Medicina UNM

A UNIVERSIDADE DO NOVO MÉXICO ESCOLA DE MEDICINA ALUMNI MAGAZINE

Edição outono 2021

Transferir PDF | VER PROBLEMAS ANTERIORES

Matéria de capa: Indo longe

As comunidades rurais do Novo México estão espalhadas por mais de 120,000 milhas quadradas de topografia acidentada, o que representa problemas para os prestadores de serviços de saúde, especialmente serviços médicos de emergência (EMS).

LER
MAIS

FECHAR

Matéria de capa: Indo longe

EMS Consortium comemora 10 anos como um programa de classe mundial personalizado para as necessidades exclusivas do Novo México Por Paige R. Penland

As comunidades rurais do Novo México estão espalhadas por mais de 120,000 milhas quadradas de topografia acidentada, o que representa problemas para os prestadores de serviços de saúde, especialmente serviços médicos de emergência (EMS).

“O principal desafio é a distância”, diz Darren Braude, MD, professor nos Departamentos de Medicina de Emergência e Anestesiologia e Medicina de Cuidados Intensivos da Escola de Medicina. “É por isso que fazemos o que fazemos.”

Dez anos atrás, como diretor médico da Lifeguard, Braude ajudou a universidade a alavancar sua infraestrutura EMS existente com a criação do EMS Medical Direction Consortium. Hoje, é um modelo de classe mundial para cuidados comunitários de qualidade.

O Consórcio reúne recursos universitários, como o centro de trauma de Nível I do Hospital UNM e o Hospital Infantil UNM, com uma rede abrangente de prestadores de serviços de saúde do Novo México. Uma equipe de médicos certificados pelo conselho com experiência especial em medicina de emergência forma o coração da operação.

Esses médicos do corpo docente atuam como diretores médicos para agências estaduais e locais, como bombeiros e polícia. Eles estão disponíveis 24/7/365 por telefone para provedores em todo o estado. Eles viajam em veículos de emergência dedicados – ambulância, helicóptero ou avião de asa fixa – especialmente equipados com equipamentos e suprimentos médicos de ponta.

“Quando saímos para o campo, podemos ser o suporte de vida mais bem equipado para centenas de quilômetros”, diz Kimberly Pruett, MD '14, professor assistente de Medicina de Emergência.

Essa vasta rede de recursos permite que o Consórcio aborde estrategicamente as questões de saúde.

“Por exemplo, uma cidade no norte do Novo México acabou de perder seu serviço de ambulância”, diz Pruett. “É uma questão de pessoal. No curto prazo, faremos treinamento para salvar vidas com as partes interessadas da comunidade para que possam manter as pessoas vivas até que uma ambulância de uma comunidade vizinha chegue.”

“O Consórcio também terá um papel de trazer novas pessoas para o campo”, acrescenta Joy Crook, MD, chefe da divisão de Medicina Pré-Hospitalar Austera e de Desastres. “Assim como os sistemas de saúde em todo o país, perdemos trabalhadores. Queremos identificar jovens talentosos e colocá-los no EMS.”

Problemas complexos exigem soluções multifacetadas, que o Consórcio está posicionado de forma única para fornecer.

SALVA-VIDAS

Antes do Consórcio, havia Salva-vidas. O Hospital UNM começou a fornecer transporte neonatal em todo o estado em 1975 e, em 1983, expandiu-se para fornecer transporte médico de emergência completo como salva-vidas.

Darren Braude, MD, tornou-se diretor médico da Lifeguard há 20 anos e começou a expandir a missão da Lifeguard de fornecer à zona rural do Novo México alguns dos melhores cuidados de saúde pré-hospitalares do mundo. Em 2011, nasceu o Consórcio EMS.

Hoje, Braude é novamente Diretor de Salva-vidas – e na vanguarda da pesquisa de transporte de pacientes. “Colaboramos com companhias aéreas regionais concorrentes para criar padrões para o transporte de pacientes com COVID”, explica ele. Seu relatório revisado por pares no Journal of the American College of Emergency Physicians Open foi estudado pelo pessoal do EMS em todo o mundo.

“Meus mentores disseram: 'Estou praticando no Novo México, estou indo muito bem, é ótimo para minha família e eu adoro isso.' Esse tipo de percepção é fundamental quando você está tomando decisões de longo prazo. É um sonho que se tornou realidade obter o treinamento que recebi [e] ser capaz de praticar em meu estado natal e usar meu treinamento em seu potencial máximo. ”

 cover4.jpg

 

CONSTRUINDO UM MODELO MELHOR

O Consórcio combina a missão tradicional do EMS – alcançar, tratar e estabilizar – com o dever de ampliar o acesso à saúde em comunidades carentes. O lucro geralmente não faz parte da equação.

“É uma entidade estatal, de propriedade do hospital e sem fins lucrativos”, diz Braude. “Temos o luxo de levar dois, três ou quatro membros em qualquer passeio. A Universidade quer que sejamos inteligentes e práticos, mas é a missão em primeiro lugar.”

“O modelo tradicional é uma pessoa supervisionando uma agência EMS”, diz Crook. “Não conseguíamos nem fornecer cobertura telefônica.” A comunicação vai nos dois sentidos; prestadores de cuidados de saúde rurais são os olhos e ouvidos da universidade no campo. Mas eles precisam saber que uma chamada de emergência será atendida por um médico altamente treinado.

“São profissionais médicos brilhantes e dedicados”, diz Pruett. “Mas eles gostam de ter uma opção de 'telefonar para um amigo'.”

Embora o foco seja o EMS, esse modelo é ágil e responsivo. O Consórcio evacuou o Centro Médico de Los Alamos durante os incêndios florestais de 2011, coordenou os esforços de vacinação durante um surto de hepatite A em Bernalillo e supervisionou os esforços de busca e resgate no Grand Canyon.

Esta é a equipe que você chama quando as coisas ficam sérias.

 

 

COMPROMISSO COM A COMUNIDADE

Para levar a Universidade ao paciente, o Consórcio precisava da confiança e cooperação das partes interessadas em todo o Novo México. A UNM já estava lá.

“A universidade cultivou gerações de boa vontade em comunidades periféricas. Foi fácil construir relacionamentos”, diz Pruett. “Perguntamos quais necessidades eles identificaram e como podemos ajudá-los a atingir suas metas.”

“Algumas organizações não perguntam aos stakeholders, às pessoas que vivem naquela comunidade, o que eles precisam”, concorda Mateo Garcia, MD '18, bolsista do EMS e médico assistente do Hospital da UNM. “A UNM entende que o diálogo é como obtemos informações e construímos confiança.”

Esse modelo centrado na comunidade também permite que a UNMH crie estratégias para a introdução de novas tecnologias, como a oxigenação por membrana extracorpórea (ECMO). Esta tecnologia de alto nível pode apoiar temporariamente a função cardíaca e pulmonar de um paciente. Mas os candidatos rurais em parada cardíaca não podem ser transportados a tempo. A UNMH teve que colocar essa tecnologia em campo.

“Nós o chamamos de “PECMO” – ECMO pré-hospitalar”, diz o Dr. Crook. “Tivemos que colaborar com outras partes interessadas, em particular a liderança da Medicina de Emergência. E em 2019, nos tornamos a primeira organização do mundo que pode enviar médicos para sua casa e colocá-lo em uma máquina de ECMO.”

Esse é o tipo de compromisso com a comunidade que cria confiança para outra geração.

OLHANDO SEGUINTE

A pandemia atuou como um teste de estresse para todos os sistemas de saúde do Novo México. O Consórcio está trabalhando duro para apoiar agências estaduais e locais com videoconsultas, coordenando com hospitais regionais para encontrar leitos de UTI abertos e, claro, serviços de EMS e transporte de pacientes.

“Neste momento, todo mundo está lutando”, diz Garcia. “Mas quero que os Novos Mexicanos saibam que o Consórcio EMS está aqui para ajudar nesta crise e na próxima. Você não está sozinho. Pessoas conscientes, atenciosas, brilhantes e atenciosas estão fazendo tudo o que podem para encontrar soluções.”

Tiro na cabeça do Dr. Michael Richards

Carta do reitor

Caros ex-alunos, colegas, doadores e amigos,

Estou muito satisfeito por representar a Escola de Medicina da Universidade do Novo México como reitor interino após a aposentadoria do notável Dra. Martha Cole McGrew. À medida que procuramos um novo líder, gostaria de compartilhar meu compromisso com todos vocês nos projetos vitais e necessários que acontecem na Faculdade de Medicina.

Continuamos a enfrentar a crise clínica do COVID de frente. Nossos sistemas hospitalares estão funcionando em volumes mais altos do que nunca e a quantidade de estresse em nossos funcionários da linha de frente é, às vezes, esmagadora. Quero agradecer a todos vocês que prestam atendimento clínico aos nossos pacientes por sua disposição de continuar voltando, dia após dia, em um ambiente difícil. Seu compromisso com nossos pacientes é inigualável e inabalável.

 Nosso trabalho de diversidade, equidade e inclusão continua a florescer. Estamos recrutando ativamente um líder de diversidade para a Escola e quero agradecer Dr. John P. Sánchez que trabalhou com cada departamento para reforçar os esforços de diversidade.

Nossa missão educacional resistiu a essa tempestade do COVID de maneira notável. Nossos alunos são resilientes e sei que essa experiência os tornará fornecedores mais fortes e capazes. Também tivemos a chance de dar uma olhada muito profunda em nós mesmos.

LER
MAIS

FECHAR

Carta do reitor

Caros ex-alunos, colegas, doadores e amigos,

Estou muito satisfeito por representar a Escola de Medicina da Universidade do Novo México como reitor interino após a aposentadoria do notável Dra. Martha Cole McGrew. À medida que procuramos um novo líder, gostaria de compartilhar meu compromisso com todos vocês nos projetos vitais e necessários que acontecem na Faculdade de Medicina.

Continuamos a enfrentar a crise clínica do COVID de frente. Nossos sistemas hospitalares estão funcionando em volumes mais altos do que nunca e a quantidade de estresse em nossos funcionários da linha de frente é, às vezes, esmagadora. Quero agradecer a todos vocês que prestam atendimento clínico aos nossos pacientes por sua disposição de continuar voltando, dia após dia, em um ambiente difícil. Seu compromisso com nossos pacientes é inigualável e inabalável.

 Nosso trabalho de diversidade, equidade e inclusão continua a florescer. Estamos recrutando ativamente um líder de diversidade para a Escola e quero agradecer Dr. John P. Sánchez que trabalhou com cada departamento para reforçar os esforços de diversidade.

Nossa missão educacional resistiu a essa tempestade do COVID de maneira notável. Nossos alunos são resilientes e sei que essa experiência os tornará fornecedores mais fortes e capazes. Também tivemos a chance de dar uma olhada muito profunda em nós mesmos.

Muitos de vocês já devem ter visto nossa análise de como a classificação do internato é avaliada e se devemos abordar isso de maneira diferente. Continuamos analisando os dados sobre essa questão e tenho orgulho de ser uma das primeiras instituições a se abrir para essa crítica crítica de nossos processos. Estamos comprometidos em não apenas aprender com isso, fazer as mudanças necessárias, mas também ajudar a ensinar outras escolas de medicina à medida que embarcam nessa importante jornada.

Nossos mais de 66 programas de residência e bolsas continuam a prosperar no único centro de saúde acadêmico do estado. Também tenho o orgulho de anunciar nosso recredenciamento completo do Comitê de Ligação em Educação Médica (LCME). Este é um passo importante para garantir que a única escola de medicina do estado possa continuar a servir o povo do Novo México.

Há muito trabalho bom acontecendo, não posso expressar tudo aqui, mas espero que você ache esta edição da UNM Medicine inspiradora e que ajude você a aprender mais sobre o trabalho que continuamos a liderar, aqui em casa e em todo o país.

Por favor, considere doar para a escola através da Fundação UNM ou para um de nossos programas de bolsas de estudo para apoiar nossos alunos. Você pode encontrar informações sobre como fazer isso nesta revista.

Com relação quentes,
richards.png
Michael E. Richards, MD, MPA
Reitor interino, Escola de Medicina da UNM
Vice-presidente sênior de Assuntos Clínicos, Sistema de Saúde UNM

Num relance

À frente do resto | Nova Liderança em Educação e Medicina de Família e Comunidade

Foto do Grupo da Base de Crânios da UNM
Tiro na cabeça Teresa Vigil MD
Tiro na cabeça de Felisha Rohan Minjares

Num relance

À frente do resto | Nova Liderança em Educação e Medicina de Família e Comunidade

pedsneuro-copy.png

ANTES DO RESTO

A North American Skull Base Society (NASBS) selecionou a Escola de Medicina da Universidade do Novo México como uma Equipe Multidisciplinar de Distinção – um dos apenas 28 programas que receberam o reconhecimento.

A UNM se junta a alguns programas de prestígio na lista de 2021, incluindo o MD Anderson Cancer Center, a Mayo Clinic, o Barrow Neurological Institute e a University of Pittsburgh. É um de apenas meia dúzia de programas localizados no Ocidente.

A cirurgia da base do crânio envolve procedimentos complexos em áreas de difícil acesso e requer o envolvimento de médicos de várias especialidades, disse Christian Bowers, MD, vice-presidente de assuntos clínicos do Departamento de Neurocirurgia.

“É muito importante ter esse reconhecimento”, disse Bowers. “Temos uma grande equipe aqui.”

Bowers, que já havia trabalhado no Westchester Medical Center em Nova York com a cadeira de neurocirurgia da UNM School of Medicine Meic Schmidt, MD, completou sua residência em neurocirurgia na Universidade de Utah e uma bolsa de base do crânio e cerebrovascular no Instituto Sueco de Neurociência em Seattle.

Ele começou a reforçar a equipe de base do crânio da UNM quando se juntou ao corpo docente em 2020. Ele elogiou colegas em endocrinologia, neurorradiologia, rinologia e neuro-oftalmologia, bem como seus colegas neurocirurgiões por suas contribuições. “É um bom exemplo de trabalho em equipe dentro da [Escola de Medicina]”, disse ele.

A cirurgia da base do crânio frequentemente envolve procedimentos minimamente invasivos nos quais os instrumentos são inseridos através do nariz ou orelha para acessar tumores hipofisários, neuromas acústicos e outras anormalidades.

Essas condições são relativamente raras, então os novos mexicanos se beneficiam da experiência avançada da equipe da UNM, disse Bowers. “Provavelmente, temos em média 70 casos de hipófise por ano”, disse ele. “Somos o único lugar que cuida de casos de hipófise no estado.”


vigília2.png

PROMOÇÃO SÊNIOR

Teresa Vigil, MD '99, foi nomeada Reitora Associada Sênior Interina para Educação na Faculdade de Medicina da Universidade do Novo México e assumiu seu novo cargo em 20 de setembro. Vigil atuou anteriormente como reitora assistente para Assuntos de Estudantes de Medicina. Em sua nova função, ela supervisiona Assuntos Estudantis de Medicina, Educação Médica de Graduação, Admissões, o programa de simulação, o Escritório de Educação Profissional Contínua e os programas de Profissões da Saúde.

“Eu realmente quero enfatizar a importância da formação das profissões médicas e da saúde e seu papel na missão da Faculdade de Medicina”, disse Vigil. “Estamos aqui para atender às necessidades de saúde da população do Novo México. O papel da Escola de Medicina é manter isso e garantir que tenhamos provedores que possam cumprir essa missão. ”

Vigil cresceu em Las Vegas, NM Sua mãe era professora da primeira série e seu pai era professor de ciência política na New Mexico Highlands University. Ela completou seu curso de graduação em biologia na UNM, depois obteve um certificado em ciências de laboratório médico antes de trabalhar por vários anos nos Laboratórios de Referência TriCore.

Ela começou a faculdade de medicina na UNM em 1999 e completou sua residência em pediatria em 2007. Agora professora titular, Vigil ingressou no Departamento de Pediatria em 2007.

Vigil logo assumiu responsabilidades administrativas dentro do departamento. Ao longo dos anos, ela atuou como diretora de programa associada, diretora de estágio e diretora de residência. Ela passou sete anos em seu cargo anterior em Assuntos Estudantis de Medicina.

Ela assumiu o cargo de Diretora Associada Sênior de longa data Craig Timm, MD. Timm, professor da Divisão de Cardiologia, permanecerá na Faculdade de Medicina como aposentado.

Vigil diz que se concentrará em atrair mais graduados da Faculdade de Medicina para permanecer no Novo México para praticar. “Já fizemos isso no passado”, diz ela, “e podemos fazer de novo.”.


rohan2.png

MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE 

Rohan-Minjares assume o cargo de presidente interino

Felisha Rohan-Minjares, MD, foi nomeado presidente interino do Departamento de Medicina de Família e Comunidade da UNM School of Medicine. Ela entrou para David Rakel, MD, que aceitou um cargo de presidente do Departamento de Medicina Familiar e Saúde Comunitária da Universidade de Wisconsin.

Rohan-Minjares, um nativo de Gallup que ingressou no corpo docente da Faculdade de Medicina em 2008, atuou como reitor assistente para educação clínica e ambientes de aprendizado.

Rohan-Minjares começou em sua nova função em junho. “Fui incentivada a considerar a vaga por vários residentes e recém-formados de nosso programa de residência, além de membros de nosso corpo docente”, disse ela. “O incentivo dessa nova geração de médicos de família confirmou para mim que era o momento certo para que minha liderança se expanda para todas as nossas missões para melhor servir o povo do Novo México."

À medida que o sistema de saúde continua a navegar na pandemia de COVID-19, “A primeira coisa foi garantir que continuemos a ocupar um lugar de importância para a atenção primária na UNM”, disse Rohan-Minjares. Ela também quer permitir que médicos e professores assistentes “façam o trabalho árduo de fornecer atendimento ao paciente, ensino e pesquisa, tudo ao mesmo tempo”.

Rohan-Minjares disse que seu compromisso de combater o antirracismo na educação médica continua. E enquanto ela renunciou a suas responsabilidades estudantis na Faculdade de Medicina, ela planeja continuar atendendo pacientes na Clínica UNM North Valley.

Rohan-Minjares completou seus estudos de graduação em Notre Dame e depois frequentou a Stanford Medical School. Ela completou sua residência em medicina de família na UNM, onde descobriu a paixão pelo ensino, e então vice-diretora executiva, Martha Cole McGrew, MD, a recrutou para desenvolver um currículo de cuidados culturalmente eficaz para estudantes de medicina.

Recentemente, ela recebeu o prêmio de Melhor Professora do Ano 2020-2021 da UNM.

Rakel, conhecido nacionalmente por seu trabalho em medicina integrativa, foi um antigo membro do corpo docente da Universidade de Wisconsin antes de ser recrutado para chefiar o departamento da UNM em 2016. Ele disse que o Departamento de Medicina Familiar e Comunitária estará em boas mãos com Rohan-Minjares como presidente interino .

“Eu acho que ela vai ser simplesmente incrível”, disse Rakel. “Ela é uma médica, comunicadora e educadora fantástica. Estou animado por ela vir e assumir esse papel. ”

Encantado pelo design

Muito antes de as primeiras inscrições chegarem ao programa de residência em Medicina Familiar e Comunitária (FCM) da Faculdade de Medicina da Universidade do Novo México a cada ano, o departamento já está pensando em como manter novos médicos no Novo México – de preferência em comunidades rurais carentes.

Da seleção ao treinamento às rotações rurais, o programa de residência é projetado com esse objetivo em mente.

O sistema funciona. Desde que a Faculdade de Medicina começou a rastrear dados em 2011, cerca de 65% dos residentes da FCM permaneceram no estado, um quarto na prática rural.

No ano passado, esses números aumentaram drasticamente.

LER
MAIS

FECHAR

Encantado pelo design

Residência de Medicina de Família e Comunidade mantém número recorde de médicos para o Novo México Por Paige R. Penland

Muito antes de as primeiras inscrições chegarem ao programa de residência em Medicina Familiar e Comunitária (FCM) da Faculdade de Medicina da Universidade do Novo México a cada ano, o departamento já está pensando em como manter novos médicos no Novo México – de preferência em comunidades rurais carentes.

Da seleção ao treinamento às rotações rurais, o programa de residência é projetado com esse objetivo em mente.

O sistema funciona. Desde que a Faculdade de Medicina começou a rastrear dados em 2011, cerca de 65% dos residentes da FCM permaneceram no estado, um quarto na prática rural.

No ano passado, esses números aumentaram drasticamente.

“Em 2020, um ano incrivelmente intenso, difícil e comovente para todos os profissionais de saúde, 13 dos 15 residentes – 87% – ficaram no Novo México, enquanto 62% foram para a zona rural”, diz o diretor de residência da FCM Molly McClain, MD, MPH.

“Era incomum que uma porcentagem tão alta de nossos residentes ficasse”, concorda Felisha Rohan-Minjares, MD, presidente interino da FCM. “É um fenômeno interessante, mas intencional.”

A intenção é clara.

“UNM é uma confiança pública”, diz Arthur Kaufman, MD, Vice-Chanceler para a Saúde Comunitária e ex-presidente da FCM. “Nossa missão é melhorar os cuidados de saúde do estado. Este pode ser o resultado mais incrível até hoje para a nossa residência.”

O programa de residência usa várias estratégias para manter médicos treinados no estado, como cultivar candidatos que são do Novo México e têm maior probabilidade de praticar perto de casa.

Mas em 2020, a FCM formou mais residentes fora do estado do que o normal. No entanto, após um ano cansativo de combate ao COVID em algumas das regiões mais remotas e mais atingidas do país, quase todos optaram por ficar. 

SELECIONANDO PARA O SUCESSO

De certa forma, o foco da UNM na saúde pública inspira os candidatos a se auto-selecionarem para residentes de mentalidade social.

“Somos o Departamento de Família e Comunidade”, enfatiza Rohan-Minjares. “Durante décadas a UNM reconheceu que cuidar das famílias, situadas nas comunidades, é a forma mais eficaz de pensar o trabalho. Isso se conecta ao nosso programa de residência.”

Em um ano normal, a FCM analisará 850 candidatos, entrevistará 140 e, finalmente, escolherá 14 novos residentes. Os três critérios mais importantes que predizem quem ficará e servirá são se eles cresceram no Novo México, se foram educados aqui e se vêm de uma comunidade carente.

De acordo com os dados, cerca de metade de todos os residentes que atendem a um desses critérios permanecerão no estado e entrarão na medicina rural.

“Somos diligentes em comunicar aos nossos próprios alunos, nascidos e criados no Novo México, que vieram de nossos sistemas escolares, que queremos que eles permaneçam em nosso programa”, diz Rohan-Minjares.

A maioria dos moradores vem de fora do estado, no entanto. Assim, o departamento procura candidatos que sejam investidos de outra forma.

“Perguntamos aos entrevistados o que eles sabem sobre o Novo México, por que querem vir para cá”, diz McClain. “Procuramos candidatos que dizem que querem morar no Novo México ou praticar medicina rural”.

Uma vez que todos os 14 residentes tenham sido selecionados para cumprir a missão central da Universidade de servir, o treinamento começa. Na UNM, isso significa rotações em comunidades carentes. 

EXPOSIÇÃO RURAL

“É sobre o grau de exposição, mas apenas um mês pode fazê-lo”, diz Kaufman. “Estas cidades são tão acolhedoras. Muitos moradores ficam tão fascinados com apenas algumas rotações que decidem ficar.”

Cerca de 70% dos residentes continuam a praticar dentro de 100 milhas de onde terminaram sua residência. O departamento faz todo o possível para melhorar as experiências rurais e melhorar esses números. “Queremos ajudar os moradores a permanecerem na comunidade”, diz McClain.
A UNM faz parceria com vários programas de residência rural no estado para expor os alunos a comunidades carentes, incluindo Gallup (pop. 21,115), Santa Rosa (pop. 2,509) e Silver City (pop. 9,162). Santa Fe (pop. 85,000) é o lar de um dos programas de residência mais antigos e bem-sucedidos.

“Oferecemos oportunidades de treinamento para que as pessoas se sintam confiantes”, diz Rohan-Minjares. “Eles trabalham em ambientes rurais que não teriam feito aqui no Hospital UNM, onde temos tantos especialistas.”

penasco2-copy.jpg


“Uma razão pela qual tantos residentes permaneceram no Novo México foi por causa das experiências robustas em rotações rurais”, concorda Darshan Patel, MD, formado em 2020 pela residência FCM que agora pratica em Lovington, NM, (pop. 11,009). “Isso nos preparou.”

 

Os moradores das grandes cidades também ficam surpresos com o apoio que as pequenas cidades oferecem com alegria. “Nas áreas rurais, temos muitos ativos comunitários”, diz Kaufman. “As pessoas se reúnem. Há muita inovação.shiprock.jpg

A mais nova residência está no Northern Navajo Medical Center em Shiprock, NM, (pop. 7,592), que pode ser o primeiro programa desse tipo em uma instalação do Indian Health Services. Com base no programa Santa Fe, os moradores passarão um ano em Albuquerque e dois em Shiprock.

“É importante mencionar que o programa foi liderado pelo corpo docente da Shiprock, em colaboração com a UNM”, diz Rohan-Minjares.

Pequenas comunidades, juntamente com o Legislativo do Novo México, apoiam o programa de residência rural distribuída de várias maneiras, porque sabem que os profissionais de saúde treinados em suas pequenas cidades têm maior probabilidade de permanecer lá.

Junte-se a nós na comemoração dos 50 anos!

fcm50thgraphic.pngCOMEMORE FAZENDO A DIFERENÇA

O apoio de doadores generosos como você permite que a FCM estabeleça programas de bolsas, retenha professores de alto nível e ofereça oportunidades educacionais para estudantes desfavorecidos.

Com sua doação, fornecemos especificamente excelente prática clínica e treinamento especializado, treinamento de residência, apoiamos pesquisas e esforços educacionais por nosso corpo docente e financiamos a educação médica continuada.

LER
MAIS

FECHAR

Junte-se a nós na comemoração dos 50 anos!

Faculdade de Medicina da UNM Departamento de Medicina de Família e Comunidade

fcm50thgraphic.pngCOMEMORE FAZENDO A DIFERENÇA

O apoio de doadores generosos como você permite que a FCM estabeleça programas de bolsas, retenha professores de alto nível e ofereça oportunidades educacionais para estudantes desfavorecidos.

Com sua doação, fornecemos especificamente excelente prática clínica e treinamento especializado, treinamento de residência, apoiamos pesquisas e esforços educacionais por nosso corpo docente e financiamos a educação médica continuada.

Agradecemos presentes monetários de todos os tamanhos, que irão para as áreas prioritárias atuais.

As áreas prioritárias incluem:
  • The Warren & Rosalee Heffron Faculty & Graduate Fellowship for International Health
  • Programas educacionais, especialmente treinamento interdisciplinar de médicos de cuidados primários rurais
  • Atrair e reter alunos e residentes dedicados de minorias e nativos americanos
  • Atrair e reter professores dedicados, diversificados e de alta qualidade
  • Cátedras e cátedras do corpo docente
  • Apoio discricionário do presidente para os programas inovadores de nosso departamento
  • Programa Assistente Médico
Presentes designados podem ser estabelecidos com as seguintes contribuições

Bolsa: $ 25,000 | Bolsa: US$ 100,000 | Cátedra: US$ 500,000 | Cadeira: $ 1,500,000 +

Deixe-nos saber se você tiver dúvidas sobre para onde vão seus dólares ou quiser alocar fundos para projetos especiais ou programas específicos. Gostaríamos de embarcar em muitas outras iniciativas e esperamos que você considere doar.

Se você quiser fazer uma doação, por favor, doe online em: goto.unm.edu/fcmgive
Para mais informações, entre em contato com Betsy Smith pelo telefone 505.313.7623 ou betsy.smith@unmfund.org

Para treinar um cientista

A experiência de pesquisa de verão da Undergraduate Pipeline Network busca cultivar o interesse dos alunos pela pesquisa, ajudando-os a obter as habilidades necessárias para se candidatar e ter sucesso na educação pós-bacharelado.

O programa de verão de 10 semanas, que oferece aos alunos a oportunidade de escolher entre várias áreas de pesquisa, recentemente expandiu suas ofertas de pesquisa do câncer graças a uma bolsa da American Cancer Society.

LER
MAIS

FECHAR

Para treinar um cientista

REDE PIPELINE DE GRADUAÇÃO EXpõe ALUNOS A CARREIRAS EM PESQUISA por Michele Sequeria

A experiência de pesquisa de verão da Undergraduate Pipeline Network busca cultivar o interesse dos alunos pela pesquisa, ajudando-os a obter as habilidades necessárias para se candidatar e ter sucesso na educação pós-bacharelado.

O programa de verão de 10 semanas, que oferece aos alunos a oportunidade de escolher entre várias áreas de pesquisa, recentemente expandiu suas ofertas de pesquisa do câncer graças a uma bolsa da American Cancer Society.

Os alunos estudam uma variedade de campos dentro das ciências biomédicas. Em seus 11 anos, o programa passou de dois inscritos para 160. De acordo com Gillette, mais de 95% dos alunos que concluem o programa obtêm um diploma universitário e mais da metade continua com educação superior.

Nenhuma concessão única suporta UPN. Para manter o programa em execução, a Gillette faz parceria com vários outros membros do corpo docente para usar subsídios do UNM Comprehensive Cancer Center, do programa New Mexico IDeA Networks of Biomedical Research Excellence, da UNM School of Medicine, da UNM College of Pharmacy e de outras fontes.

memorial-copy.jpg

 

"O objetivo geral da UPN é realmente apenas deixar os alunos entusiasmados com as profissões da saúde". - Jennifer Gillette, PhD

 

Mais recentemente, uma doação de US$ 22,000 em Diversidade em Pesquisa do Câncer da American Cancer Society concedida a Michelle Ozbun, PhD através do UNM Comprehensive Cancer Center, permitirá à UPN adicionar mais quatro alunos, introduzindo mais estudantes de graduação minoritários sub-representados na pesquisa sobre o câncer.

Ozbun, professor do Departamento de Genética Molecular e Microbiologia da Escola de Medicina, já havia recebido uma Bolsa de Pesquisa Institucional da American Cancer Society, que é usada para ajudar professores juniores a estabelecer suas carreiras de pesquisa.

Agora, ela e Gillette vão estender o programa de graduação apresentando mais quatro alunos a tópicos de pesquisa sobre o câncer e fazendo com que mentores se encontrem com os alunos para aconselhá-los e incentivá-los ao longo do ano letivo subsequente.

“Os mentores fariam um acompanhamento com um aluno para ver se eles estão enfrentando alguma barreira, fazendo pesquisas em sua universidade ou pensando em se candidatar a uma pós-graduação”, diz Ozbun.

Gillette diz que muitos estudantes interessados ​​em ciências tendem a se tornar médicos porque essa é uma profissão – às vezes a única profissão – sobre a qual ouviram falar nas ciências biomédicas. Ozbun acrescenta que algumas jovens acreditam que não podem se tornar médicas ou cientistas porque são mulheres.

“É a exposição”, explica Gillette. “Nosso objetivo para a Rede de Dutos de Graduação é abrir portas e fazer os alunos pensarem sobre as outras oportunidades que existem.”

Se você gostaria de ajudar estudantes promissores a explorar as possibilidades de uma carreira em pesquisa, visite nossa página de doação.

Câncer cerebral: caçando o que resta

Sara GM Piccirillo estuda como o câncer no cérebro volta

LER
MAIS

Como uma detetive misteriosa, Sara GM Piccirillo, PhD, está caçando maus atores mortais ao estudar a cena do crime e questionar os transeuntes um por um.

Fotografia de Sarah Piccirillo
Exterior do edifício UNM Comprehensive Cancer Center
células tumorais cerebrais

Câncer cerebral: caçando o que resta

Sara GM Piccirillo estuda como o câncer no cérebro volta Por Michele W. Sequeira

FECHAR

Como uma detetive misteriosa, Sara GM Piccirillo, PhD, está caçando maus atores mortais ao estudar a cena do crime e questionar os transeuntes um por um.

Mas porque os maus atores que ela está perseguindo são células cancerosas do cérebro - e porque os espectadores também são células do cérebro - Piccirillo deve usar métodos científicos, não métodos policiais, para detê-los.

Piccirillo planeja usar duas bolsas, uma bolsa de US $ 250,000 da Associação Americana para Pesquisa do Câncer (AACR) e Novocure e uma bolsa de US $ 600,000 da Fundação Ben e Catherine Ivy, para estudar células tumorais e células na área circundante, uma a uma.

“O glioblastoma é muito heterogêneo”, explica Piccirillo. “Não é uma doença única. É uma coleção de doenças que acabam se parecendo muito ”.

Mesmo dentro do mesmo tumor, as células podem diferir enormemente umas das outras, e essas diferenças são exatamente porque ela pensa que os tumores são propensos a recorrentes e o que os torna tão difíceis de combater.

“Eles serão muito heterogêneos em resposta ao tratamento”, diz ela.

Usando as duas bolsas, Piccirillo está se concentrando na doença residual, as células que são deixadas para trás após a cirurgia e sobrevivem ao tratamento com quimioterapia e radioterapia. Os médicos não podem saber como essas células se comportarão; alguns podem semear tumores novos e agressivos que resistem a tratamentos posteriores.

“O que é deixado para trás não é igual ao que é retirado”, diz Piccirillo, então ela está desenvolvendo novas maneiras de procurar e tratar essas células cancerosas residuais.

Para obter uma amostra de células tumorais residuais, Piccirillo adaptou anteriormente uma tecnologia fluorescente que ajuda os neurocirurgiões a encontrar e remover o máximo de tumor possível durante a cirurgia cerebral. Dada como bebida antes da cirurgia, a molécula fluorescente é absorvida pelas células tumorais, permitindo ao neurocirurgião distinguir as células tumorais das saudáveis.

Em estudos anteriores, a equipe de Piccirillo descobriu que em 65% das pessoas com glioblastoma, as células tumorais residem em uma estrutura cerebral específica localizada fora do tumor removido cirurgicamente. Usando a bolsa AACR, ela e sua equipe vão estudar como as células nesta estrutura se comportam antes e depois do tratamento com quimioterapia, radioterapia e um novo tratamento chamado terapia de campo elétrico.

Pessoas com câncer no cérebro que são tratadas com terapia de campo elétrico usam um boné cravejado de eletrodos que criam um campo elétrico alternado através do cérebro, que tem demonstrado em estudos clínicos retardar marcadamente o crescimento do tumor cerebral.

Piccirillo usará um dispositivo para simular o campo elétrico em células individuais. E ela está planejando conduzir estudos genômicos e de bioinformática nas células para aprender como seu comportamento muda. Ela diz: “Usando estudos genômicos, descobrimos que essa área específica é responsável pelo retorno do tumor”.

Piccirillo usará a bolsa da Ivy Foundation para estudar células saudáveis ​​chamadas macrófagos na mesma área.

Os macrófagos são células imunológicas, mas normalmente não vivem no cérebro, que tem sua própria força de segurança de células imunológicas, chamada microglia. Os macrófagos podem entrar no cérebro e desempenhar um papel fundamental na inflamação.

“Esses macrófagos têm pelo menos duas identidades diferentes”, diz Piccirillo. “Eles podem tentar lutar contra o tumor. Ou, infelizmente, podem ajudar o tumor a crescer. ”

Mais uma vez, usando análises genômicas e de bioinformática, Piccirillo estudará macrófagos e micróglias da área ao redor do tumor para descobrir se eles ajudam ou atrapalham seu crescimento. Ela está entusiasmada com as novas tecnologias disponíveis na UNM que lhe permitem realizar essa análise celular precisa. “Não tivemos a oportunidade antes de dissecar um tumor no nível de uma única célula”,
ela diz.

Sara GM Piccirillo, PhD, é Professora Dotada de Robert M. Faxon Jr. em Neuro-Oncologia; professor assistente no Departamento de Biologia Celular e Fisiologia da Faculdade de Medicina da UNM e ocupa um cargo secundário no Departamento de Neurocirurgia. Ela é membro titular do Grupo de Pesquisa em Oncologia Celular e Molecular do UNM Comprehensive Cancer Center.

A equipe de pesquisa do Dr. Piccirillo inclui:

  1. Christian Bowers, MD, professor associado e vice-presidente de Assuntos Clínicos, Departamento de Neurocirurgia, UNM School of Medicine 
  2. Scott Ness, PhD, Victor e Ruby Hansen Surface Dotado Professor em Genômica do Câncer; professor, Departamento de Medicina Interna, Divisão de Medicina Molecular, UNM School of Medicine; diretor associado, Recursos Compartilhados e diretor, Recurso Compartilhado de Genômica Analítica e Translacional, UNM Comprehensive Cancer Center
  3. Yan Guo, PhD, professor associado, Departamento de Medicina Interna Divisão de Medicina Molecular, UNM School of Medicine; diretor. Recurso Compartilhado de Bioinformática, UNM Comprehensive Cancer Center.

 

células tumorais cerebrais

Assuntos estudantis: uma impressão duradoura

Quando eu era criança, a higiene dental e as consultas de rotina não eram prioridade.

 

Cresci em uma família de baixa renda e só tinha acesso a uma clínica comunitária para minhas necessidades odontológicas. A falta de atendimento veio com problemas dentários, como cáries e dentes tortos. Eu tinha que melhorar minha saúde dental, especialmente se eu quisesse consertar o apinhamento.

Fui ver um higienista dental, que prestou um excelente atendimento e adaptou um plano de tratamento de acordo com minhas necessidades. Ela nunca me fez sentir mal sobre meus dentes – ela me ensinou como eu poderia fazer melhor e enfatizou a importância da minha saúde bucal dentro e fora do consultório.

LER
MAIS

Tiro na cabeça Tenisha Marquez

FECHAR

Assuntos estudantis: uma impressão duradoura

por Tenisha Marquez - classe BS Higiene Dental de 2022

Quando eu era criança, a higiene dental e as consultas de rotina não eram prioridade.

 

Cresci em uma família de baixa renda e só tinha acesso a uma clínica comunitária para minhas necessidades odontológicas. A falta de atendimento veio com problemas dentários, como cáries e dentes tortos. Eu tinha que melhorar minha saúde dental, especialmente se eu quisesse consertar o apinhamento.

Fui ver um higienista dental, que prestou um excelente atendimento e adaptou um plano de tratamento de acordo com minhas necessidades. Ela nunca me fez sentir mal sobre meus dentes – ela me ensinou como eu poderia fazer melhor e enfatizou a importância da minha saúde bucal dentro e fora do consultório.

Tudo o que foi necessário para que eu entendesse a importância da higiene dental foi alguém tomando o tempo para simpatizar com minhas circunstâncias e me dar as informações e os cuidados de que eu precisava. Agora que eu tinha uma saúde bucal adequada, pude ver um ortodontista em outra clínica comunitária. Ele foi muito profissional e envolvido com seus pacientes.

Certa vez, comentei que queria seguir uma carreira na área odontológica e, sempre que eu visitava, ele fazia questão de incentivar meu sonho. Meu tempo com o higienista dental e ortodontista confirmou meu desejo de ajudar os outros, tornando-se parte do campo odontológico.

Eu decidi buscar assistência odontológica para colocar meu pé na porta da odontologia. Sou assistente de dentista há 10 anos e adorei cada minuto. Eu também tive a sorte de continuar minha educação e voltar para a escola para higiene dental.

Sou grato e privilegiado por ser veterano no programa de Higiene Dental da Universidade do Novo México. Ajudar meus pacientes a alcançar um sorriso melhor e mais saudável por meio de educação e cuidados é meu objetivo, mas minha formação odontológica é apenas uma parte do motivo pelo qual amo minha carreira.

Além da odontologia, construir um relacionamento de confiança e duradouro com meus pacientes é realmente o meu “porquê”. Os últimos três anos não foram os mais fáceis, com meus papéis de esposa, mãe de dois filhos incríveis e estudante. Apesar dos desafios, sei que vale a pena.

Estou animado para me formar na primavera de 2022 e viver meus sonhos como higienista dental.

Tenisha Marquez posa ao lado da placa do prédio da UNM Dental Medicine (Novitski Hall)

Saúde bucal para o Novo México e além

DIVISÃO DE HIGIENE DENTAL, DEPARTAMENTO DE MEDICINA DENTAL

LER
MAIS

Conhecida em todo o país por seu foco na educação em saúde pública odontológica e no desenvolvimento de provedores odontológicos para tratar aqueles que são carentes, a Faculdade de Medicina se orgulha de abrigar a Divisão de Higiene Dental do Departamento de Medicina Dentária.

Higienista dental da UNM trabalha nos dentes de menino

Saúde bucal para o Novo México e além

DIVISÃO DE HIGIENE DENTAL, DEPARTAMENTO DE MEDICINA DENTAL

FECHAR

Conhecida em todo o país por seu foco na educação em saúde pública odontológica e no desenvolvimento de provedores odontológicos para tratar aqueles que são carentes, a Faculdade de Medicina se orgulha de abrigar a Divisão de Higiene Dental do Departamento de Medicina Dentária.

A Divisão educa futuros higienistas dentais por meio de seu bacharelado em higiene dental, bacharelado em conclusão de grau de higiene dental e mestrado em programas de saúde bucal. Esses programas aumentam o alcance e a capacidade da UNM de transformar a prática.

O mestrado em saúde bucal foi o primeiro programa de pós-graduação em higiene dental a oeste do Mississippi. Os alunos são treinados para desenvolver programas, realizar pesquisas e educar o público sobre a necessidade de cuidados odontológicos preventivos de rotina. Os ex-alunos foram destacados no cenário nacional por seus esforços para promover a ciência e a prática de higiene dental.   

Atualmente em desenvolvimento é um programa de doutorado em higiene dental, que se concentrará na pesquisa de higiene dental. Será o primeiro programa de doutorado em higiene dental no país.

A Divisão tem sido fundamental na educação de professores de higiene dental em todo o país sobre estratégias de ensino para transformar verdadeiramente os cuidados de higiene dental nos últimos 20 anos.

Milhares de professores de higiene dental participaram de oficinas focadas na educação de provedores que fornecerão acesso direto à higiene dental integrada aos sistemas de atenção primária, hospitais e escolas. 

Faculdade de higiene dental são líderes em higiene dental em todo o país. Eles atendem em vários escritórios com associações de higiene dental, realizam as pesquisas e escrevem os livros didáticos usados ​​nessa transformação.

Perseguindo trens

Você já teve a sensação?

Você está descendo as escadas para pegar o trem da hora do rush. A areia range sob seus tênis quentes de sexta-feira à tarde enquanto você percorre os degraus inferiores, tecendo em torno do hipster casualmente colocado, sem dúvida, em seu caminho. A cidade está fervendo com potencial, e você está sentindo isso agitar você nesta louca corrida noturna.

Você poderia ter saído do trabalho apenas alguns minutos antes; uma versão mais responsável e menos dramática de si mesmo teria. No entanto, uma parte de você, depois de horas clicando e batendo em sua mesa, ansiava pela perseguição. A verdade é que você sabia exatamente o que estava fazendo enquanto via o tempo passar no canto da tela.

LER
MAIS

FECHAR

Perseguindo trens

Por Supreetha Gubbala, MD | Residente de Medicina de Família do PGY III

Você já teve a sensação?

Você está descendo as escadas para pegar o trem da hora do rush. A areia range sob seus tênis quentes de sexta-feira à tarde enquanto você percorre os degraus inferiores, tecendo em torno do hipster casualmente colocado, sem dúvida, em seu caminho. A cidade está fervendo com potencial, e você está sentindo isso agitar você nesta louca corrida noturna.

Você poderia ter saído do trabalho apenas alguns minutos antes; uma versão mais responsável e menos dramática de si mesmo teria. No entanto, uma parte de você, depois de horas clicando e batendo em sua mesa, ansiava pela perseguição. A verdade é que você sabia exatamente o que estava fazendo enquanto via o tempo passar no canto da tela.

É incrível como 30 segundos de corrida para um trem completamente sem importância podem ser libertadores. Por aqueles poucos segundos, você não era quem era às 5h de uma sexta-feira à tarde. Você era, em vez disso, o que você estava correndo. Talvez você não tenha se exercitado em quatro meses, mas de alguma forma suas pernas estavam se movendo. Você mal conseguia completar sua pilha de anotações da clínica, mas sua mente estava analisando a distância mais curta entre os degraus e a porta do trem. Cada célula do seu corpo moveu-se em direção a um único propósito e a queimação em seu peito lembrou como é estar no limite de si mesmo.

Completei 30 anos durante o pico da maior pandemia infecciosa que o mundo testemunhou desde a gripe espanhola. Minhas apostas sempre foram colocadas em uma versão mais emocionante do apocalipse, cheia de amor, traição e possivelmente bestas. O que eu não esperava era o quão angustiantemente entorpecente seria.

Goste ou não, sou residente de medicina de família e essa pandemia é o companheiro de cama que nunca escolhi. É o que eu acordo, o que eu janto lendo e o que eu adormeço rezando. Mesmo contra esse pano de fundo, o privilégio da minha profissão me permite estar constantemente correndo entre testemunhar o nascimento de uma nova vida, o lampejo da morte e sempre, muitas mortes injustas.

No entanto, recentemente me vi olhando para uma gaiola em Petco, observando um hamster correr em uma roda de plástico vermelha. Eu me senti estranhamente conectado com seus olhos pretos e redondos olhando para a frente, colocando um pé na frente do outro com propósito aparente, mas não indo a lugar nenhum em particular. Lembrei-me do desconforto que sentia toda vez que passava pelas placas de “Heróis Trabalham Aqui”, na entrada do hospital. Por que perseguir trens do metrô durante a faculdade de medicina parecia muito mais proposital do que a vida e a morte que eu testemunhava todos os dias?

Percebi que completar 30 anos durante uma pandemia global veio com muitos presentes que a década anterior da minha vida não podia me pagar. A auto-aceitação e a paz com minhas limitações chegaram como lições de sobrevivência duramente conquistadas este ano. Tornaram-se essenciais para não serem consumidos pelo microcosmo cada vez mais complexo de servir um ser humano em uma cama de hospital.

No entanto, de alguma forma na minha dança de abraçar as coisas como elas eram, perdi minha habilidade de perseguir trens. A pandemia que me fez enfrentar a fragilidade da vida ao completar 30 anos me deixou confortável com contentamento e segurança. Espontaneidade, risco e, portanto, verdadeira vulnerabilidade agora pareciam fotografias desbotadas, caindo de diários esquecidos no púlpito de um estranho que não morava mais em minha casa.

Recentemente, voltei para minha cidade natal, Boston. Visões daquela destemida mulher de vinte e poucos anos com suas botas de couro pretas inundaram minha memória enquanto eu trotava pelas ruas e bares do sul de Boston que a criaram. Quando me aproximei da entrada do trem suburbano da estação de Back Bay, sorri para a familiar placa laranja de Creamsicle pela qual eu havia passado tantas vezes antes. Enquanto relembrava, meus olhos se voltaram para o horário do meu trem de ida: “CHEGANDO” brilhava em letras maiúsculas brilhantes.

Já era tempo. Talvez fosse a nostalgia, ou os quase dois quilos de dim sum que consumi naquela manhã em Chinatown, mas minhas pernas voaram. Meu peito queimava, enquanto minha mente fervilhava de visões de zumbis apopléticos, estranhamente vestindo estetoscópios sujos. Eu balancei minha cabeça e me concentrei na longa escadaria à frente.

Por um momento, não tive certeza de quem estava fugindo, ou se as figuras parcialmente humanas entorpecidas da minha imaginação eram simplesmente versões de mim mesmo. Deslizei pelas portas que se fechavam e o condutor surpreso sorriu para mim com um pouco de orgulho bostoniano:

"Bem, parece que você conseguiu, garoto." Seu sotaque parecia mel no meu coração endurecido, e a palavra “garoto” inevitavelmente me fez rir. Meu coração ainda batendo, cauteloso com a respiração ofegante saindo da minha boca, sentei-me e de repente comecei a rir.

O estrondo profundo do riso foi uma erupção de uma alegria profunda e esquecida. Como era não ser cuidadoso, pular em um resultado desconhecido e jogar tudo de si mesmo de qualquer maneira.

Algo mudou em mim quando esta pandemia atingiu e simultaneamente deixei meus vinte anos. A vida tornou-se tão cobiçada que parei de correr riscos e comecei a correr ao longo de uma faca de dois gumes de aceitação, mergulhando em uma complacência entorpecente porque era mais seguro do que o que estava acontecendo em leitos de hospital ao meu redor.

Eu poderia chamar isso de esgotamento, mas parece um acerto de contas muito maior comigo mesmo do que apenas a perda sobrecarregada de minha humanidade. Parecia a única forma de sobrevivência que eu poderia escolher na época, e talvez eu finalmente esteja começando a escolher de forma diferente.

Alguém recentemente me enviou um quadrinho intitulado “Ninguém está bem agora”. Eu ri, porque não pude deixar de ficar impressionado com a precisão dessa afirmação. Ninguém está realmente bem. Todos nós encontramos uma nova versão do normal neste estranho ano sentado em nossos espelhos retrovisores, mas temos que considerar como isso pode ter mudado profundamente as pessoas que já fomos. Para alguns de nós, isso significa ansiedade severa e, para outros, pode ser um entorpecimento confortável.

Eu sei que não sou o único médico zumbi humano, descongelando a alma que os trouxe para este trabalho. Infelizmente, comecei a encontrar mais de nós, em olhares demorados e momentos silenciosos de conversa nas salas de trabalho do hospital.

Este ano, perdi o contato com aquela garota que corre a toda velocidade em direção ao desconhecido, coque bagunçado e botas batendo em direção a um resultado que está longe de ser garantido. Talvez não seja tarde demais para eu pegar o último trem em uma plataforma de metrô lotada; ousar sair da roda do hamster da sobrevivência para viver na fragilidade desconhecida da vida enquanto experimenta a bela totalidade que vem com a vulnerabilidade.

Bestas e histórias de amor de zumbis de estrelas cruzadas podem ter que esperar um pouco mais.

três residentes médicos sorriem para uma foto

Conexão Social e Emocional

Apoiando nossa equipe de clínica médica

Prism Fund para o bem-estar do médico

A fim de responder às pressões adicionais da pandemia sobre os funcionários da Medicina Interna, ajude o Escritório de Bem-Estar Profissional e a Residência de Medicina Interna da Faculdade de Medicina da UNM a oferecer oportunidades para melhorar a conexão social e emocional entre os estagiários.

LER
MAIS

FECHAR

Apoie nossos Formandos

Apoiando nossa equipe de clínica médica

Prism Fund para o bem-estar do médico

A fim de responder às pressões adicionais da pandemia sobre os funcionários da Medicina Interna, ajude o Escritório de Bem-Estar Profissional e a Residência de Medicina Interna da Faculdade de Medicina da UNM a oferecer oportunidades para melhorar a conexão social e emocional entre os estagiários.

Essas conexões, que normalmente aconteceriam organicamente, foram prejudicadas devido à carga de trabalho adicional e à idolatria provocada pela pandemia.

PARA DOAR, POR FAVOR CLIQUE AQUI.

Dando pelos números

$ 539,096

em bolsas concedidas

$ 20.9 milhões

presentes e promessas totais

852

doadores únicos

2,362

# total de presentes

$ 1.1 milhões

em doações

$ 86.2 milhões

doações totais atuais

12

novos legados

$ 6.3 milhões

valor total estimado de legados

$ 28.4 mil

em doações para o fundo do reitor

Dando Perfil

“Eu tenho que tirar uma foto disso.”

Foi assim por dias - fotos de celular do passeio rotineiro pelo bairro com Layla, uma mistura de Chihuahua Terrier e Dra. Martha Cole McGrewa querida companheira de , uma selfie com os líderes do corpo docente e postagens sociais com alunos e alunos agarrando-a para mais um adeus.

McGrew queria se lembrar de tudo. Afinal, a Escola de Medicina da Universidade do Novo México preparou o cenário para os últimos 31 anos de sua vida e carreira. Em setembro deste ano, ela se aposentou da Faculdade de Medicina para iniciar seu próximo capítulo com um novo amor, seu primeiro neto.

Não basta dizer que ela passou três décadas no Campus Norte, seu trabalho, contribuições, criações e influências são imensuráveis.

Então, de onde ela tirou sua paixão pelo serviço?

LER
MAIS

FECHAR

Dando Perfil

PAIXÃO POR COMPAIXÃO: Martha Cole McGrew reflete sobre mais de 30 anos de serviço e doação Por Ashley Salazar

“Eu tenho que tirar uma foto disso.”

Foi assim por dias - fotos de celular do passeio rotineiro pelo bairro com Layla, uma mistura de Chihuahua Terrier e Dra. Martha Cole McGrewa querida companheira de , uma selfie com os líderes do corpo docente e postagens sociais com alunos e alunos agarrando-a para mais um adeus.

McGrew queria se lembrar de tudo. Afinal, a Escola de Medicina da Universidade do Novo México preparou o cenário para os últimos 31 anos de sua vida e carreira. Em setembro deste ano, ela se aposentou da Faculdade de Medicina para iniciar seu próximo capítulo com um novo amor, seu primeiro neto.

Não basta dizer que ela passou três décadas no Campus Norte, seu trabalho, contribuições, criações e influências são imensuráveis.

Então, de onde ela tirou sua paixão pelo serviço?

The Coles: uma família voltada para o serviço

Os pais de McGrew dedicaram suas vidas a ajudar as pessoas que mais precisavam deles.

O pai dela, Dr. Shelton Cole, era um médico de primeira geração, que retornou à sua pequena comunidade de Gibsland, Louisiana, na década de 1960 para praticar. Ele era o único médico na área e muitas vezes podia ser encontrado tratando os pacientes diretamente na mesa da cozinha.

A mãe de McGrew, Maxine, trabalhou com ele para prestar cuidados e apoio aos membros de sua comunidade. McGrew a credita por ensinar sua resiliência e perseverança depois que seu pai morreu repentinamente quando ela era jovem.

“Minha mãe o ajudava em seu escritório, e ela levava as pessoas para compromissos, levava comida para as pessoas ou fazia coisas a serviço das pessoas, então eles eram um par naquela comunidade”, disse McGrew.

Os pais de McGrew não apenas ensinavam o que significava ser um bom membro de sua comunidade, eles viviam isso e esperavam o mesmo de seus filhos.

“Minha mãe sempre dizia que “de quem muito é dado, muito se espera”, e enquanto éramos relativamente pobres, tínhamos mais do que muitos, então aprendemos a servir onde havia necessidade”.
disse Mcgrew.

UNM: Um lugar para servir

O Departamento de Medicina de Família e Comunidade (FCM) da UNM School of Medicine provou ser o lugar certo para McGrew cumprir seu desejo de servir. Recém-saído de uma bolsa na Universidade da Califórnia, em São Francisco, McGrew assumiu um cargo de professor sob Warren Heffron, MDe Arthur Kaufman, MD, no departamento de FCM. “Eles me deram uma oportunidade incrível de fazer coisas que eu amava – ensinar, praticar, criar e inovar”, disse McGrew.

Além do ensino e do atendimento ao paciente, McGrew foi convidado a apoiar a redação de subsídios para oportunidades educacionais e de ensino.
“A primeira bolsa que escrevi foi para a Administração de Recursos e Serviços de Saúde em 1992, para estabelecer um estágio em Medicina de Família”, disse ela.

Antes disso, não havia nenhum estágio obrigatório no departamento. McGrew então se tornou a primeira diretora do próprio escritório que ela trabalhou para estabelecer. Sua carreira de liderança decolou e ela passou a ocupar os títulos de vice-presidente de educação, depois cadeira associada e, em 2008, tornou-se a primeira mulher e a primeira médica treinada em residência de medicina de família a atuar como presidente da FCM da Escola. Em 2015, assumiu o cargo de vice-reitora executiva da Faculdade de Medicina.

Quando o chanceler e o reitor Paul Roth, MD, MS, aposentado em 2020, McGrew foi nomeado Reitor Interino da Faculdade de Medicina. Ela assumiu as rédeas no auge da crise do COVID, algo que exigia compromisso e liderança constante.

Apesar desses desafios, a Escola obteve o credenciamento total do Conselho de Credenciamento para Educação Médica de Pós-Graduação, todos os programas de educação continuaram durante a pandemia e ela revigorou os esforços de diversidade da Escola.

O futuro: dando continuidade

Embora o tempo físico de McGrew na UNM tenha chegado ao fim, ela nunca se afastará totalmente da Faculdade de Medicina e dos programas que ama. Ela usou sua aposentadoria para buscar doações para o Doação da Família Cole ela criou em 2015. O fundo oferece bolsas de estudo para estudantes que vêm de condados do Novo México que são carentes de assistência médica. É sua maneira de honrar o bom trabalho que toda a família Cole fez e fará no futuro.

“É uma sensação boa saber que você pode ter tido uma pequena parte em torná-lo um pouco melhor ou mais fácil para outra pessoa. É a melhor sensação de realização – junto com o parto de um bebê.”

Em comemoração a ela, os presidentes de departamento da Faculdade de Medicina estabeleceram um novo fundo em nome de McGrew. Esse fundo está vinculado a outra área com a qual ela se preocupa profundamente – a diversidade. O Martha Cole McGrew Faculty Award por Compromisso com a Educação e Diversidade na Medicina será apresentado a um excelente membro do corpo docente que demonstre um compromisso de longa data com o avanço da missão nas áreas de educação e diversidade.

"É importante homenagear as pessoas que estão fazendo o trabalho que a faculdade de medicina da UNM foi chamada a fazer, que é criar uma força de trabalho de saúde para o Novo México, e o objetivo de criar uma força de trabalho mais diversificada para nossa população diversificada é fundamental. "Mcgrew disse: "Quero homenagear as pessoas que comprometeram suas carreiras com a educação e a diversidade. Essas duas áreas geralmente não são tão reconhecidas e recompensadas quanto as missões de atendimento clínico e pesquisa".

Homenageie a Dra. Martha Cole McGrew em sua aposentadoria contribuindo para a Bolsa Família Cole ou o Prêmio Faculdade Martha Cole McGrew por Compromisso com a Educação e Diversidade na Medicina através da Fundação UNM.

Dê online hoje.

Tiro na cabeça de Patricia Watts Kelley.

Carta do Presidente

Olá Lobo MDs,

Os meses de verão e outono de 2021 trouxeram oportunidades para os ex-alunos de MD se envolverem novamente com a comunidade da UNM School of Medicine após o hiato do COVID. O distanciamento social produziu componentes virtuais para todos os nossos eventos tradicionais, permitindo que nosso alcance se estendesse a funcionários da casa e ex-alunos de MD em todo o país. À medida que ampliamos nosso envolvimento, o impacto de nossa missão se expande. Obrigado a todos que participaram desses eventos. Continue lendo para saber mais sobre algumas de nossas realizações emocionantes.

LER
MAIS

FECHAR

Carta do Presidente

A UNIVERSIDADE DO NOVO MÉXICO ESCOLA DE MEDICINA ALUMNI ASSOCIAÇÃO

Olá Lobo MDs,

Os meses de verão e outono de 2021 trouxeram oportunidades para os ex-alunos de MD se envolverem novamente com a comunidade da UNM School of Medicine após o hiato do COVID. O distanciamento social produziu componentes virtuais para todos os nossos eventos tradicionais, permitindo que nosso alcance se estendesse a funcionários da casa e ex-alunos de MD em todo o país. À medida que ampliamos nosso envolvimento, o impacto de nossa missão se expande. Obrigado a todos que participaram desses eventos. Continue lendo para saber mais sobre algumas de nossas realizações emocionantes.

lobomdlogoapproved.pngMARCA LOBO MD

Todo mundo é um Lobo – Woof, Woof, Woof! Ter uma marca que nos identifique como um membro orgulhoso da comunidade UNM é importante. Nosso apelido Lobo MD é uma maneira de mostrar com orgulho nosso apreço e apoio à UNM School of Medicine. Teremos uma gama completa de trajes chegando a uma loja online perto de você.

BOLSAS NOMEADAS LOBO MD

Como você deve saber, seu apoio financeiro contínuo criou uma doação que suporta anualmente 10 bolsas de US$ 2,500 para estudantes de medicina do terceiro e quarto ano. Para alcançar um número ainda maior de nossos alunos com necessidades financeiras, a Alumni Association lançou a iniciativa Lobo MD Scholarship.

Doe $ 1,000 ou mais para criar e nomear uma nova bolsa de estudos. Cem por cento de sua doação é concedida diretamente a um estudante de medicina merecedor. Até o momento, arrecadamos mais de US$ 25,000 e temos grandes esperanças de atingir nossa meta de US$ 40,000 até o final de junho de 2022.

APOIO ALUNO

O sempre popular Nook voltou a funcionar em pleno neste outono, oferecendo lanches e café gratuitos para nossos alunos, graças ao seu generoso apoio. A campanha anual do jaleco branco continuou sua tradição de fornecer o primeiro jaleco branco a todos os membros de cada nova classe MD da UNM. Durante a cerimônia do Jaleco Branco deste ano, um de nossos novos membros do conselho da Associação de Ex-alunos, Jaren Trost, MD '15, falou com a turma de 2025 da UNM MD sobre a importância de prestar cuidados aqui no Novo México.

CONEXÕES DURÁVEIS

As campanhas Serve NM e Coming Home alcançaram ex-alunos próximos e distantes neste verão, entregando pacotes de cuidados para aqueles que vagaram além da Terra do Encantamento, bem como para aqueles que estão servindo o povo do Novo México durante a residência. Ambos os pacotes serviram a um propósito comum: fortalecer a conexão entre o Novo México e seus médicos treinados pela UNM.
Aproveite as muitas histórias de como a UNM School of Medicine – e seus colegas Lobo MDs – promovem a saúde de todos os Novos Mexicanos. Por favor, fique conectado no próximo ano e sempre mostre seu orgulho Lobo.

Atenciosamente,

C. Nathaniel Roybal, MD, PhD '07

Presidente, Associação de Ex-alunos
Faculdade de Medicina da UNM


RELATÓRIO DA DIRETORIA

UNM SCHOOL OF MEDICINE ALUMNI ASSOCIATION
CONSELHO ADMINISTRATIVO

C. Nathaniel Roybal, MD, PhD '07 (Presidente)
Alisha Parada, MD '08 (Tesoureira / Vice-presidente)
Jennifer Phillips, MD '01 (Ex-presidente imediata)
Lawrence Andrade, MD '00
Manuel Archuleta, MD '73
Valerie Carrejo, MD '04
Dion Gallant, MD '99
Angela Gallegos-Macias, MD '02
Albert Kwan, MD '83
Mario Leyba, MD '04
Athanasios Manole, MD '14
Robert Melendez, MD '08
Daphne Olson, MD '17
Mário Pacheco, MD '86
Valerie Romero-Leggott, MD '92
Linda Stogner, MD '83
Jaren Trost, MD '15

ESTUDANTES E REPRESENTANTES RESIDENTES

Jessica K. Benally, MS '22
Kelli Duran, MS '23

MEMBRO EX-OFFICIO

Michael E. Richards, MD, MPA
Reitor interino, Escola de Medicina da UNM

AVANÇO E RELAÇÕES DE ALUMNI

AVANÇO DO CHEFE E
DIRETOR DE RELAÇÕES EXTERNAS
Ashley Salazar

GERENTE DO PROGRAMA
Erika Anderson

ESPECIALISTA DE OPERAÇÕES
Ashley Hatcher

PLANEJADOR DE EVENTOS
Ruth Morgan

ASSISTENTE DE OPERAÇÕES
Cara Sego

CONTACTOS
Faculdade de Medicina da UNM
Escritório de promoção e relações com ex-alunos
MSC 08 4720 • Fitz Hall # 182B
1 Universidade do Novo México
Albuquerque, NM 87131-0001
505.272.5112

Instantâneos da reunião de ex-alunos de 2021

Guitarrista Pimentel
cantor de mariachi
Participantes da reunião de 2021 ouvem palestrante
três participantes da reunião de 2021 tiram uma selfie
Megan Dugan e Mike Richards posam para foto
Doug Ziedonis fala com um participante da reunião virtual
Sorrisos do participante da reunião de 2021
Participantes da reunião de 2021
Participantes da reunião de 2021
Participantes da reunião de 2021
Apresentadores do programa de reunião de 2021
Palestrante estudantil da reunião de 2021
Participantes da reunião de 2021
Participantes da reunião de 2021
Participantes da reunião de 2021
Participantes da reunião de 2021
Participantes da reunião de 2021
participante da reunião de 2021
Participantes da reunião de 2021
Participantes da reunião de 2021

Todos os nossos ex-alunos são atos de classe. Ajude-nos a nos gabar um pouco!

Por favor, envie-nos as suas boas notícias, pessoais ou profissionais,
compartilhar em Medicina UNM.

 

E-mail para unmsomalumni@salud.unm.edu 
ou ligue para 505.272.5112

 

Faculdade de Medicina da UNM
Escritório de Promoção e Relações com Ex-alunos

LER
MAIS

FECHAR

ATOS DE CLASSE

Por favor, envie-nos as suas boas notícias, pessoais ou profissionais,
compartilhar em Medicina UNM.

 

E-mail para unmsomalumni@salud.unm.edu 
ou ligue para 505.272.5112

 

Faculdade de Medicina da UNM
Escritório de Promoção e Relações com Ex-alunos

 

Alumni

Alfredo Ramon Vigil, MD '77
Dr. Vigil está comemorando sua aposentadoria depois de servir ao povo de Taos, ao longo de uma carreira de 40 anos. Parabéns, Dr. Vigil! Obrigado por servir a missão da Escola de Medicina da UNM, promovendo a saúde de todos os Novos Mexicanos.

Michael F. Hartshorne, MD '78
Os ex-alunos da UNM Medicine são procurados como especialistas em conteúdo em muitas áreas. Ciência ao vivo entrevistou o Dr. Hartshorne para ajudar a explicar por que e como sombras escuras foram deixadas para trás depois que uma bomba atômica foi detonada em Hiroshima em 1945 (www.livescience.com/nuclear-bomb-wwii-shadows.html).

Melvina McCabe, MD '84
O Dr. McCabe contribuiu para a criação de “Vacinação contra o vírus da desinformação”, um documentário que visa ajudar pais e líderes comunitários a compreender a importância e a segurança das vacinas. O filme estreou em Phoenix em julho e será transmitido pelo canal do YouTube da School of Medicine como parte da Community Lecture Series em 2 de dezembro.

Robert E. Sapién, MD '86
A Spears School of Business da Oklahoma State University deu as boas-vindas à sua mais nova turma, a Coorte X, para o programa de PhD em Negócios para Executivos. Um rosto familiar na Coorte X é o ex-aluno da Faculdade de Medicina, Dr. Robert Sapién.

Charles Pace, MD, PhD '96
Dr. Pace foi nomeado um dos “5 Melhores Médicos em Tratamento da Dor em Albuquerque” pela O melhor de Kev, um blog independente que analisa e lista suas opiniões sobre os melhores negócios e principais mercados consumidores do país.

Laura Parajon, MD '95
A Dra. Parajon recebeu o Prêmio de Saúde Pública da Academia Americana de Médicos de Família em reconhecimento às suas importantes contribuições como médica de família para o avanço da saúde do público em nível nacional, estadual e local. Ela é vice-secretária de gabinete no Departamento de Saúde do Novo México e professora assistente no Departamento de Medicina Familiar e Comunitária da UNM.

C. Dana Clark, MD '03
O Dr. Clark foi nomeado um dos “10 Médicos ASC da Associação Total a Conhecer” pela Becker's ASC Review, um site de notícias clínicas e de negócios administrado pela Becker's Healthcare. Ele é um dos apenas 10 médicos mencionados em todo o país.

Lana Dolores Melendres-Groves, MD '04
O Dr. Melendres-Groves atuou como palestrante especialista em destaque para a National Broadcast Series por meio da iniciativa United Therapeutics and the Pulmonary Arterial Hypertension (HAP). Esses eventos virtuais educaram as pessoas com HAP e seus cuidadores, fornecendo insights e perspectivas sobre como gerenciar a vida com sua condição.

Ex-alunos da equipe da casa

Matthew David Katz, MD
Dr. Katz juntou-se a CARTI, um provedor estadual de tratamento de câncer em Arkansas. Parabéns pelo seu novo cargo, Dr. Katz.

Jeremy T. Phelps, MD
Um neurocirurgião credenciado pela INTEGRIS Spine and Neurological, o Dr. Phelps foi nomeado um dos cinco melhores neurocirurgiões de Oklahoma pela O melhor de Kev, um blog independente que analisa e lista suas opiniões sobre os melhores negócios e principais mercados consumidores do país.

Catherine Tchanque-Fossuo, MD
A Western Dermatology Consultants deu as boas-vindas ao Dr. Tchanque-Fossuo como um novo fornecedor a partir de julho de 2021. Parabéns pelo seu novo cargo, Dr. Tchanque-Fossuo.

Thomas Bernasek, MD
Dr. Bernasek foi incluído como um dos “10 Médicos ASC Conjuntas Totais a Conhecer” por Revisão ASC de Becker, um site de notícias de negócios e clínicas administrado pela Becker's Healthcare.

Robert Zuniga, MD
Dr. Zuniga foi nomeado um dos “5 Melhores Médicos em Tratamento da Dor” de Albuquerque pela O melhor de Kev, um blog independente que analisa e lista suas opiniões sobre os melhores negócios e principais mercados consumidores do país.

Faculdade

Mary Ann Osley, PhD & Douglas Ziedonis, MD, MPH
A UNM anunciou recentemente a promoção e honra de 10 membros do corpo docente, incluindo os Drs. Osley e Ziedonis, ao grau de Distinguished Professor, o título mais alto que a UNM confere ao seu corpo docente.

Gurdeep Singh, DO
O Dr. Singh foi promovido a diretor executivo de diversidade e bem-estar no Centro Médico Regional da UNM Sandoval em Rio Rancho. Dr. Singh também é professor assistente no Departamento de Medicina Interna. A nova função inclui liderar uma estratégia abrangente de diversidade, equidade, inclusão e bem-estar para o SRMC, trabalhando com a liderança do hospital para implementar iniciativas proativas de diversidade, equidade, inclusão e bem-estar. Parabéns, Dr. Singh.

David S. Schade, MD & R. Philip Eaton, MD
Drs. Schade e Eaton fizeram uma parceria bem-sucedida para liderar os esforços no Legislativo do Novo México para exigir cobertura de seguro para triagem de cálcio nas artérias coronárias, um método comprovado para detectar doenças cardiovasculares, e a dupla continua pressionando para expandir a cobertura de seguro para artérias coronárias.

Gulshan Parasher, MD
Em 2020, o Conselho de Regentes da UNM e a Escola de Medicina homenagearam o Dr. Robert Strickland ao aprovar a criação de uma cátedra distinta em nome de Strickland para promover a saúde e a ciência digestiva. Em outubro, a Escola de Medicina anunciou a nomeação do Dr. Parasher como o primeiro Presidente Distinto de Strickland.

Ann Gateley, MD
Dr. Gateley recebeu o prêmio Outstanding Alumna Award de 2021 no Sweet Briar College. O prêmio foi criado para homenagear os ex-alunos por seu excelente serviço à Sweet Briar como voluntário. Após a faculdade, Gateley cursou medicina na UNM e passou a ser especialista em medicina esportiva, médico da equipe do Departamento de Atletismo da UNM e diretor do programa de Medicina Interna. 

Gerald D. Otis, PhD
Dr. Otis organizou uma sessão de autógrafos em Las Cruces, NM, em julho. Dr. Otis escreveu quatro livros: Joseph Lee Heywood: Sua Vida e Morte Trágica (2011) Paroxismo: Amor, Assassinato e Justiça no Pós-Guerra Civil Washington, DC (2013) Presumivelmente louco: um pescador se envolve no Gulag de Saúde Mental (2014) e Escolha e satisfação da carreira do médico (2019). Ele está atualmente trabalhando em um novo romance inspirado em seu trabalho com veteranos.

William F. Rayburn, MD
Dr. Rayburn foi recentemente destacado em um destaque de ex-alunos pelo programa de MBA da Universidade do Texas em Dallas. Suas muitas realizações incluem a fundação da Workforce Studies and Planning Initiative no American College of Obstetricians and Gynecologists, bem como seu tempo como presidente de longa data do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da UNM e suas múltiplas posições de liderança nacional na educação médica.

A Escola de Medicina da Universidade do Novo México estende nossas sinceras condolências aos entes queridos de nossos ex-alunos e professores falecidos.

Para enviar informações sobre um membro falecido de nossos ex-alunos ou professores, envie um e-mail para unmsomalumni@salud.unm.edu ou ligue para 505.272.5112

 

Faculdade de Medicina da UNM
Escritório de Promoção e Relações com Ex-alunos

LER
MAIS

FECHAR

EM MEMÓRIA

Para enviar informações sobre um membro falecido de nossos ex-alunos ou professores, envie um e-mail para unmsomalumni@salud.unm.edu ou ligue para 505.272.5112

 

Faculdade de Medicina da UNM
Escritório de Promoção e Relações com Ex-alunos

 

Alumni

Sergio A. De Haro, PhD '09, faleceu em 2 de julho de 2021, devido a complicações de doença renal. Seu trabalho de doutorado trouxe contribuições importantes para a compreensão da infecção de células brancas do sangue por Mycobacterium tuberculosis, e sua pesquisa contribuiu ainda mais para a compreensão do papilomavírus humano, outras doenças infecciosas e câncer. De Haro ensinou bioquímica na UNM e anatomia e fisiologia na Central New Mexico Community College. Ele era apaixonado por seus alunos, muitos dos quais se tornaram profissionais em ciências e saúde.

Christopher Peter Allen, PhD '03, morreu em 23 de maio de 2021, em Fort Collins, Colorado, por complicações do tratamento do câncer de pâncreas. Sua especialidade era pesquisa de DNA e câncer. Um destaque de sua carreira científica foi um período de dois anos com várias viagens ao Japão, onde conduziu pesquisas celulares básicas usando radiação de íons de carbono. Ele deixa o legado de um núcleo operacional de citometria de fluxo para a comunidade de pesquisa da Colorado State University.

Bernard Henry "Biff" Bueffel III, MD '70, faleceu em 15 de janeiro de 2021. Ele iniciou uma clínica pediátrica em Portland em 1976 e seguiu sua verdadeira paixão de cuidar de crianças e famílias por 37 anos.

John Andrew "Andy" Cameron, MD '72, faleceu em 7 de janeiro de 2021. Ele trabalhou como médico de emergência por aproximadamente 30 anos, principalmente no Washoe Medical Center e na Renown Health. Ele também foi membro da Guarda Nacional, trabalhando como médico militar. Ele se alistou após os ataques de 9 de setembro e subiu ao posto de coronel depois de servir em viagens ao Afeganistão e ao Iraque.

Wayne A. Delamater, MD '75, faleceu em 18 de janeiro de 2021. Exerceu oftalmologia por quase 40 anos. Ele adorava servir seus pacientes, e eles o amavam por causa disso. Ele também amava sua equipe leal, muitos dos quais estavam com ele todos os anos em que esteve na prática.

Lawrence Kano Inouye, PhD '88, faleceu em 2 de fevereiro de 2021. Ele trabalhou para o Departamento de Saúde do Havaí como especialista epidemiológico até sua aposentadoria.

Lawrence Larkin, MD '74, morreu em 25 de outubro de 2020, cercado por sua esposa e filhas. Ele era um radiologista aposentado que atuou em Lynchburg, Virgínia, por 25 anos. Ele serviu como chefe de Radiologia no Hospital Base da Força Aérea de Eglin e recebeu uma alta honrosa em 1980, tendo alcançado o posto de major. Larkin e sua crescente família se mudaram para a Virgínia em 1980, onde se juntou aos Consultores de Radiologia de Lynchburg. Praticou até 2005, quando se aposentou por motivos médicos.

Thomas McGuire, MD '83, faleceu em 23 de junho de 2021, vítima de insuficiência respiratória e doença de Huntington. McGuire exerceu medicina no Independence Regional Health Center, onde dirigiu a unidade de reabilitação e uma unidade de traumatismo craniano. Por mais de 25 anos, ele participou das Peregrinações Vocacionais da Arquidiocese de Santa Fé, que começou durante uma bolsa com um médico local em Taos.

Leonard Ray Ramsey, MD '81, faleceu em 8 de janeiro de 2021. Após a residência, ele e sua família se mudaram para Bozeman, Mont., onde trabalhou com o grupo Medical Associates. Em 1989, ele serviu uma missão médica de três meses na Suazilândia e depois serviu quatro anos na Missão Evangélica Mundial no Hospital Tenwek nas terras altas do Quênia. Ramsey e sua família fundaram a Hope of the Nations Tanzânia ao lado de Coni e Harold Knepper. Ele serviu o povo do lago, fornecendo cuidados de saúde vitais para “mamas e watoto” (crianças). Ele até aprendeu a pilotar um helicóptero e o usou para alcançar as pessoas que moravam ao longo do lago. Ramsey voltou do ministério na África em 2011 e se aposentou da medicina em maio de 2019.

Mark David Rieb, MD, NMD '80, faleceu em 20 de outubro de 2020. Rieb foi médico de família por 40 anos em Minnesota e no Novo México, com especializações em obstetrícia, acupuntura e medicina naturopática. Ele era amado por seus muitos pacientes e manteve sua licença ativa após a aposentadoria, sendo voluntário no New Mexico Medical Reserve Corps.

Ex-alunos da equipe da casa

Michael Davidson, MD, PhD (Fellow - Doenças Infecciosas), morreu em Anchorage, no Alasca, de COVID-19 em 8 de novembro de 2020. Sua escolha de passar grande parte de sua carreira estudando doenças infecciosas pode ter sido estimulada pela morte de seus avós durante a pandemia de gripe espanhola. Além de seu MD, o Dr. Davidson obteve um mestrado em saúde pública e um doutorado em epidemiologia pela Universidade Johns Hopkins. Ele também foi professor afiliado do programa biomédico da Universidade do Alasca.

Raphael J. DeHoratius, MD (Fellow - Medicina Interna), faleceu repentinamente em 26 de novembro de 2020, em sua casa em Upper Gwynedd, Penn. Ele era um reumatologista líder na Filadélfia, onde desenvolveu o primeiro centro de lúpus da cidade. Ele atuou como presidente do American College of Rheumatology em 2002-2003, e foi premiado com o título de Mestre em Reumatologia e o Prêmio Hollander. Ele passou a atuar como diretor médico em reumatologia na Johnson & Johnson até sua aposentadoria em 2017.

Robert W. Benson, MD (Residente - Cirurgia Ortopédica), morreu em 28 de novembro de 2020. Ele era um marido e pai amoroso, um médico dedicado cujo trabalho de vida era ajudar os outros. Ele também foi o “Capitão Ziggy” – um piloto de balão de ar quente e participante de longa data no Albuquerque International Balloon Fiesta. Ele era um homem alegre e ativo cuja risada podia ser ouvida a quilômetros de distância.

Edwin Chappabittty, Jr., MD (Residente - Prática de Família), faleceu em 15 de junho de 2021. Ele serviu no Vietnã em 1969 e 1970, onde recebeu vários prêmios por bravura. Chappabitty foi comissionado no Serviço de Saúde Pública dos EUA e designado para o hospital em que nasceu, o Lawton Indian Hospital em Lawton, Okla. Nos 25 anos seguintes, atuou como médico de família em hospitais em Anadarko, Okla., e Lawton, e foi três vezes chefe de departamento em Lawton. Em 1996, ele foi homenageado pela Association of American Indian Physicians como Médico do Ano. Ele recebeu o Prêmio Hero no Journal of Minority Medical Students em 1997. Após se aposentar em 2008, ele passou a servir como o primeiro diretor médico da Nação Comanche em Lawton.

Basia Holub, MD (Residente - Medicina de Emergência), morreu inesperadamente em 29 de março de 2021. O Dr. Holub embarcou em uma experiência universitária de seis anos, incluindo passagens pela Universidade Vanderbilt, Universidade Jagiellonian em Cracóvia, Polônia e Universidade Sorbonne em Paris. Ela trabalhou como médica de emergência com Presbyterian Healthcare Services por 20 anos.
Abner "Marty" Martin Landry III, MD (Residente - Radiologia Diagnóstica), morreu pacificamente em 18 de julho de 2021, após uma batalha de um mês na UTI. Ele era um radiologista praticante em Nova Orleans antes de se mudar para Clearwater, Flórida, e continuar sua prática no Largo Medical Center como chefe de Radiologia. Ele passou incontáveis ​​horas prestando assistência médica na Clearwater Free Clinic, sendo voluntário para os Médicos Sem Fronteiras e no Belize Food Bank e apoiando incansavelmente os esforços para tornar a assistência médica universal uma realidade nos Estados Unidos.

Jimmie "Jim" Reed, MD (Residente - Medicina Interna), morreu em sua casa em 4 de agosto de 2021. Ele foi empossado no Exército dos EUA e ganhou seu distintivo de pára-quedista antes de ser dispensado com honra em 1958. Ele atuou como diretor de radiologia do Brownfield Regional Medical Center em Brownfield, Texas, e como assistente clínico professor de Radiologia no Texas Tech. Ele operou um consultório particular de dermatologia de 1991 a 2004, depois combinando sua prática com a radiologia de 1998 a 2004. Reed retornou à sua cidade natal em 2005, onde continuou a trabalhar em radiologia até sua morte.

Armin Rembe, MD (Residente - Hematologia), morreu em 25 de abril de 2021, cercado por sua família amorosa em sua casa, o histórico Rancho Los Poblanos na Vila de Los Ranchos, NM O primeiro oncologista-hematologista em Albuquerque, Rembe foi dedicado a seus pacientes e suas famílias ao longo de sua carreira , muitas vezes fazendo visitas domiciliares e até mesmo trocando cuidados por cordeiros e galinhas. Aposentando-se da medicina, ele começou uma segunda carreira como "Farmin' Armin", cultivando vegetais orgânicos e, eventualmente, lavanda como parte de um projeto para perpetuar a agricultura no Vale do Rio Grande e minimizar o uso de água na agricultura.

Marc Edward Ritsema, MD (Residente - Psiquiatria; Fellow - Psiquiatria Infantil), morreu em 9 de março de 2021. Sua carreira como médico o levou de Michigan ao Novo México a Massachusetts antes de se estabelecer em Milwaukee, Wisc. criar suas filhas como mãe solteira. Na prática privada ao longo de sua carreira, ele também fez parte do corpo clínico da Faculdade de Medicina da Universidade de Wisconsin e da Escola de Medicina Robert Wood Johnson. Ele tinha muito orgulho em cuidar de crianças..

Faculdade

Lawrence “Larry” A. Osborn, MD, morreu inesperadamente em 13 de março de 2021. Ele passou a maior parte de sua carreira como cardiologista intervencionista na UNM, onde iniciou o programa de angioplastia coronariana em 1987. Embora fosse apaixonado por atividades acadêmicas e publicou muitos artigos revisados ​​​​por pares e capítulos de livros, ele passou a maior parte de sua carreira no que ele valorizava acima de tudo: atendimento ao paciente e ensino de residentes e bolsistas.

Pratap S. Avasthi, MD, morreu em sua casa em Albuquerque em 12 de janeiro de 2021 aos 85 anos. Embora tenha sofrido seu primeiro ataque cardíaco aos 36 anos e lutasse contra problemas cardíacos crônicos, sua perseverança e curiosidade o sustentaram por quase 50 anos adicionais. Ele imigrou para Albuquerque em 1966 da Índia para fazer residência em medicina interna na UNM. Ele passou a maior parte de sua carreira ensinando e treinando estudantes de medicina da UNM, realizando pesquisas relacionadas a doenças renais e tratando pacientes com doenças renais. Depois de se aposentar em 1996, ele continuou a perseguir seu interesse pelas ciências, especialmente nas áreas de astrofísica e exploração espacial.

Thomas J. Carlow, MD, faleceu em 15 de março de 2021. Ele passou uma longa e frutífera carreira como neuro-oftalmologista em Albuquerque – e foi o único no Novo México por 30 anos. Pioneiro em seu campo, ele iniciou uma reunião médica anual, a North American Neuro-Ophthalmology Society, que se tornou uma sociedade internacional. Ele também serviu no Serviço de Saúde Pública do Exército dos EUA. Ele derivou grande prazer ensinando residentes em neurologia, oftalmologia e neurocirurgia.

Gary Peterson, MD, morreu após uma batalha contra doença pulmonar idiopática em 9 de setembro de 2021, em sua casa em Chapel Hill, NC Peterson foi pesquisador do Centro de Pesquisa em Ciências Biológicas da UNC-Chapel Hill e, em seguida, dirigiu a Unidade de Psiquiatria Infantil da UNM por cinco anos. Mais tarde, ele ingressou no Southeast Institute for Group and Family Therapy em Chapel Hill, onde continuou em consultório particular pelo resto de sua carreira.

Paula Jean Clayton, MD, morreu pacificamente em 4 de setembro de 2021, cercado por entes queridos. Em 1980, ela se tornou a primeira mulher nos Estados Unidos a presidir um departamento de psiquiatria, ingressando na Faculdade de Medicina da Universidade de Minnesota, cargo em que atuou até 1999. Posteriormente, mudou-se para Santa Fé e tornou-se professora de psiquiatria na UNM School of Medicine de 2001 a 2005. Em 2006, ela se mudou para Nova York para se tornar a diretora médica da Fundação Americana para Prevenção do Suicídio. Ao longo de sua carreira, Clayton permaneceu comprometida em avançar no campo da psiquiatria, realizando pesquisas, ensinando, orientando jovens médicos e atendendo pacientes.

Transformação em tempos de COVID

Em 14 de março de 2020, havia trânsito intenso por toda parte em Quito, Equador, quando, às 9h35, todas as rádios locais transmitiram um boletim de notícias: “A cidade será fechada, o toque de recolher é instituído a partir das 3h”.

Eu não me importei com a notícia. Eu estava dirigindo freneticamente para casa para verificar meu e-mail. Era o Match Day, e meu futuro como profissional médico estava em jogo. Cheguei em casa, corri para dentro, deixando minha porta da frente aberta.

Liguei meu laptop e lá estava, a temida mensagem: “Lamentamos que você não tenha correspondido a nenhuma posição”.

O resto do dia é um borrão. Eu estava desconcertado, com muitos pensamentos na minha cabeça enquanto me preparava para o toque de recolher. Não me lembro muito mais dessa semana – resumindo, não consegui igualar, o que me levou a acreditar que esta foi a pior semana da minha vida profissional e pessoal.

A notícia bateu forte. Por um lado, meu sonho de me tornar residente nos EUA estava desaparecendo e, por outro, uma pandemia única na vida estava sobre nós. Minhas opções pareciam sombrias, eu não tinha bússola. Tentei me recuperar o melhor que pude, mas as oportunidades não eram amplas.

LER
MAIS

Tiro na cabeça de Teresa Vigil.

FECHAR

Transformação em tempos de COVID

Por David A. Andrade, MD - PGY I Residente de Psiquiatria

Em 14 de março de 2020, havia trânsito intenso por toda parte em Quito, Equador, quando, às 9h35, todas as rádios locais transmitiram um boletim de notícias: “A cidade será fechada, o toque de recolher é instituído a partir das 3h”.

Eu não me importei com a notícia. Eu estava dirigindo freneticamente para casa para verificar meu e-mail. Era o Match Day, e meu futuro como profissional médico estava em jogo. Cheguei em casa, corri para dentro, deixando minha porta da frente aberta.

Liguei meu laptop e lá estava, a temida mensagem: “Lamentamos que você não tenha correspondido a nenhuma posição”.

O resto do dia é um borrão. Eu estava desconcertado, com muitos pensamentos na minha cabeça enquanto me preparava para o toque de recolher. Não me lembro muito mais dessa semana – resumindo, não consegui igualar, o que me levou a acreditar que esta foi a pior semana da minha vida profissional e pessoal.

A notícia bateu forte. Por um lado, meu sonho de me tornar residente nos EUA estava desaparecendo e, por outro, uma pandemia única na vida estava sobre nós. Minhas opções pareciam sombrias, eu não tinha bússola. Tentei me recuperar o melhor que pude, mas as oportunidades não eram amplas.

Tentei fazer parte dos esforços de ajuda à pandemia em meu país e nos EUA escrevi cartas para a embaixada dos EUA e vários hospitais na cidade de Nova York, onde a pandemia foi mais atingida. Fui rejeitado em todos os lugares, mas a parte mais difícil foi ter as oportunidades negadas pelo meu próprio país. Todas essas respostas soaram iguais para mim: “Desculpe, se você não é bom o suficiente para combinar, você também não é bom o suficiente para isso”.

Enquanto isso, tentei o meu melhor para me manter ocupado com as “tarefas pandêmicas”, garantindo que minha família estivesse segura durante esses tempos difíceis. Mentalmente, tentei me concentrar em um novo objetivo, mas não estava claro o que poderia ser. A partida de 2021? Recomeçar a minha carreira no meu país de origem? Ou tentar fazê-lo em outro?

Ainda pensando no meu futuro, me envolvi trabalhando remotamente como consultor clínico em uma instituição de saúde mental em Albuquerque. mas eu ainda estava preocupado com meus próximos passos.

Eu tinha certeza de que meu futuro estava nos EUA e, assim que as fronteiras foram abertas, tentei entrar no país para melhorar minhas chances para a partida de 2021.

Mas a Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA tinham planos diferentes. Detiveram-me e interrogaram-me durante várias horas sob a suspeita de que vinha trabalhar ilegalmente no país. Depois de uma entrevista exaustiva – e pelo que só posso chamar de intervenção divina – consegui entrar no país por 30 dias, um terço do tempo previsto.

Este foi o ponto de virada. Depois de algumas bebidas e uma sessão de psicoterapia que me fez perceber que eu tinha transtorno de estresse agudo, decidi que era o suficiente. Como profissional médico, estava acostumado com a falsa crença de que estava no controle, mas depois de tudo o que aconteceu, decidi que não tinha controle – e tudo bem. Eu decidi deixar ir e pensar em tudo como uma bênção. Tirei o melhor proveito da minha curta experiência clínica, voltei ao Equador, aproveitei um tempo de qualidade com minha família, continuei trabalhando remotamente, me casei e me candidatei à partida de 2021 com mais fé do que convicção.

 

Eu fiz isso. EU PAREI EM PSIQUIATRIA!

 

Quando as pessoas dizem que a pandemia mudou suas vidas, provavelmente é verdade. Todos tiveram que se ajustar a circunstâncias sem precedentes. Agora, a questão é: essa mudança é duradoura ou não? Para mim, foi.

O ano de 2020 foi profissionalmente desastroso, mas aprendi a lição mais importante, não segurar muito, aproveitar o momento, mesmo nas piores circunstâncias e pensar em tudo como um aprendizado.

Como você pode ver, 2021 foi o oposto, e estou feliz. 2020 sempre terá um lugar especial na minha memória. Será conhecido como o ano em que comecei a aproveitar a vida em vez de tentar controlá-la.

LTSS

dando níveis

Qualquer doação de qualquer valor para um fundo de bolsas da Escola de Medicina é avaliada e reconhecida pela La Tierra Sagrada Society. Os doadores para o LTSS para qualquer uma dessas bolsas são chamados de “Doadores Apoiadores”.

nível de doação de cereja

Com uma doação anual de $ 1- $ 999, você será listado como um doador cereja no programa de jantar com bolsa de estudos. CLIQUE PARA PARTICIPAR

turquesa dando nível

Com uma doação anual de US $ 1,000 a US $ 2,499, você será listado como um Doador Turquesa no programa de jantar com bolsa de estudos. 
CLIQUE PARA PARTICIPAR

 

nível de doação de prata

Com uma doação anual de US $ 2,500 a US $ 4,999, você será listado como um Doador de Prata no programa de jantar com bolsa de estudos. CLIQUE PARA PARTICIPAR

nível de doação de ouro

Com uma doação anual de $ 5,00- $ 24,999, você será listado como um Doador de Ouro no programa de jantar com bolsa de estudos. CLIQUE PARA PARTICIPAR

Nível de doação dotado

Com uma doação de $ 25,000 ou mais, você estabelece uma bolsa de estudos doada a ser concedida anualmente e você será listado no programa de jantar de bolsa de estudos como um Doador de Dotação. CLIQUE PARA PARTICIPAR

bolsista abraça seu patrono

Qualquer bolsa. Qualquer valor.

La Tierra Sagrada é a maior entidade bolsista da Escola de Medicina da Universidade do Novo México.

Comprometido em reconhecer todos os que apoiam bolsas de estudo na Faculdade de Medicina, o Conselho de Administração de La Tierra Sagrada tem o prazer de anunciar. . .

Quando você DÁ,
você pertence.

Agora, quando você doar para qualquer bolsa da Faculdade de Medicina da UNM, você pertencerá à La Tierra Sagrada.

LER
MAIS

SERVIR O PRESENTE. FORME O FUTURO.

La Tierra Sagrada é a maior entidade bolsista da Escola de Medicina da Universidade do Novo México.

Comprometido em reconhecer todos os que apoiam bolsas de estudo na Faculdade de Medicina, o Conselho de Administração de La Tierra Sagrada tem o prazer de anunciar. . .

Quando você DÁ,
você pertence.

Agora, quando você doar para qualquer bolsa da Faculdade de Medicina da UNM, você pertencerá à La Tierra Sagrada.


ltss-25.pngCOMPROMISSO "25"

Desde 1996, a Sociedade La Tierra Sagrada concedeu US$ 1.7 milhão em bolsas de estudo e bolsas de pesquisa. US$ 1.2 milhão foi diretamente para os alunos por meio de bolsas de estudo.

Cause seu impacto e celebre o 25º aniversário de La Tierra Sagrada com o compromisso “25”.

Dê um presente único de $ 25, $ 250, $ 2,500 ou uma doação de $ 25,000.

Os doadores do corpo docente e da equipe são incentivados a considerar a oferta de um presente recorrente de “25” por meio de desconto na folha de pagamento.

Para informações de associação, entre em contato com Erika Anderson em 505.272.1913 ou EMAnderson@salud.unm.edu

doe online em: goto.unm.edu/ltss25

FECHAR

Conselho Editorial e Colaboradores

editor chefe
Ashley Salazar

diretor criativo
Bridgette Wagner Jones

LER
MAIS

FECHAR

Conselho Editorial e Colaboradores

editor chefe
Ashley Salazar

diretor criativo
Bridgette Wagner Jones

editores
Alexandria Sanchez, Elizabeth Sandlin

escritores contribuintes
David A. Andrade, Supreetha Gubbala, Tenisha Marques, Ruth Morgan, Paige R. Penland, Michael E. Richards, C. Nathaniel Roybal, Ashley Salazar, Alexandria Sanchez, Maggie Schold, Michele W. Sequeira

gráficos e layout
Bridgette Wagner Jones

fotografia
Jett LoeRaymond MaresJosé RodríguezAshley SalazarAllan Stone

escritório do Dean
Michael E. Richards, MD, MPA
Reitor interino, Escola de Medicina da UNM

entrar em
Faculdade de Medicina da UNM
Escritório de Promoção e Relações com Ex-alunos
MSC08 4720 Fitz Hall Rm 182B
1 Universidade do Novo México
Albuquerque NM 87131-0001
505.272.5112

informações de assinatura
unmsomalumni@salud.unm.edu 

e-mail do editor
asmsalazar@salud.unm.edu 

Agradecemos o envio de histórias, fotografias e cartas ao editor.

UNM Medicine é publicado pelo Escritório de Avanço e Relações com Ex-alunos da Escola de Medicina da UNM
Impresso nos EUA Copyright 2021
Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Novo México

Esta página foi projetada para dispositivos maiores. Mude para "Site para desktop" para uma melhor visualização.