2022 Re:Conexões

Com muitos de nós trabalhando remotamente nos últimos dois anos, tivemos que encontrar novas maneiras de colaborar e comunicar. Mas não estamos tão isolados quanto pensamos: somos membros de uma equipe orgulhosa. Continue lendo para saber o que alguns de seus colegas têm feito. . .

 

Força na diversidade

UNM Health Sciences reflete a herança do Novo México.

Guiado por sonhos

O pintor de Zia Pueblo, Marcellus Medina, promove cura, compaixão e bênçãos em nome de todas as pessoas em seu mural, em exibição no UNM Sandoval Regional Medical Center.

Dermatologia Inclusiva

Uma equipe da UNM seleciona imagens que refletem com mais precisão as condições dermatológicas em uma variedade de tons de pele.

Aprendizagem ao Longo da Vida

A devoção de Carolyn Montoya ao ensino de enfermagem tem suas raízes em sua educação no Novo México.

Compromisso com o cuidado

A enfermeira-parteira Felina Ortiz encontra propósito em ajudar as famílias ao longo de suas vidas.

Juramento de um farmacêutico

Os alunos da Faculdade de Farmácia da UNM recitam a versão atualizada de seu juramento profissional, encapsulando um compromisso com a diversidade, equidade e inclusão.

Arte é amor

O escultor Oliver LaGrone capturou de maneira comovente o amor de sua mãe em bronze em uma delicada obra de 1937 que está hoje no Hospital UNM Carrie Tingley.

Douglas Ziedonis

MD, MPH, Vice-Presidente Executivo, UNM Health Sciences, CEO, UNM Health

LER
MAIS

Douglas Ziedonis

MD, MPH, Vice-Presidente Executivo, UNM Health Sciences, CEO, UNM Health

FECHAR

Transcrição de áudio da mensagem

Enfermeiras de Saúde da UNM

A enfermagem é uma profissão exigente nos melhores momentos. A pandemia do COVID-19 tornou tudo muito, muito mais difícil. Aqui, os enfermeiros que trabalham no UNM Hospital e no UNM Sandoval Regional Medical Center compartilham seus pensamentos sobre seu trabalho, sua motivação para servir e sua dedicação para alcançar os melhores resultados para seus pacientes.

  • Allison Montaño, RN

    Berçário de recém-nascidos do Hospital da UNM

    Trabalhar na linha de frente durante a pandemia tem sido tudo menos normal. Conseguimos fazer a transição de muitas de nossas unidades para unidades COVID. Muitas de nossas outras unidades absorveram esses pacientes e conseguiram cuidar deles com sucesso. Transformamos corredores, colocamos camas neles, transformamos depósitos em unidades e fizemos tudo com sucesso.

    Quando a vacina saiu, estávamos muito animados por ter uma luz no fim do túnel. Então tivemos casos ressurgentes e veio a variante Delta. Foi um pouco frustrante e um pouco desanimador. O público em geral está um pouco assustado e um pouco mal informado sobre os benefícios da vacina.

    Eu só quero que as pessoas saibam que muitas das pessoas que chegam com COVID-19 não são vacinadas. O objetivo é que todos saibam que nossa equipe está trabalhando muito, muito duro para fornecer o melhor e mais seguro atendimento possível com os recursos que temos no momento. Peço a todos que se vacinem.

    Tiro na cabeça Allison Montano.
  • Annika Page, RN

    Três anos no SRMC, 8 anos de enfermagem no total, Internação med/cirúrgica

    Eu sempre disse a mim mesmo quando era mais jovem “não posso trabalhar em um trabalho de mesa das 9 às 5”. Eu queria algo que não fosse a mesma coisa todos os dias – algo que eu realmente gostasse. Eu definitivamente consegui o que eu queria. Nenhum dia é igual ao outro e eu consigo ajudar os outros às vezes em seus momentos mais vulneráveis. É uma carreira emocionante e gratificante.

    A melhor coisa sobre o meu trabalho é o quão gratificante ele é. É definitivamente um trabalho difícil, você está constantemente multitarefa. No entanto, ver bons resultados do que poderia ter sido prejudicial para uma pessoa é uma grande coisa para se fazer parte.

    O maior desafio que enfrentei durante essa pandemia é ver como isso impactou negativamente muitos membros da equipe, seja mental, emocional ou fisicamente. Trabalhei com enfermeiras tão incríveis, apenas para ver essa pandemia tirar a paixão que essas enfermeiras tinham pela enfermagem, levando-as a deixar completamente a profissão.

    Quero que as pessoas saibam, especialmente aquelas que estão pensando em se tornar uma enfermeira, que, embora a enfermagem seja um trabalho difícil e às vezes ingrato, é também a profissão mais humilde para se estar.

    Tiro na cabeça de Annika Page.
  • Claudia Phillips, MSN-Ed, RN, CEN, CPEN

    Cinco anos na SRMC; 16 anos em enfermagem, departamento de emergência e educação

    Por que você escolheu a carreira de enfermagem?

    Para ser honesta, eu nem sabia por que queria ir para enfermagem. Apenas parecia certo. Mas através da minha jornada de enfermagem, percebi por que sou enfermeira. Eu sou parte de algo maior do que eu, e isso é uma coisa poderosa. A comunidade de enfermagem é poderosa quando nos unimos para defender nossos pacientes e trabalhar para levar os cuidados de saúde e nossa profissão em uma direção positiva.

    Qual é a melhor coisa do seu trabalho?

    A equipe com a qual trabalho; tanto do lado clínico quanto de outros educadores. Não há nada como o vínculo que as enfermeiras compartilham umas com as outras. E nos dias e turnos difíceis, é sua equipe que o ajuda.

    Qual é o maior desafio que você enfrentou durante a pandemia do COVID?

    O medo do desconhecido e do mundo em rápida mudança ao meu redor. Ter que deixar de lado esses medos no trabalho para cuidar daqueles que estavam mais doentes do que eu já vi. Justamente quando pensávamos que estávamos ganhando força e descobrindo o COVID, as coisas mudaram novamente.

    O que você quer que as pessoas saibam sobre o que você faz?

    A enfermagem é uma profissão, e exige muito trabalho, sacrifício e dedicação. Não é o que é mais frequentemente retratado na TV ou nos filmes. Não é um trabalho glamoroso, mas é uma das experiências mais gratificantes que se pode ter. A qualquer momento, o que você realmente vê uma enfermeira fazendo é apenas cerca de 10% do que está realmente acontecendo; 90% são todas as decisões, julgamentos, priorização, malabarismo, planejamento e antecipação das necessidades de vários pacientes. Não somos super-heróis, somos seres humanos aparecendo para cuidar dos outros, como sempre fizemos.

    Tiro na cabeça Claudia Phillips.
  • Gabrielle Barsody, RN

    2 anos, Internação - 5º andar

    Por que você escolheu a carreira de enfermagem?

    Escolhi uma carreira de enfermagem com base em minhas experiências cuidando da minha mãe. Durante toda a minha infância ela estava muito doente e passou por várias cirurgias, então eu cuidava dela enquanto meu pai estava no trabalho e cuidava dos meus irmãos. Isso continuou durante toda a minha adolescência. Então, quando me aproximava da formatura do ensino médio, senti esse chamado para entrar para a enfermagem. Cinco anos depois, meu sonho se tornou realidade e eu tenho minha mãe, minha maior inspiração e apoiadora do meu sonho, para agradecer por tudo.

    Qual é a melhor coisa do seu trabalho?

    A melhor parte do meu trabalho é ajudar as pessoas a descobrirem as respostas para seus problemas de saúde e se sentirem melhor. O olhar em seus olhos e seu sorriso quando chegam em casa é o suficiente para mim. E para aqueles que infelizmente não vão melhorar, dando-lhes o máximo cuidado e conforto no final de sua vida. Há muitas mãos que segurei quando os pacientes receberam notícias devastadoras, eles só querem que alguém esteja presente com eles.

    Qual é o maior desafio que você enfrentou durante a pandemia do COVID?

    O maior desafio que enfrentei durante o COVID foi não saber com o que estávamos lidando. Todos os profissionais de saúde estavam mais do que dispostos a ajudar e trabalhar longas horas, mas o COVID era novo e não sabíamos exatamente como ajudar as pessoas com COVID a melhorar. Muito foi tentativa e erro, em termos de medicamentos e terapias e tal; nossas políticas e procedimentos estavam mudando a cada semana, se não diariamente, com novas práticas baseadas em evidências surgindo sobre o COVID-19.

    O que você quer que as pessoas saibam sobre o que você faz?

    Quero que as pessoas saibam que queremos ajudar a todos o máximo que pudermos. Mesmo cansados ​​dessa pandemia do COVID acordamos todos os dias e aparecemos mais do que dispostos e ansiosos para ajudar a todos que pudermos. Tudo o que pedimos em troca é que tenha paciência conosco. Com os hospitais atendendo aos padrões de crise de atendimento, transbordando de pacientes muito doentes e superando a capacidade - apenas pedimos que você tenha paciência e compreensão enquanto trabalhamos febrilmente para ajudá-lo.

    Tiro na cabeça Gabrielle Barsody.
  • Harriet Smith, RN

    4.5 anos no SRMC, 10 anos no total, Internação - Médico/Cirúrgico

    Por que você escolheu a carreira de enfermagem?

    Sugestão da minha mãe. Eu me formei em biologia e não tinha certeza do que faria depois que decidi contra minha primeira escolha de carreira, odontologia. Eu pensei, por que não? Naturalmente, ela também é enfermeira 🙂. Felizmente, acabou por ser algo que eu gosto.

    Qual é a melhor coisa do seu trabalho?

    Ter a oportunidade de fazer uma diferença positiva na vida das pessoas.

    Qual é o maior desafio que você enfrentou durante a pandemia do COVID?

    Manter uma atitude positiva diariamente, dentro e fora do local de trabalho.

    O que você quer que as pessoas saibam sobre o que você faz?

    A profissão é difícil em muitos aspectos, e os enfermeiros são humanos. Temos emoções e limites, merecemos que a graça nos seja concedida às vezes. Dito isto, a enfermagem é realmente gratificante, e estou grato e orgulhoso por fazer parte desta comunidade especial.

    Tiro na cabeça Harriet Smith.

Edifício mais alto

Um grande projeto de construção no Hospital da Universidade do Novo México está adicionando uma torre de cuidados intensivos para adultos muito necessária e uma estrutura de estacionamento de 1,400 vagas para aliviar a superlotação de longa data. Também está transformando a aparência do Campus Norte da UNM

LER
MAIS

FECHAR

Edifício mais alto

Nova torre do hospital no Hospital UNM oferecerá aos novos mexicanos maior acesso aos cuidados de saúde Por Makenzie McNeill

Imagem CAD do exterior do novo edifício hospitalar.

Ao lado do Hospital da Universidade do Novo México, um terreno de 6.5 acres repleto de guindastes e equipamentos de construção logo se tornará o local de uma nova torre de cuidados intensivos para adultos com 96 leitos e uma estrutura de estacionamento com 1,400 vagas.

A nova torre do hospital de 570,000 pés quadrados, projetada para inaugurar no outono de 2024, é necessária para lidar com a superlotação de longa data na UNMH, adicionando capacidade de tratamento intensivo, novas salas de operação e um novo departamento de emergência.

O hospital está quase sempre no status “Código Roxo”, o que significa que está operando acima da capacidade. Como os leitos disponíveis já estão lotados, os novos pacientes podem esperar horas para serem admitidos.

Vários fatores contribuem para a superlotação.

UNMH é o único centro de trauma de nível I no Novo México, recebendo pacientes de todo o estado. Como uma unidade de cuidados terciários e hospital universitário, oferece serviços médicos e cirúrgicos que não estão disponíveis em outras partes do estado, incluindo o centro de queimados, o Hospital Infantil da UNM e o centro abrangente de AVC.

A pandemia COVID-19 exacerbou o problema, com um número significativo de pacientes sendo transferidos para a UNMH para atendimento de nível superior de outras partes do Novo México.

“Acho que a pandemia destacou a necessidade de capacidade adicional e certamente seria útil ter essa capacidade no futuro”, disse o diretor de operações Michael Chicarelli, DNP.

No pico da pandemia, muitos pacientes tiveram que adiar os cuidados cirúrgicos até que a capacidade do hospital atingisse níveis administráveis. Além disso, muitos pacientes que estão sendo admitidos no hospital agora estão mais doentes do que o esperado, em grande parte devido ao atraso no atendimento primário e preventivo.

“Estamos em uma crise agora no Novo México”, disse Jennifer Vosburgh, DNP, RN, chefe de enfermagem associada do hospital. “O sistema de prestação de cuidados de saúde não foi construído para esses volumes atuais. Os pacientes estão mais doentes, por isso passam mais tempo no hospital e demoram mais para terem alta e liberar uma cama para outro paciente que está esperando para entrar. "

Imagem CAD do exterior do novo edifício do hospital.A capacidade do paciente não é o único desafio que o hospital enfrenta. Algumas partes da instalação têm mais de 60 anos e uma atualização está muito atrasada.

“Um corredor que foi projetado, digamos, 50 anos atrás, é mais estreito e as alturas do chão ao teto são mais curtas e as portas são menores”, diz Michael E. Richards, MD, MPA, vice-presidente sênior de assuntos clínicos da UNM Health Sciences. “Em alguns casos, temos dificuldade em mover equipamentos para dentro e para fora das salas.”

A New Hospital Tower, construída de acordo com os padrões do século 21, fornecerá melhorias há muito necessárias.

Como o hospital existente foi construído em etapas ao longo de décadas, e muitos serviços clínicos estão localizados distantes uns dos outros, pode levar até 20 minutos para andar de um serviço a outro. Quando se trata de cuidar de alguém com uma lesão ou doença potencialmente fatal, cada segundo conta.

A nova torre do hospital foi projetada para consolidar todos os serviços de cuidados intensivos para adultos sob o mesmo teto. Esses serviços incluem 18 novas salas de cirurgia, 96 leitos de UTI e um pronto-socorro com mais de 40 salas de exames.

Além disso, a nova estrutura de estacionamento – que se conectará à torre por meio de uma ponte de pedestres – permitirá que os pacientes cheguem aos serviços médicos mais rapidamente.

Imagem CAD do interior do novo edifício do hospital, incluindo pessoas andando.A nova instalação inclui amenidades para melhorar o bem-estar do funcionário e do paciente.

Um exemplo é a adição de mais luz natural na torre, que a pesquisa comprovou que beneficia imensamente os pacientes e funcionários em ambientes de cuidados de saúde.

O resultado final é que a nova torre – com sua sala de emergência ampliada e unidade de terapia intensiva – permitirá que mais mexicanos recebam cuidados médicos críticos no Novo México.

“A expansão planejada do hospital é muito importante para continuarmos fornecendo o cuidado que temos a honra de fornecer para a população do Novo México, no Novo México”, disse Steve McLaughlin, MD, presidente do Departamento de Medicina de Emergência e Críticas da UNM Cuidado.

Ainda faltam alguns anos para a conclusão da Nova Torre do Hospital, mas, enquanto isso, para pacientes que sofram de ferimentos ou doenças devastadoras, a UNMH continuará a oferecer cuidados de saúde excepcionais e de qualidade a todos os novos mexicanos.

Para saber mais, visite Torre UNM.

Cam Crandall em pé no hospital usando máscara.

Agente de mudança

O legado do Dr. Cameron Crandall de trabalhar em nome da comunidade LGBTQ das Ciências da Saúde da UNM beneficia provedores - e pacientes

LER
MAIS

FECHAR

Agente de mudança

Cameron Crandall, MD, Heads LGBTQ Diversity, Equity & Inclusion Efforts Rebeca Roybal Jones

Tiro na cabeça de Cam Crandall.

Cameron Crandall, MD, dedica-se a fazer mudanças institucionais em nome da comunidade LGBTQ porque quer ajudar os outros – começando no consultório médico.

“Eu realmente não gosto de falar sobre mim”, diz ele. “Eu prefiro trabalhar em segundo plano e fazer com que os outros tenham sucesso. Trata-se de servir nossas comunidades e dar a todos a oportunidade de ter sucesso. ”

Crandall, que é gay, é vice-chanceler associado de Diversidade, Equidade e Inclusão LGBTQ no Escritório de Ciências da Saúde da UNM para Diversidade, Equidade e Inclusão, bem como vice-presidente de Pesquisa no Departamento de Medicina de Emergência. Ele também é Professor Regente no Departamento de Medicina de Emergência.

Crandall cresceu em Seattle, frequentou a Universidade de Washington e passou a estudar saúde pública na Universidade Johns Hopkins. Ele chegou ao Novo México em 1993 para treinar em medicina de emergência, ingressou no corpo docente em 1996 e está aqui desde então.

A função de vice-chanceler associado para Diversidade, Equidade e Inclusão LGBTQ é única não apenas no Novo México, mas em todo o país, diz ele.

"Tem . . . campeões médicos ocasionais ou campeões do corpo docente em várias escolas diferentes, mas ter alguém dedicado a abordar essas questões é realmente único, e tenho que agradecer à liderança por ter a visão e o compromisso de fazer isso ”, diz Crandall.

A função de administrador permite que Crandall use suas habilidades em pesquisa de saúde pública para examinar as disparidades de saúde e a saúde LGBTQ.

“Vários grupos experimentam disparidades no atendimento à saúde e grande parte deste trabalho é focar e trabalhar na abordagem de algumas dessas questões a partir de uma lente sistêmica, em vez de um encontro individual”, diz ele. “É importante fazer os dois, certo? No pronto-socorro, ofereço atendimento direto aos pacientes, mas também é muito importante reconhecer que você também pode potencialmente fazer um bem ainda maior ao fazer mudanças sistêmicas, observando nossos padrões sistêmicos. ”

Crandall também é conselheiro docente e contato para UNM LGBTQ Students and Allies in Healthcare (LSAH), um grupo dedicado a promover a saúde de lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros e queer por meio do alcance da comunidade, intervenção curricular, educação profissional e mentoria.

Sob a orientação de Crandall, o LSAH tem trabalhado para atualizar o currículo da Escola de Medicina da UNM para que os futuros médicos e outros provedores sejam treinados para fazer mais perguntas sobre uma pessoa quando ela vier para receber cuidados de saúde. A LSAH está trabalhando agora para levar isso a UNM Health Sciences para aumentar a conscientização e fornecer ferramentas para abordar e reconhecer as disparidades de saúde entre as minorias sexuais e de gênero.

O LSAH criou o currículo usando as diretrizes estabelecidas pela Association of American Medical Colleges.

“Depois de fazer um inventário do currículo, identificamos vários pontos diferentes de potencial intervenção e melhoria no currículo”, diz Crandall. A Faculdade de Medicina agora tem “uma visão curricular completa e um mapa que identifica provavelmente cerca de 20 pontos diferentes de intervenção”.

Crandall diz que o grupo criou as perguntas para que não fizessem suposições sobre a identidade sexual ou as práticas sexuais de uma pessoa.

“Se os indivíduos estão engajados em uma determinada forma de prática sexual que pode expô-los a um risco, é importante educar os pacientes sobre quais são esses riscos e ajudá-los a administrá-los”, diz ele.

“Se você presumir que alguém é casado, que é um homem e é casado com uma mulher, não deve presumir que o indivíduo se identifica como heterossexual. Na verdade, eles podem ter mais de um parceiro. Eles podem fazer sexo com homens ou múltiplos parceiros. É importante realmente mergulhar além da identidade e realmente falar sobre práticas e comportamentos sexuais ”.

Além de fazer mudanças impactantes na educação, Crandall também liderou a renovação do registro eletrônico de saúde no Sistema de Saúde da UNM.

“No início da minha gestão neste cargo, havia uma consciência sobre as disparidades substanciais de saúde que os indivíduos transgêneros e não-conformes de gênero ou não binários vivenciam. . . sistemas de saúde ”, diz ele.

Isso levou a mudanças significativas no repensar e, por fim, na reformulação do registro eletrônico de saúde para incorporar noções mais amplas de sexualidade e gênero, diz Crandall. “Mudamos nossos dados demográficos básicos e agora permitimos que os indivíduos nos digam sua orientação sexual, sua identidade de gênero”.

Ele também liderou esforços para desenvolver e oferecer mais aulas para os alunos e descobriu que os professores estão aprendendo ao longo do caminho.

“E, de certa forma, eu poderia até dizer que é um esforço um pouco mal orientado dessa forma”, diz ele. “Nossos alunos têm uma mentalidade mais progressiva e estão muito mais cientes dessas questões do que nossos professores em muitos casos.

Cam posando com amigos todos vestindo camisas do Orgulho.“Às vezes, o que realmente precisamos fazer é fornecer as ferramentas para nossos professores, porque as pessoas que são mais jovens, em geral, consideram as variações de sexualidade e gênero como certas. E não é tão desconcertante ou incomum para nossos grupos de idade de alunos, mas quando temos nossos professores, muitas vezes eles lutam com os conceitos. Nesse sentido, não é difícil ensinar os alunos. Eles entendem o material, estão famintos por mais. Eles querem mais detalhes, eles querem mais detalhes ”.

Num futuro não muito distante, Crandall gostaria de ver a UNM Health estabelecer serviços cirúrgicos para pacientes transexuais.

“Sabemos que o Novo México oferece poucos serviços cirúrgicos específicos para pacientes trans”, diz ele. “Eu trago isso, porque para ensinar sobre esses tópicos e as pessoas aprenderem sobre esses tópicos você realmente precisa estar fazendo isso. Você pode falar sobre neurocirurgia, mas se você não tiver um neurocirurgião, não aprenderá muito sobre cirurgia. Então, se você não está fazendo alguns desses procedimentos e tem os pacientes e as habilidades definidas para contornar esses pacientes, a partir de um modelo multidisciplinar, realmente cai por terra. ”

Ele também prevê que a UNM mude a forma como coleta informações pessoais, de modo que a identificação da sexualidade e da condição de minoria de gênero faça parte do processo para os candidatos, seja para alunos, funcionários ou professores.

“Precisamos fazer isso porque usaremos essas informações para garantir que estamos fazendo o melhor que podemos para todos os nossos grupos de alunos e comunidades”, diz ele.

Cuidando de quem se importa

Jan Martin lidera uma nova parceria da Faculdade de Enfermagem da UNM com o Condado de Bernalillo para ajudar a treinar cuidadores familiares

LER
MAIS

FECHAR

Cuidando de quem se importa

Faculdade de Enfermagem da UNM ajuda a lançar novo programa para treinar cuidadores familiares Eleanor Hasenbeck

Estudante de enfermagem conversando com paciente em uma mesa.Seu novo trabalho começou ontem, quando sua avó recebeu alta do hospital após um acidente vascular cerebral que alterou sua vida.

Você a ajudará em casa, garantindo que ela receba o remédio certo na hora certa e a ajudará a chegar a uma infinidade de consultas médicas. Você não tem experiência em cuidados de saúde – além daquelas poucas vezes em que cuidou de febres ou obedientemente pegou seu ente querido ainda grogue da cirurgia, mas você trabalhará uma média de 18 horas por semana cuidando dele, e você não receberá treinamento e nem compensação. Além disso, você ainda precisa manter todos os outros aspectos de sua vida diária à tona.

A cada ano, um em cada cinco novos mexicanos serve como cuidador familiar, fornecendo esse tipo de cuidado domiciliar de longo prazo, de acordo com o Departamento de Serviços de Envelhecimento e Longo Prazo do Novo México.

A partir de fevereiro de 2022, a Faculdade de Enfermagem da Universidade do Novo México e o Escritório de Serviços Sociais e Idosos do Condado de Bernalillo fizeram uma parceria para lançar o Programa de Treinamento de Cuidadores, que trabalha para apoiar cuidadores de idosos e cuidadores de idosos, fornecendo-lhes um programa individualizado para capacitar para melhor cuidar de seu ente querido e de si mesmos.

Até agora, não havia programas de treinamento no Novo México para pessoas com pouca experiência na prestação de cuidados de saúde que devem fazer a transição repentina para um cuidador principal de alguém com necessidades médicas exclusivas.

“Há uma grande porcentagem de Novos Mexicanos que dedicam grande parte de suas vidas a cuidados familiares não reembolsados ​​e sem apoio, e precisamos cuidar deles também”, disse Jan Martin, DNP, professor associado e reitor assistente interino da Assuntos Clínicos da Faculdade de Enfermagem.

O programa oferece assistência individualizada e treinamento para lidar com a situação única de cada cuidador. Uma enfermeira com experiência na prestação de cuidados geriátricos domiciliares faz uma avaliação inicial e se reúne com um cuidador para entender como é o seu dia, como eles ajudam a pessoa de quem estão cuidando e quais são as dificuldades que enfrentam na prestação desses cuidados.

Após a avaliação, a enfermeira trabalha com o cuidador para desenvolver um plano para ajudar a fortalecer as habilidades e fornecer suporte. Isso pode incluir educação sobre medicamentos ou aprender movimentos para banhar ou mover uma pessoa para garantir que nem o cuidador nem a pessoa de quem estão cuidando sejam feridos. Também pode incluir apoio para encontrar recursos comunitários para ajudar com alimentação, moradia ou transporte, ou ajudar um cuidador a encontrar descanso para fazer uma pausa e tempo para recarregar.

Espera-se que o programa baseado em referência treine 50 cuidadores em seu primeiro ano.

O programa surgiu da Clínica de Educação Geriátrica e Manutenção da Saúde de Albuquerque, que oferece educação, recursos e cuidados básicos de saúde preventiva a idosos em clínicas temporárias em centros de idosos da cidade.

Estudantes de enfermagem também participarão do programa como parte de suas rotações clínicas. Sob a supervisão de uma enfermeira, os alunos serão pareados com um cliente por sete a 16 semanas.

Este programa oferece aos alunos a oportunidade de aprender sobre cuidados de saúde domiciliares e trabalhar com idosos fora de um hospital ou ambiente de vida assistida. Espera-se que os estudantes de enfermagem desenvolvam habilidades na realização de avaliações, na criação e manutenção de ambientes domésticos seguros para os clientes e na conversa com as pessoas sobre medicamentos e manutenção da boa saúde.

Martin espera que este programa permita que os alunos vejam os resultados dos cuidados que prestam e desenvolvam uma conexão mais forte com cuidadores e clientes.

“É muito importante que nossos alunos vejam essa continuidade e desenvolvam esse relacionamento com um cliente, porque então eles também podem ver: 'Oh, uau, eu fiz isso'”, disse ela. “É importante para eles verem o valor do que fazem. Eles não estão apenas aprendendo, eles estão realmente ajudando outra pessoa e podem ver a diferença que eles fazem.”

O programa espera atender a uma necessidade não atendida na comunidade.

Os cuidadores familiares fornecem 80% de todos os cuidados de longo prazo nos Estados Unidos, de acordo com o Departamento de Serviços de Envelhecimento e Longo Prazo. A cada ano, 419,000 Novos Mexicanos fornecem mais de 274 milhões de horas de cuidados familiares não remunerados, muitas vezes com pouco ou nenhum treinamento sobre como fornecer esse cuidado, enquanto ainda cuidam de si mesmos. Em média, esses cuidadores familiares dedicam em média 18 horas semanais às tarefas de cuidado.

A demanda por cuidadores familiares também deve aumentar à medida que a população do estado envelhece. A população de 80 anos ou mais do Novo México deverá crescer 81% até 2030.

Um milagre de milímetros

LER
MAIS

Um neurocirurgião reflete sobre a proximidade de um paciente com o desastre [Aviso: imagem gráfica]

Bowers segurando os polegares com o paciente.
Cirurgia mostrando fragmento de bala.
Ferida fechada.

Um milagre de milímetros

Os resultados neurocirúrgicos muitas vezes dependem da mais fina das margens Por Christian Bowers, MD

Cresci obcecado por esportes.

Uma das minhas coisas favoritas sobre esportes é que as competições são ganhas ou perdidas nas margens mais estreitas. Um único milímetro pode ser a margem de vitória ou derrota, e essa mesma margem é igualmente verdadeira no mundo "real".

Na medicina – e especialmente no trauma e na neurocirurgia – a sobrevivência, a vida e a morte, ou a diferença entre a deficiência permanente ou a recuperação total normal, também é uma questão de milímetros.

Na primavera passada, meu paciente foi atingido na nuca com uma bala enquanto dirigia. Milagrosamente, a bala percorreu um dos únicos caminhos estreitos na parte de trás do cérebro que é um pouco seguro.

Se a bala tivesse penetrado alguns milímetros mais fundo, ele teria morrido. Se a bala tivesse viajado alguns milímetros mais alto e mais para a frente, ele teria ficado paralisado permanentemente. Um pouco mais para o meio do cérebro e ele teria perdido metade da visão.

O caminho que a bala tomou foi realmente milagroso! Este jovem incrível teve o melhor resultado possível.

Sou grato por nossa incrível equipe de trauma no Hospital UNM – tantas vidas salvas pelo único centro de trauma de nível I do estado! Sou grato pela pequena parte que podemos desempenhar para salvar nossos pacientes.

A vida, como os esportes, é um jogo de milímetros. Devemos sempre dar o nosso melhor, porque as margens entre o sucesso e o fracasso, a vida e a morte, a recuperação total normal ou a deficiência permanente, são muito finas e muitas vezes compostas por alguns milímetros.

Assim, nosso melhor esforço nos permite focar no que podemos controlar, orar a Deus e esperar o melhor com todas as coisas fora de nosso controle.

 

Ferida fechada.

Habilidades Elevadas

O Centro Internacional de Medicina de Montanha da Universidade do Novo México atrai socorristas e médicos de todo os EUA para treinamento exclusivo em ambientes austeros

LER
MAIS

FECHAR

Habilidades Elevadas

Os provedores aprimoram os métodos de resgate no interior para obter o diploma de medicina de montanha da UNM Por Michael Haederle

Estudante descendo a montanha de rapel.Em uma encosta íngreme logo abaixo de Sandia Crest um grupo de médicos, enfermeiros, paramédicos e assistentes médicos se reuniram sob um dossel de álamos e abetos para aprender sobre resgate de alto ângulo na natureza.

É um exercício de cordas e confiança.

Trevor Mayschak, paramédico e professor sênior do Centro Internacional de Medicina de Montanha da Universidade do Novo México, e sua colega Angela Martz, médica assistente, estão demonstrando como ancorar e montar cordas de escalada para transportar pessoas feridas para um local seguro.

Martz demonstra como, com o uso de uma intrincada série de polias e nós, ela pode mover Mayschak ladeira acima com o mínimo de esforço.

Alguns metros mais abaixo, o chão desce abruptamente – uma queda de 30 ou 40 pés. “As pessoas ocasionalmente caem nesta faixa do penhasco e precisam de resgate”, diz Mayschak com naturalidade.

Ele questiona o grupo, tremendo no ar da manhã a uma altitude de quase 10,600 pés, sobre as melhores árvores para usar como âncoras de corda (ele desaconselha os álamos, que têm sistemas de raízes rasos). “No que diz respeito às âncoras, não é ótimo”, diz ele. “Não se contente apenas com algo grande e conveniente.”

O grupo de 18 prestadores de serviços médicos – a maioria de fora do estado – está no meio de um curso de verão de nove dias a caminho de obter um diploma em Medicina de Montanha. Durante a visita, eles praticarão procedimentos para tratar e transportar pacientes feridos em ambientes remotos, juntamente com diversas habilidades alpinas e técnicas de resgate de helicóptero.

A maioria dos participantes já tem alguma experiência em resgate na natureza, Mayschak diz mais tarde.

“Exigimos um nível básico real de especialização, para que, quando os colocamos no terreno, eles não fiquem sobrecarregados”, diz ele, observando que o curso mistura habilidades técnicas de montanhismo com foco no atendimento em ambientes austeros. “O objetivo final é que eles integrem os dois aspectos em uma operação de resgate.”

A UNM recebeu pela primeira vez o credenciamento internacional por seu programa de medicina austera e de montanha em 2011, e o Centro Internacional de Medicina de Montanha foi estabelecido em 2016 dentro do Departamento de Medicina de Emergência da UNM, diz Jason Williams, diretor do centro.

O diploma de Mountain Medicine é um dos poucos oferecidos nos EUA, diz Williams, e em 2017 o programa começou a colaborar com a equipe de resgate de helicóptero do escritório do xerife do condado de Bernalillo – o que o diferencia, permitindo que os socorristas alcancem e recuperem pessoas de locais inacessíveis . “Somos o único programa nos EUA que tem um componente robusto de helicóptero”, diz ele.

Hoje, o centro tem uma equipe em tempo integral, juntamente com oito médicos afiliados e assistentes médicos. O programa de diploma tem componentes de verão e inverno, juntamente com um componente robusto de aprendizado online, diz ele.

Aaron Reilly, DO, médico de emergência do UNM Sandoval Regional Medical Center, também atua como diretor médico da equipe Reach and Treat da UNM, que auxilia em resgates em áreas selvagens em todo o Novo México. Emergências típicas do interior incluem lesões musculoesqueléticas de acidentes de escalada e quedas, fadiga, desidratação e hipotermia, diz ele.

A prioridade no tratamento de lesões na natureza é evacuar com segurança e rapidez um paciente para que ele possa receber o tratamento adequado. “A medicina é a mesma, independentemente de onde você esteja”, diz ele. “Você vai fazer as coisas um pouco diferente do que quando alguém entra no departamento de emergência.”

Blair Anderson, enfermeira de voo de Morganton, Carolina do Norte, começou como voluntária em um corpo de bombeiros local e se apaixonou pelo resgate na natureza. Ela ficou sabendo do curso da UNM por meio de uma amiga que passou por ele há dois anos.

“Gostei da parte prática”, diz ela. “Esta é a altitude mais alta em que já estive.”

Jason Williams diz que ele e seus colegas esperam chegar às montanhas sempre que puderem. “Eles compartilham o amor pelo ar livre e pela medicina e nós os misturamos – e eles estão muito felizes”, diz ele.

Prescrição Social

Os médicos da UNM estão cada vez mais recorrendo ao Twitter e outras plataformas para se comunicar com pacientes e colegas

Tiro na cabeça de Christian Bowers.

Christian Bowers, MD, professor associado do Departamento de Neurocirurgia da UNM
“Tenho três propósitos principais para minha conta. Quero mostrar às pessoas o trabalho de neuro-oncologia/tumor cerebral de alta qualidade que fazemos aqui na UNM. Quero ensinar os pacientes antes da cirurgia. Mostro vídeos de casos anteriores, etc., e depois eles usam como recurso e aprendem sobre as cirurgias que faço. Também estou tentando destacar nossa pesquisa e construir seguidores com estudantes de medicina, já que essa é uma grande área e foco para mim.”

Tiro na cabeça David Chafey.

David Chafey, MD, professor associado do Departamento de Ortopedia e Reabilitação da UNM
“Entrei no Twitter porque estava em uma de nossas associações profissionais e me tornei diretora de programa de um evento. Abriu muitas conexões de rede que se tornaram ainda mais valiosas durante a pandemia e não pudemos viajar. As velhas formas de ficar conectado e conhecer pessoas em uma conferência e networking não eram tão disponíveis. Eu uso o Twitter para educação, advocacia e orientação. Abriu oportunidades do mundo real para mim. Já dei palestras virtuais em três países. Tenho convites pendentes para viajar, graças a essas oportunidades. Eu tive alunos conectados com outros alunos.”

Tiro na cabeça de Nestor Sosa.

Nestor Sosa, MD, Chefe, Divisão de Doenças Infecciosas da UNM
“Meu principal público é do meu país Panamá, então a grande maioria dos meus posts são em espanhol. A maior parte do que posto está relacionada à educação, centrada na pandemia, para combater a desinformação e esclarecer importantes mensagens científicas ou de saúde pública. Participo regularmente de entrevistas na TV para o Panamá e escrevo um editorial mensal sobre temas médicos e científicos em espanhol para o jornal mais importante do Panamá, então costumo retweetar trechos dessas entrevistas e publicações para aumentar o efeito educacional.”

Paixão e Propósito

Para uma aluna, um diploma em Saúde da População oferece a oportunidade de atender às necessidades de saúde de seus colegas Novos Mexicanos

LER
MAIS

Rylee Brachle usando laptop na mesa do pátio ao ar livre.

FECHAR

Paixão e Propósito

Uma estudante do College of Population Health compartilha sua história Por Rylee Brachle

A incerteza da pandemia pode ter mudado várias coisas na minha vida, mas eu sabia que sempre quis entrar na área da saúde. Consegui terminar o ensino médio um ano antes e também recebi meu associado de artes em artes liberais do San Juan College em Farmington, NM, em maio de 2020.

Comecei o processo de inscrição nas faculdades em outubro de 2019, mas tinha certeza de que queria cursar a UNM. Minha mãe é formada pela UNM, e vê-la receber seu mestrado tem sido minha inspiração para continuar minha educação. Quando quis me decidir por uma especialização, comecei a pesquisar na página da UNM. Eu vi “Saúde da População” e fiquei curioso.

Quando participei de minha turnê na UNM, conversei com meu atual orientador acadêmico, Danny Noreiga-Lucero. Ele compartilhou mais informações sobre o programa de graduação, e eu sabia que seria o diploma perfeito para mim.

Minha coisa favorita sobre estar no College of Population Health é trabalhar com instrutores que são realmente especialistas em seu campo. Aprecio que os cursos são muito diversificados e representam verdadeiramente o campo da saúde da população. Pude aprender epidemiologia, políticas públicas, biologia da saúde da população, finanças da saúde e muito mais. As turmas são pequenas e você pode percorrer o programa com seus colegas. Construí fortes conexões que levarei para minha futura carreira.

Depois de receber meu bacharelado em Saúde da População em dezembro, pretendo me inscrever no programa de Assistente de Médico da UNM. Eu gostaria de trabalhar como provedor de psiquiatria nas áreas carentes do estado, para lidar com transtornos por uso de opióides e álcool. O College of Population Health me forneceu habilidades para abordar as várias áreas da saúde e a paixão de servir no Novo México.

Capturando cada última célula

LER
MAIS

A Dra. Rita Serda está em busca de ativar o sistema imunológico para procurar e destruir células cancerígenas - e isso pode ser um divisor de águas

Células T atacando uma célula cancerosa.
Células dendríticas com vacina dentro.

Capturando cada última célula

Rita Serda desenvolve uma nova tecnologia para criar vacinas personalizadas para o cancro metastático Por Michele Sequeira

Durante seus estudos de pós-graduação na Universidade do Novo México, Rita Elena Serda, PhD, trabalhou com um professor que morreu de câncer. Essa experiência a fez pensar em como ela gostaria que seus entes queridos fossem tratados se eles fossem diagnosticados com câncer.

“Eu gostaria de algo que eliminasse todo o câncer”, diz ela. E então ela concentrou sua pesquisa em imunoterapia.

“Se você é capaz de fazer com que o corpo faça uma resposta imune para matar o câncer”, ela diz, “essa é sua chance de se livrar de todas aquelas células cancerosas metastáticas, aquelas que não podemos controlar agora”.

Depois de obter seu doutorado na UNM, Serda trabalhou no Houston Methodist e no Baylor College of Medicine, no Texas. Lá, ela desenvolveu nanopartículas porosas que ativaram o sistema imunológico usando técnicas de fotolitografia em wafers de silício.

Serda retornou ao Novo México 10 anos depois e trabalhou com Jeffrey Brinker, PhD, e Sarah Adams, MD, no UNM Comprehensive Cancer Center. Usando o processo de fabricação de nanopartículas de Brinker e células de câncer de ovário que Adams obteve, Serda desenvolveu novos métodos para fazer nanopartículas de sílica de imunoterapia e preservar células cancerígenas usando a sílica mineral.

As células cancerosas notoriamente evitam o sistema imunológico, disfarçando-se como objetos benignos. Os sistemas imunológicos enfraquecidos permitem que as células cancerosas disfarçadas cresçam e se multipliquem, e também lutam para livrar o corpo do câncer porque – mesmo dentro da mesma pessoa – um único tumor pode ter células cancerígenas que diferem em suas mutações.

“O câncer é diferente de pessoa para pessoa e até dentro da mesma pessoa”, diz Serda. “Não podemos direcionar apenas uma proteína porque existem diferentes mutações em diferentes células cancerígenas”.

As imunoterapias personalizadas da Serda revelam simultaneamente células cancerosas ao sistema imunológico e abraçam sua heterogeneidade.
Para fazer sua imunoterapia baseada em células, Serda reveste as células cancerígenas de um paciente com sílica e, em seguida, altera as superfícies das partículas para fazer com que o sistema imunológico perceba. Seu processo preserva as proteínas das células cancerígenas e ativa as células imunológicas do corpo, que é a chave para sua eficácia.

Normalmente, as células dendríticas do sistema imunológico atuam como catadores, diz Serda. Eles encontram e internalizam células estranhas, quebram-nas e depois mostram as peças – chamadas antígenos – para as células T do sistema imunológico, ativando-as.

As células T então se multiplicam e vagam pelo corpo. Quando reconhecem uma célula estranha, eles a eliminam matando-a diretamente ou induzindo-a a um processo de autodestruição controlado chamado apoptose.

Em seu mais recente estudo publicado em Engenharia Biomédica da Natureza, Serda e sua equipe mostraram que as células dendríticas engolfam as células cancerosas silicificadas inteiras. Suas imagens também mostraram que a célula cancerosa dentro de cada partícula de sílica permanece intacta até que a célula dendrítica a destrua.

“A imagem é superimportante para mim”, diz Serda. “Isso me dá muita motivação na minha pesquisa.”

Usando recursos compartilhados de histologia, microscopia de fluorescência e citometria de fluxo através do UNM Cancer Center, a equipe de Serda conseguiu isolar células dendríticas e escaneá-las. Usando as varreduras, eles criaram representações tridimensionais que lhes permitiram tirar imagens cortadas que mostram as células silicificadas intactas dentro de uma célula dendrítica antes que a célula dendrítica a desmonte.

Os antígenos de câncer exclusivos que as células dendríticas apresentam às células T permitem que as células T reconheçam esse tipo de célula cancerosa. E como cada célula silicificada tem diferentes antígenos cancerígenos, o sistema imunológico pode ser treinado para reconhecer a vasta gama de células cancerígenas naquela pessoa.

Mas Serda descobriu que simplesmente revestir as células cancerígenas com sílica nem sempre era suficiente para estimular um sistema imunológico tolerante ao câncer à ação. Ela precisava de uma maneira de garantir que as células silicificadas produzissem uma resposta forte, então ela se voltou para as moléculas microbianas.

Serda anexava moléculas bacterianas às superfícies das células silicificadas, fazendo com que parecessem células bacterianas. No artigo, sua equipe mostrou que essa adição induziu uma resposta muito mais forte do sistema imunológico.

Os estudos pré-clínicos de Serda mostram que uma vez que uma forte resposta imune é induzida, a imunidade dura muito tempo. Esses estudos foram realizados em camundongos usando células cancerígenas de camundongo.

O próximo passo, diz Serda, é demonstrar que as células silicificadas são seguras para as pessoas. Embora ela esteja trabalhando com sua empresa, Enchantment Pharmaceuticals, e a Food and Drug Administration dos EUA para desenvolver o plano de testes, os primeiros ensaios clínicos ainda estão longe.

Muitas das imagens científicas de Serda estão disponíveis publicamente através do National Cancer Institute (NCI). Uma imagem ganhou o concurso NCI Cancer Close Up e foi publicada no O Washington Post. Outro adorna um selo postal. As imagens impressionantes mostram células imunes atacando células cancerosas e devorando-as, matando-as ou induzindo apoptose nelas.

“Adoro fotografia e imagem”, diz Serda. Capturar imagens enquanto ela está realizando pesquisas a motiva. “É a minha maneira de ser artística no laboratório.”

“As vacinas contra o câncer de células tumorais silicificadas criogenicamente funcionalizadas com padrões moleculares associados a patógenos” foram publicadas na edição on-line de 1º de novembro de 2021 da Nature Biomedical Engineering. Os autores são: Jimin Guo, Henning de May, Stefan Franco, Achraf Noureddine, Lien Tang, CJ Brinker, Donna F. Kusewitt, Sarah F. Adams e Rita E. Serda. O trabalho foi apoiado pelo UNM Comprehensive Cancer Center, NIH conceder NCI P30118100 (PI Willman, C.), e também pelo centro AIM, NIH conceder P20GM121176.

Células dendríticas com vacina dentro.

Educação Substancial

Estudantes da Faculdade de Farmácia da UNM se unem para educar o público sobre os perigos do vício com a Operação Abuso de Substâncias

LER
MAIS

Devin Signs, Noah Santiestevan e Jovena Cleary em camisetas da Farmácia Lobos sorrindo.

FECHAR

Educação Substancial

Estudantes da Faculdade de Farmácia alertam os novos mexicanos para os perigos das substâncias viciantes Por Noah Santistevan

Estudante de farmácia falando no museu histórico de farmácia.A Operação Transtorno por Uso de Substâncias é uma iniciativa liderada por estudantes da Faculdade de Farmácia da Universidade do Novo México, que visa educar o público sobre qualquer substância que possa ser abusada ou mal utilizada. Isso inclui dependência física, dependência mental, uso indevido de álcool, uso indevido de opióides e uso indevido de tabaco, bem como uso indevido de substâncias ilegais.

Nossa equipe é composta por três alunos do terceiro ano de Farmácia: Devin Signs, Jovena Cleary e eu. Juntei-me ao projeto por causa do impacto proeminente que ele tem na comunidade.

Já tivemos eventos no Walmart, onde discutimos com o público o motivo pelo qual os medicamentos precisam ser descartados com segurança. Também contatamos vários pacientes e vimos sua satisfação com o conhecimento que adquiriram.

Minha experiência em primeira mão com a iniciativa de transtorno por uso de substâncias foi maravilhosa. Tenho visto a emoção nos alunos quando discutimos a oportunidade de treiná-los na administração de naloxona, por exemplo.

Aluno segurando o tablet.O transtorno por uso de substâncias no Novo México está em níveis epidêmicos. Temos um uso excessivo de álcool, opióides, cannabis e praticamente todas as outras substâncias. Com o conhecimento que adquiri na minha formação, bem como através desta iniciativa, pude conversar com familiares, colegas e alunos sobre a importância deste problema.

Precisamos continuar a trabalhar para educar o público sobre a prevalência dessas diferentes substâncias sendo abusadas. Estudantes do ensino médio e universitários abusam do álcool para lidar com o estresse.

Em nosso alcance, também abordamos o gerenciamento do estresse. Estamos trabalhando para educar o público sobre a utilização de diferentes técnicas para lidar com o estresse. Em vez de recorrer ao álcool, eles podem tentar fazer exercícios, meditar ou se comunicar com amigos.

Com a educação vem o conhecimento. Em vez de tentar educar o público com táticas de intimidação, podemos expressar nossa preocupação por meio da educação e ajudar o público a entender por que nos preocupamos com seu bem-estar. O público crescerá em conhecimento, o que lhe permitirá educar seus familiares e amigos.

Três estudantes de farmácia juntos sorrindo no museu de farmácia.Da experiência em primeira mão, vim a ver a importância de educar o público sobre o transtorno por uso de substâncias.

Há muito pouca consciência sobre o que significa ter um transtorno por uso de substâncias, e há pouco conhecimento de como uma substância força o corpo a se tornar fisicamente dependente dela.

Continuaremos trabalhando para atender às necessidades de nosso estado quando se trata de abuso de substâncias.

Parceiros intensivos

LER
MAIS

O Centro de Cuidados Intensivos para Adultos da Universidade do Novo México usa um modelo inovador para reunir especialistas de todas as disciplinas para salvar vidas

Michelle Harkins gesticulando com as mãos enquanto fala.
Jon Marinaro e Michelle Harkins passando pela janela decorada com as palavras Obrigado.
Jon Marinaro escrevendo na janela com hidrocor.

Parceiros intensivos

Equipe interdisciplinar do Centro de Cuidados Intensivos para Adultos da UNM oferece aos pacientes a melhor chance de recuperação Por Alex Sanchez e Michael Haederle

FECHAR

O Centro de Cuidados Intensivos para Adultos da Universidade do Novo México usa um modelo inovador para reunir especialistas de todas as disciplinas para salvar vidas

Os médicos costumam falar da “hora de ouro” como uma janela para fornecer cuidados vitais para os pacientes trouxe um departamento de emergência. No movimentado centro de trauma de Nível I do Hospital UNM, esse atendimento é fornecido por uma equipe altamente experiente de médicos, enfermeiros e técnicos.

O que vem a seguir – um período às vezes descrito como o “dia de prata” – é igualmente importante, pois pacientes muito doentes são transferidos para terapia intensiva para serem tratados por médicos do UNM Center for Adult Critical Care.

“Se, nas primeiras 24 horas, você não for ressuscitado, sua mortalidade em 30 dias é massivamente maior”, diz Jon Marinaro, MD, professor e co-chefe, juntamente com Michelle Harkins, MD, professora do Departamento de Medicina Interna, do Centro de Cuidados Intensivos para Adultos.

A ressuscitação, neste caso, significa gerenciar várias condições e restaurar a função completa dos órgãos do paciente, evitando insuficiência renal, cerebral e pulmonar, diz Marinaro.

O Centro de Cuidados Intensivos para Adultos é um recurso interdisciplinar exclusivo, reunindo 55 médicos de cuidados intensivos de seis departamentos da Faculdade de Medicina da UNM: Anestesia e Medicina de Cuidados Intensivos; Cirurgia; Medicina Interna; Medicamento de emergência; Neurocirurgia e Neurologia.

Estabelecido pela primeira vez em 2015, o modelo organizacional do centro permite que médicos de diferentes especialidades treinam e trabalham juntos para atender às necessidades médicas agudas dos pacientes – e isso se traduz em melhores resultados, diz Marinaro.

Harkins concorda. "Com a diversidade em nosso treinamento, podemos aprender uns com os outros e fornecer excelentes cuidados intensivos", diz ela. "Somos um grupo muito mais colaborativo do que nunca."

Os membros da equipe se reúnem periodicamente para revisar estatísticas e métricas e construir pontes interdisciplinares. "Trabalhando juntos como uma equipe, podemos atender às necessidades dos pacientes", diz ela. "Em outras instituições é muito mais territorial. Estamos juntos para cuidar dos pacientes."

Steve McLaughlin, MD, presidente do Departamento de Medicina de Emergência, diz que o Hospital UNM, com o único centro de trauma de Nível I no estado, tem vários recursos exclusivos que contribuem para um profundo conjunto de talentos em cuidados intensivos.

“O fato de sermos um centro de trauma, e o fato de sermos o centro de referência para todos os pacientes realmente complicados e doentes no estado do Novo México, cria uma concentração aqui de ambos os pacientes sob nossos cuidados, mas também provedores que estão realmente comprometidos em fornecer esse alto nível de atendimento ao trauma e altos níveis de outros tipos de cuidados intensivos”, diz ele.

“Isso realmente nos permitiu focar nisso na instituição, e acho que a missão da instituição é uma das coisas que atraiu tantas pessoas talentosas. Nosso grupo de terapia intensiva aqui é realmente fenomenal. Estamos recrutando pessoas de alguns dos melhores programas do país para vir aqui no Novo México para fazer parte deste grupo.”

Acrescenta Marinaro, “Os cuidados intensivos na Universidade do Novo México realmente se destacaram”.

Jon Marinaro escrevendo na janela com hidrocor.

Resolvendo quebra-cabeças pandêmicos

Pesquisadores do único centro de saúde acadêmico do Novo México lançaram mais de 137 estudos – incluindo 24 ensaios clínicos – relacionados à pandemia de COVID-19

LER
MAIS

Tiro na cabeça Walter Dehority.

FECHAR

Resolvendo quebra-cabeças pandêmicos

Pesquisadores do HSC enfrentam questões científicas espinhosas sobre o COVID-19 Por Michael Haederle

Dois anos de pandemia de COVID-19, O Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Novo México aproveitou seus pontos fortes como centro acadêmico de saúde para lançar mais de 137 estudos – incluindo 24 ensaios clínicos – relacionados ao coronavírus SARS-CoV-2.

O trabalho abrangeu todo o espectro, desde a caracterização de variações genômicas emergentes no vírus e a avaliação dos protocolos de segurança do COVID em ambientes clínicos até análises computacionais de medicamentos existentes para possíveis terapias antivirais.

Dois estudos em particular se destacaram por seu impacto na comunidade em geral: um teste nacional da vacina Moderna em crianças de 12 anos ou menos e um estudo financiado pelo National Institutes of Health de pacientes com sintomas persistentes de “Long COVID” o Researching COVID to Enhance Recovery (RECUPERAR) Iniciativa.

Tiro na cabeça Hengameh RaissyOs projetos, coordenados pelo UNM Clinical & Translational Science Center (CTSC), basearam-se na capacidade demonstrada do HSC de inscrever uma coorte diversificada de pacientes, incluindo participantes hispânicos e índios americanos, disse Hengameh Raissy, PharmD, vice-presidente de pesquisa do Departamento de Pediatria, que atua como investigador co-principal do RECOVER e lidera a Network Capacity do CTSC.

“As minorias têm sido historicamente sub-representadas em ensaios de pesquisa clínica”, disse Raissy. “Nosso objetivo é se inscrever para incluir a diversidade nas populações do estudo, a fim de ter generalização da pesquisa para a população.”

O teste KidCOVE da vacina Moderna começou com a inscrição de 65 crianças do Novo México com idades entre 6 e 12 anos, disse Walter Dehority, MD, MSc, especialista em doenças infecciosas e professor associado do Departamento de Pediatria da UNM, que atua como investigador principal do estudo.

Vacinar crianças “tem enormes implicações para a abertura de escolas”, diz ele. “Muitos professores podem não se sentir à vontade para voltar ao aprendizado presencial, mas poderiam se soubessem que as crianças que estavam ensinando estavam imunizadas. O mesmo se aplicaria a outras atividades juvenis, como esportes."

Dehority aponta que mesmo que o impacto mais severo da doença seja observado em adultos, algumas crianças ficam gravemente doentes.

“Durante a epidemia de COVID, tivemos quatro ou cinco crianças no hospital em um determinado momento, e muitas vezes eles estão na unidade de terapia intensiva”, diz ele. “Por que crianças do Novo México na UTI com doenças relacionadas à COVID todos os dias se pudéssemos prevenir isso?”

Além disso, vacinar crianças também tornará os membros adultos da família que podem estar em risco de COVID (como avós) mais confortáveis ​​e seguros quando estiverem perto dos jovens.

A UNM é uma das dezenas de locais em todo o país que participam do estudo KidCOVE, que visa matricular cerca de 7,000 crianças e acompanhá-las por cerca de 14 meses, disse Dehority.

No estudo controlado randomizado, duplo-cego, as crianças recebem um placebo ou a primeira dose da vacina Moderna mRNA-1273 quando se inscrevem, e retornam cerca de um mês depois para a segunda dose, disse ele.

Pais e filhos são solicitados a retornar à clínica UNM CTSC para testes de acompanhamento nos meses subsequentes, e haverá pelo menos duas visitas com a equipe de pesquisa após cada injeção.

As próximas duas fases do teste, que devem começar no final do outono, incluem crianças de 6 meses a 5 anos de idade.

Co-investigadores adicionais no estudo incluem Raissy e colegas membros do corpo docente de Pediatria Chandler Todd, MD, e Matthew Kadish, MD.

A partir da primavera passada, o NIH convidou centros de saúde acadêmicos a desenvolver protocolos para o estudo RECOVER, que espera inscrever mais de 17,000 pacientes em instituições de todo o país para estudar Long COVID - também conhecido como Sequelas Pós-Agudas de SARS-CoV2 (PASC ).

O Centro de Ciências da Saúde da UNM espera matricular 200 adultos e 200 crianças, incluindo pessoas que já apresentam sintomas e recém-diagnosticadas com COVID-19, disse Raissy.

De acordo com o NIH, os sintomas longos do COVID podem incluir fadiga contínua, falta de ar, “nevoeiro cerebral”, distúrbios do sono, febres, sintomas gastrointestinais, ansiedade e depressão. Os sintomas podem persistir por meses, variando de leves a incapacitantes. Em alguns casos, novos sintomas surgem bem após o momento da infecção ou evoluem com o tempo.

Os estudos buscam uma melhor compreensão de quantas pessoas continuam a ter sintomas de COVID-19 (ou desenvolvem novos sintomas) e quais podem ser as causas biológicas subjacentes. Isso pode fornecer informações sobre o que torna algumas pessoas vulneráveis ​​a esses sintomas – e se eles aumentam o risco de outras condições, como distúrbios cardíacos ou cerebrais crônicos.

"Ele está tentando determinar quem desenvolve PASC", disse Michelle Harkins, MD, professora de Medicina Interna e co-investigadora principal do estudo com adultos. "Existem tratamentos que realmente atenuam no início ou ajudam com os sintomas mais tarde?"

Os estudos incluirão uma análise detalhada dos prontuários médicos, bem como uma extensa triagem diagnóstica, como exames de sangue e tomografias e ressonâncias magnéticas, para reunir o máximo de informações possível sobre cada paciente e seus sintomas, disse Raissy.

“Esta é uma grande colaboração entre o Centro de Ciências Clínicas e Translacionais, que se candidatou ao estudo, o Hospital UNM e os Departamentos de Pediatria, Medicina Interna, Neurologia, Medicina de Emergência e Psiquiatria e Ciências Comportamentais”, disse ela.

Outros pesquisadores para o estudo de adultos incluem Alisha Parada, MD, professor associado de Medicina Interna, Davin Quinn, MD, professor de Psiquiatria e Ciências Comportamentais, e Elyce Sheehan, MD, professor assistente de Medicina Interna.

Walter Dehority é co-investigador principal no braço pediátrico, com investigadores adicionais Matthew Kadish e Jerry Larrabee, MD, MEd, professor de Pediatria.

Divulgando a palavra

O Projeto ECHO tem uma visão única para melhorar os resultados da saúde em comunidades em todo o mundo

LER
MAIS

FECHAR

Divulgando a palavra

Como o Project ECHO aproveita a sua rede para melhorar os cuidados de saúde Por Michael Haederle

Projeto ECHO, Universidade do Novo México iniciativa de tele-mentoria de assinatura, tem um histórico impressionante de fornecer intervenções eficazes que melhoraram os resultados de saúde em comunidades em todo o mundo.

A partir de setembro de 2020 – no auge da pandemia de COVID-19 – o ECHO executou um programa de 12 meses em nome da Agency for Healthcare Research and Quality (AHRQ) para trabalhar com lares de idosos dos EUA para reduzir a propagação do coronavírus nas suas instalações.

“Este é um projeto incrível”, disse Nancy Hood, diretora de pesquisa e avaliação do ECHO. De acordo com os dados da AHRQ, os 99 centros parceiros do ECHO ofereceram formação a 9,058 lares de idosos – 59% dos 15,400 estabelecimentos elegíveis.

O objetivo era fornecer um currículo elaborado pelo Institute for Healthcare Improvement para reduzir os riscos para algumas das pessoas mais vulneráveis. Quase 32,000 funcionários de casas de repouso participaram, e as instalações participantes abrigavam cerca de 1.7 milhão de residentes.

“A coisa mais empolgante sobre o projeto do lar de idosos foi que ele manteve a pequena interação bidirecional, proporcionando aprendizado entre pares em um ambiente seguro e confiável”, disse Hood. “Este era um ambiente onde eles podiam aprender uns com os outros e falar sobre seus desafios e obter as informações mais atualizadas.”

Joanna Katzman, MD, diretora médica do Programa de Dor, Uso de Substâncias e Saúde Pública do Projeto ECHO, é especialista em reduzir a dependência de medicamentos para tratar a dor crônica. Ela fez parceria com a Agência de Saúde de Defesa em um projeto de quatro anos para treinar médicos do Exército e da Marinha no controle da dor e prescrição de opióides.

Os pacientes em que os médicos receberam o treinamento viram uma queda acentuada no número de novas prescrições de opióides sendo escritas para seus pacientes, em comparação com pacientes cujos provedores não receberam o treinamento. “Os médicos que estavam sendo treinados via ECHO não estavam prescrevendo novas prescrições de opióides e não iniciando todo esse tratamento”, disse Katzman.

O grupo de pacientes variou de 18 a 64 anos, mulheres e homens, atendidos em clínicas militares de saúde em todo o mundo. “Estudamos não apenas militares ativos, mas também beneficiários, dependentes e aposentados”, disse Katzman. “Tentamos apresentar uma abordagem integrativa. O objetivo não é apenas ensinar por que os opiáceos são ruins para dar aos médicos alternativas sobre como lidar com esses pacientes”.

Ela acrescenta: “Ao treinar os médicos, você pode mudar o comportamento do provedor, o que pode afetar o atendimento ao paciente. Isso é realmente o que estamos mostrando.”

O pneumologista da UNM Akshay Sood, MBBS, MPH, especializado no tratamento de mineiros para doença pulmonar negra e pneumoconiose, trabalhou com o Miners' Colfax Medical Center em Raton, NM, para criar um tele-ECHO para treinar médicos rurais para cuidar de uma onda de novos pacientes.

“O programa oferece tele-orientação longitudinal para profissionais que cuidam de mineradores”, disse Sood. “Ele se concentra em populações carentes e atende a uma necessidade rural que está surgindo. Até onde sabemos, é um dos poucos programas que se concentra em doenças ocupacionais.”

Após as sessões que se desenrolaram ao longo de um período de 12 meses em 2018 e 2019, os médicos participantes, prestadores de cuidados e outros relataram uma autoeficácia significativamente maior no tratamento da doença pulmonar dos mineiros.

O programa foi “uma parceria genuína entre uma universidade e uma instituição de saúde comunitária rural”, diz Sood. “Não existe um instituto que tenha todas as habilidades necessárias para cuidar dos mineiros.”

Também ajudou o fato de as apresentações terem sido feitas por especialistas no Novo México.

“A transferência de conhecimento vindo de áreas rurais é mais eficaz do que a transferência de conhecimento vindo de áreas urbanas”, disse ele. “O ECHO é uma ferramenta muito poderosa para as pessoas nas zonas rurais.”

Enfrentando os fatos

Em meio a ceticismo e incerteza generalizados, uma mãe pondera se deve inscrever seu filho em um teste de vacina COVID

LER
MAIS

Mão de criança pequena em sapatos de patrulha pata.

FECHAR

Enfrentando os fatos

Uma mãe avalia as evidências na decisão de inscrever seu filho em um ensaio de vacinação COVID

O relógio marca 11h30

Só estou dormindo há duas horas, mas de repente estou bem acordado - e é mais do que o ronco do meu filho vindo do monitor do bebê que deixa meu cérebro energizado. É a ideia de que em poucas horas irei levar meu filho de 2 anos, a coisa mais preciosa que tenho no mundo, a um centro de pesquisa para fazer parte do ensaio da vacina Moderna COVID.

Abro meus e-mails e faço a varredura para encontrar o formulário de consentimento eletrônico enviado para mim dias antes. Já sei o que está nas 32 páginas - a criança receberá um quarto da dose de um adulto, as reações comuns incluem erupção na pele, dor e febre, etc. Depois, há a seção sobre reações raras. Miocardite e pericardite - inflamação do coração - são vistas principalmente em meninos pré-adolescentes e adolescentes. Sei que é muito raro e que todos os casos vistos até agora se resolveram naturalmente, mas tudo isso sai pela janela quando penso em meu filho e em sua segurança.

Bem na hora em que minha respiração está acelerando, eu paro e fecho meus olhos. Eu acredito na ciência, fui vacinada - grávida de oito meses, nada menos, do nosso filho - meu marido está vacinado, e os riscos de COVID são maiores do que a vacina. É engraçado dizer, mas repetir os fatos que sei sobre a vacina na minha cabeça me conforta.

Parece um piscar de olhos entre ficar deitada na cama repetindo esses fatos para mim mesma e abrir as portas da clínica e me inscrever. "Estamos aqui para o julgamento da Moderna", digo, tentando equilibrar minha bolsa, bolsa de fraldas e um 2 -ano de idade que insistiu em ser carregado.
De volta à sala, uma coordenadora de pesquisa entra e se apresenta. Ela será minha parceira nisso e supervisionará a participação de meu filho no julgamento. Ela é paciente comigo e eu sou grato. Eu faço algumas perguntas e confirmo que li o formulário de consentimento. Eu deixo de fora que li cerca de uma centena de vezes.

Exame físico, cotonete nasal, coleta de sangue - e então o grande momento. Ela repassa o pedido e o que esperar. Seu parto é reconfortante e, embora ela me diga que não tem filhos, está claro que ela se preocupa profundamente com os filhos e as crianças neste julgamento.

“Cento e quatorze”, ela me diz. Esse é o número dele - meu doce garotinho amante do Paw Patrol será identificado como este número pelos próximos 394 dias, a duração do julgamento.

UNM Health Sciences é apenas um dos 88 locais selecionados para conduzir esses testes em crianças. Eles já tiveram uma coorte bem-sucedida em crianças de 5 a 11 anos antes de a Food and Drug Administration (FDA) aprovar a vacina Pfizer para uso de emergência há algumas semanas. Crianças de 6 meses a 5 anos são as próximas - e é assim que acabamos aqui hoje. Como funcionária da UNM, estou animada com este julgamento, mas como mãe é assustador.

O tiro é rápido: algumas lágrimas e então ele está bem, voltando a assistir seu tablet e jogar. Há uma chance de 3 em 4 de a seringa conter a vacina Moderna, com o placebo sendo apenas solução salina. Não saberemos por mais de um ano, mas estarei à procura nos próximos dias para os sinais reveladores de que ele conseguiu o negócio real.

Essa sensação avassaladora de alívio toma conta de mim. Eu sei que fiz a coisa certa pelo meu filho. Consultei seu pediatra e confiei em seus conselhos. Também sei que nossos hospitais estão lotados e que todos fazendo a sua parte para se vacinar e reduzir a propagação e mutação do COVID é fundamental.

Enquanto o coloco na cama, digo a ele a mesma coisa que ele ouve todas as noites: “Mamãe e papai amam muito você”. Por alguma razão, esta noite parece mais profundo. Quero que ele saiba que tomamos todas as medidas possíveis para protegê-lo durante esta pandemia global - mesmo quando foi assustador e controverso fazê-lo.

Então, de uma mãe para qualquer pai lá fora, converse com um médico de sua confiança, tente evitar desinformação nas redes sociais ou na internet e tome a decisão que é melhor para o seu filho.

Lembre-se de que seus pais não tiveram que criar os filhos em uma pandemia global. Você está fazendo um ótimo trabalho, então seja gentil com você mesmo. Todos nós amamos nossos filhos e queremos o melhor para eles. Para mim, o melhor é a vacina COVID-19.

A autora não revela seu nome para proteger a identidade de seu filho. Ela é funcionária da Universidade do Novo México. Todas as opiniões neste artigo são do autor e não representam necessariamente a UNM.

Resgate de alta tensão

Como a equipe internacional de medicina de montanha da UNM ajudou os passageiros encalhados do bonde de Sandia a alcançar a segurança

LER
MAIS

Resgate de alta tensão

Como a equipe internacional de medicina de montanha da UNM ajudou os passageiros encalhados do bonde de Sandia a alcançar a segurança

FECHAR

Resgate de alta tensão

Como a equipe internacional de medicina de montanha da UNM ajudou os passageiros encalhados do bonde de Sandia a alcançar a segurança Por Michael Haederle

Montanha envolta em neblina.Trabalhadores que acabaram de terminar seu turno no restaurante Ten 3 no final da véspera de Ano Novo de 2021 foram empacotados contra o vento uivante e a neve quando subiram a bordo de um bonde no topo do Sandia Peak para a viagem de 15 minutos descendo a montanha.

Minutos depois, o carro parou, suspenso a trezentos metros acima de um desfiladeiro rochoso enquanto uma espessa camada de gelo nos cabos de aço do bonde o impedia de avançar. Vinte pessoas estavam amontoadas em um carro e um funcionário solitário estava no outro.

Ainda estava escuro quando Trevor Mayschak, um paramédico e professor sênior do Centro Internacional de Medicina de Montanha da Universidade do Novo México, recebeu uma ligação na manhã de Ano Novo alertando-o sobre a emergência.

Quando Mayschack e Drew Harrell, MD, professor associado do Departamento de Medicina de Emergência, se encontraram no estacionamento na base do Sandia Peak Tramway pouco tempo depois, ambos sabiam que essa era uma situação para a qual haviam treinado.

“Tivemos as pessoas que administram o bonde nos procurando no verão de 2020”, diz Mayschak. “Eles basicamente queriam montar um plano de como resgatar pessoas do bonde caso ele ficasse preso do jeito que ficou.”

Grupo em frente ao helicóptero voando na montanha.O plano envolveu uma parceria de resgate de longa data entre a equipe de Medicina de Montanha da UNM e a unidade de helicópteros do Gabinete do Xerife do Condado de Bernalillo. Nesse caso, a equipe se baseou na experiência da Air Zermatt, a unidade de resgate por helicóptero que atende a região ao redor do Matterhorn, nos Alpes suíços.

“Nós fomos lá e fizemos algumas iterações usando o helicóptero para inserir pessoas diretamente no vagão e como tirar as pessoas do vagão usando o helicóptero”, diz Mayschak.

O procedimento consistia em prender dois passageiros a uma corda suspensa por baixo de um helicóptero pairando e depois levá-los à base. “Já havíamos trabalhado na logística do que seria e como faríamos”, diz Harrell, que também é suplente da reserva do Gabinete do Xerife.

Essa situação era diferente. Quando a dupla chegou no dia de Ano Novo, os operadores de bonde conseguiram colocar o carro com 20 ocupantes ao lado da mais alta das duas torres de aço que sustentam os cabos. Funcionários de Sandia Peak e membros do Albuquerque Mountain Rescue Council, que haviam escalado uma escada gelada até o topo da torre, estavam se preparando para baixar os passageiros ao solo usando arneses e cordas.

Mas outro problema ainda precisava ser resolvido: como trazer os passageiros para a sede do bonde de um cume gelado precário a 8,500 pés de altitude enquanto o tempo piorava e nuvens densas encobriam a encosta da montanha.

Montanha e bonde no nevoeiro.“Fizemos um plano”, diz Mayschack. O piloto do BCSO, Larry Koren, pousaria o helicóptero em uma borda estreita a cerca de 70 metros da torre do bonde, carregaria os passageiros e os levaria para baixo, alguns de cada vez. Ele voou Mayschak e Harrell até a torre para coordenar a transferência.

Eles garantiram a zona de pouso, mas tiveram que esperar que as condições melhorassem o suficiente para que o helicóptero pudesse operar. “Havia muitas pessoas sentadas esperando por uma janela meteorológica”, diz Harrell. Uma vez que Koren sentiu que era seguro voar, a dupla escoltou os passageiros no helicóptero, instruindo-os como embarcar e se comunicando com o piloto quando todos estivessem seguros para que ele pudesse decolar.

“Fizemos isso – enxaguar, repetir – oito a nove vezes, levando todas as 20 pessoas do vagão inicial para baixo”, diz Mayschak, acrescentando que levou mais duas horas para tirar o passageiro do segundo vagão e descer o vagão. montanha.

Tiro na cabeça do homem na montanha em frente ao teleférico.“As pessoas estavam muito animadas para nos ver”, diz ele. “Todos estavam com um grande sorriso no rosto porque não estavam mais no bonde. Quando os vimos, eles estavam passando pela parte mais difícil emocionalmente. Nesse ponto, as coisas estavam começando a parecer muito melhores.”

Apesar de sua provação, os passageiros “estavam realmente em boa forma”, diz Mayschak. “Foi bastante impressionante ver que as pessoas não estavam com muito frio. Eles tinham alguns cobertores espaciais, e estar aconchegados em um carro como aquele mantinha um ao outro aquecido até certo ponto.”

O resgate dramático atraiu ampla atenção nacional.

“É uma situação interessante, pois parece de certa forma monumental evacuar tantas pessoas da montanha sob essas condições”, diz Mayschak. “Mas para nós, no momento, acho que estávamos todos de acordo que, por causa do treinamento que fazemos regularmente e estamos na montanha o tempo todo e estamos nessas condições o tempo todo, parecia outro dia. de treinamento”.

Harrel concorda. “Para nós, foi tipo, 'Ei, tem um bonde'”, diz ele. “Sabíamos que, logisticamente, se o tempo melhorasse e se o bonde não pudesse ser movido para aquela torre, poderíamos tirá-los”.

Mayschak reconhece um aspecto que se destacou como único, no entanto: “Foi definitivamente uma maneira memorável de começar o novo ano!”

Nossa equipe de resgate fez manchetes

O dramático resgate de 21 pessoas no Dia de Ano Novo de XNUMX pessoas presas em uma nevasca no Sandia Peak Tramway - no qual membros do Centro Internacional de Medicina de Montanha da UNM desempenharam um papel fundamental - atraiu a atenção internacional.

Enfermeiras de Saúde da UNM

Tiro na cabeça de Loraann Lovato.

Lora Ann Lovato
7 anos na SRMC
Enfermeira de UTI por 12 anos
Enfermeira responsável pela UTI/Educadora da Unidade

 

A melhor coisa do meu trabalho é poder fazer a diferença na vida dos meus pacientes.

Às vezes há um final feliz e podemos comemorar o que o paciente superou. Outras vezes, não há final feliz. No entanto, encontro a beleza em ambos os cenários.
- Lora Ann Lovato

Tiro na cabeça Harriet Smith.

Harriet Smith, RN
4.5 anos na SRMC
total de 10 anos
Internação - Médico/Cirúrgico

O que você quer que as pessoas saibam sobre o que você faz?

A profissão é difícil em muitos aspectos, e os enfermeiros são humanos. Temos emoções e limites, merecemos que a graça nos seja concedida às vezes.
-Harriet Smith

Tiro na cabeça de Annika Page.

Annika Page, RN
3 anos na SRMC
8 anos de enfermagem total
Internação médica/cirúrgica

Enfermeiras no Novo México

Os enfermeiros desempenham um papel vital na prestação de cuidados de saúde para os Novos Mexicanos, mas eles estão em falta em todo o estado. Este mapa é baseado nas descobertas do Relatório da Força de Trabalho em Saúde do Novo México de 2021, um resumo compilado pela UNM Health Sciences e apresentado à Legislatura do Novo México a cada 1º de outubro. Como nos anos anteriores, mostra uma grave escassez no número de enfermeiros em quase todos os condados do estado, oferecendo evidência visual clara da necessidade de estratégias para reforçar a força de trabalho de enfermagem.

Esta página foi projetada para dispositivos maiores. Mude para "Site para desktop" para uma melhor visualização.