoas estão apenas fazendo o melhor que podem e que são humanas. Eles poderiam estar se saindo melhor? Não sei. Não cabe a mim julgar. Temos a capacidade, como sociedade, de ajudar as pessoas. Absolutamente."

Fox compartilha essa mensagem com seus alunos. “É ótimo saber biologia, mas quero que você saiba o que significa ser humano. Se você não sabe o que significa ser humano, então é melhor descobrir, porque o que estamos tratando aqui não é biologia, mas tratamos de seres humanos.”

"É uma honra. Posso colecionar todas essas lindas histórias”, disse Fox. “Eles me inspiram.”

A mulher que liderou o projeto de arte naquele dia a inspirou.

“É muito difícil viver na rua, mas quando você vê ela tentando fazer algo bonito, no meio do caos absoluto, você pode respeitar isso. Ela fica tipo, ‘Vou fazer algo bonito’ e está disposta a lutar por isso. Bem, tudo bem, garota!

____

Mais informações: Visita ao Instituto de Medicina de Rua

A equipe do internacionalmente reconhecido Street Medicine Institute estará em Albuquerque a partir do dia 23 de agostord para prestar consultoria sobre a construção e expansão do Programa de Medicina de Rua de Albuquerque. Uma apresentação de Grand Rounds com especialistas do Street Medicine Institute será realizada quinta-feira, 24 de agostoth das 12h30 às 1h30 no Auditório Domenici e via Zoom.

Folheto sobre medicina de rua [PDF]

Categorias: Envolvimento da Comunidade , Diversidade , Faculdade de Medicina