$ {alt}
Por Michael Haederle

Tecnologia testada pelo tempo

Programa de cirurgia robótica da UNM atinge marco de 10 anos

O paciente profundamente anestesiado está deitado em decúbito dorsal na mesa de operação, portas tubulares de aço projetando-se de pequenas incisões em sua barriga, que foi distendida com dióxido de carbono para torná-la esticada como um tambor.

Quatro braços articulados pairando acima da cabeça se conectam a sondas delgadas que se estendem pelas portas em seu abdômen, onde minúsculos instrumentos estão cortando, cauterizando e cavando seu caminho em direção à próstata cancerosa do homem.

O urologista Satyan Shah, MD, está sentado em um console que controla o robô DaVinci a poucos metros de distância, os olhos grudados em uma ocular estereoscópica que fornece uma visão 3-D da anatomia complexa que ele está navegando. Seus polegares e indicadores deslizam em laços que orientam o movimento das ferramentas dentro do corpo do paciente, enquanto os pedais controlam a ampliação e a iluminação da câmera.

"Estamos nos separando entre a bexiga e o reto", ele anuncia a Brad Webster, MD, um residente urológico do terceiro ano que se senta em um console idêntico próximo, observando atentamente a manipulação confiante de Shah dos instrumentos. "Temos que derrubar várias estruturas antes mesmo de chegar à próstata."

Os modos descontraídos de Shah são realçados pelos confortáveis ​​chinelos pretos que usa para controlar melhor os pedais. “Eu costumava usar meias”, confidencia.

Não é de admirar que Shah se sinta tão em casa trabalhando com o robô. Ele realizou mais de 500 procedimentos desde que introduziu a cirurgia robótica no Hospital UNM em 2008.

Uma década depois de instalar o primeiro robô cirúrgico (apelidado de "Smarty, o Robô" pelos pacientes do Hospital Infantil da UNM), o hospital agora tem dois modelos mais avançados. Os aparelhos têm sido utilizados em cirurgia geral e cardiotorácica, procedimentos otorrinolaringológicos, oncologia cirúrgica, neurocirurgia e cirurgia pediátrica.

O entusiasmo de Shah pelo uso do robô - especialmente nos casos em que não há muito espaço de manobra - é indisfarçável. Um implemento pode ser usado para empurrar o tecido para o lado e abrir espaço para os outros cortarem, cauterizarem ou suturarem, ressalta. “É como ter um assistente integrado”, diz ele. "Você é na verdade um cirurgião de quatro braços."

Melhor ainda, não há tremor. "Quando você faz um grande movimento no console, isso se traduz em um pequeno movimento", diz ele.

"Quando um leigo ouve 'cirurgia robótica', ele pensa: 'Meu Deus, R2D2 vai fazer minha cirurgia'", diz Shah. "É um nome um pouco impróprio." Na realidade, o robô simplesmente traduz os movimentos dos dedos do cirurgião com grande precisão, oferecendo uma ampliação de 10 vezes e maior amplitude de movimento do que é possível com a cirurgia convencional.

Na sala de cirurgia, Shah aponta que os instrumentos guiados por robôs possuem uma "memória" embutida. Cada vez que a técnica cirúrgica Chantel Davila extrai um instrumento de uma porta, seu substituto desliza exatamente para o mesmo local. Quando ela insere uma minúscula agulha curva pela porta, Shah entrega os controles a Webster para que o residente possa amarrar algumas suturas.

O homem na mesa é paciente de Shah há algum tempo. "Ele tem um câncer muito agressivo", diz Shah. "Tentamos assistir, mas seus PSAs continuaram subindo cada vez mais." Recuperando os controles de Webster, ele trabalha com cuidado para separar a próstata do tecido circundante. Três horas de operação, ele terminou. "Tudo bem, totalmente grátis", ele anuncia.

Guiando pequenas pinças, ele cuidadosamente transfere a próstata para um pequeno saco plástico que foi inserido na cavidade abdominal e o fecha com um cordão. "Vamos deixar essa amostra até o final da cirurgia", diz Shah. "Então, vamos agarrá-lo pelo barbante e puxá-lo imediatamente."

Depois que o empresário de Albuquerque Ronald Young foi diagnosticado com uma forma agressiva de câncer de próstata em 2009, ele fez sua própria pesquisa e decidiu que a cirurgia robótica fazia mais sentido. Foi quando ele foi ver Shah.

“O que eu realmente gostei sobre a opção da cirurgia robótica é que ela deixou um segundo tratamento, caso algo não desse certo”, diz ele. A cirurgia correu bem e Young pôs-se de pé e começou a andar no mesmo dia. Todo o crédito vai para Shah, diz ele.

"Eu basicamente devo minha vida ao homem", diz ele. "Estou muito, muito, muito satisfeito. Sou um grande apoiante e fico contente por falar com outros homens que enfrentam essa opção."

Shah diz que, embora os procedimentos robóticos demorem um pouco mais do que as cirurgias abertas, os pacientes que seguem esse caminho tendem a ter hospitalizações mais curtas, experimentam menos complicações e perdem menos sangue.

Outra vantagem é que a cirurgia robótica se presta ao ensino, pois ambos os cirurgiões têm uma visão clara do procedimento. "Na cirurgia aberta, embora estejamos ambos olhando para lá, a área de trabalho é tão pequena que só há espaço para uma pessoa ver", diz ele.

Webster concorda. "Você não pode superar a anatomia que você pode ver com isso", diz ele. "A coisa boa sobre isso é que, como você está fazendo, você tem alguém que fez centenas dessas coisas que pode assumir o controle a qualquer momento."

Ainda assim, ele reconhece que as opiniões profissionais divergem sobre se as prostatectomias robóticas são melhores do que a tradicional cirurgia aberta ou laparoscópica. “É uma área aberta de debate entre os urologistas”, diz ele. "Acho que o pêndulo vai e volta."

Shah, 41, cresceu em Syracuse, NY, onde desenvolveu um interesse precoce pela medicina.

“Tive um apreço pessoal pelo serviço que os médicos prestam - o cuidado que prestam e o que prestam ao paciente e o vínculo que se forma”, afirma. "Eu tinha visto pessoas em minha própria família que passaram por doenças e estabeleceram esse tipo de vínculo. Eu estava claramente atraído pela medicina para isso."

Quando jovem, ele foi um estudante dedicado de caratê, e acabou ganhando a faixa preta. “Esta foi a época do Karate Kid - foi isso que despertou meu interesse nele”, diz ele. "Fui encorajado pelos meus pais. Acho que eles perceberam naturalmente que isso era mais do que exercício. Havia traços de formação de caráter que esses caras estavam ensinando."

Shah se formou como o primeiro de sua classe na Robert Wood Johnson Medical School em Nova Jersey e foi eleito para a Alpha Omega Alpha Honor Society. Ele chegou à UNM após completar uma residência de cinco anos em urologia no Loma Linda University Medical Center, na Califórnia, e uma bolsa de um ano no Roswell Park Cancer Institute, em Nova York.

“Foi nessa época que as pessoas começaram a se interessar pela robótica na urologia”, diz ele. "Foi lá que vi a tecnologia pela primeira vez e rapidamente fiquei encantado com ela e decidi que era nisso que eu queria dedicar minha carreira."

De volta à sala de cirurgia, Shah pacientemente começa a suturar a anastomose que conectará a uretra diretamente à bexiga. Seguindo suas instruções, Davila empurra delicadamente um cateter de Foley pela extremidade exposta da uretra apenas o suficiente para permitir que ele segure sua borda externa com uma ferramenta de mandíbula enquanto insere e puxa a agulha com outro instrumento.

Quando a sutura termina, Shah pede a Davila que infle o cateter para que ele expanda a bexiga como um balão. “Nenhum fluido vazou, então temos uma conexão boa e estanque”, diz ele, satisfeito.

Agora, a lança da qual os braços robóticos estão suspensos é girada para trás para permitir que Shah e Webster instalem um dreno, liberem o CO2 e extraiam as portas. Shah usa um bisturi para alargar uma incisão para que Webster possa pescar a bolsa que contém a próstata.

Eles a cortam e puxam para fora uma massa de tecido denso do tamanho e da cor de uma ameixa (uma próstata normal tem o tamanho de uma noz).

O par começa a costurar metodicamente as camadas da fáscia sob a pele para evitar a hérnia e, em seguida, termina a sutura da incisão. O anestesiologista regula o gás que manteve o homem profundamente adormecido e ele começa a se mexer.

"Ele passará por aqui esta noite", diz Shah. "Neste fim de semana, prevejo que ele estará apenas tomando Tylenol."

O paciente é transferido para uma maca e conduzido para a recuperação. O processo de preparação do robô e da sala de operação para o próximo procedimento já está em andamento.

Categorias: Saúde, Faculdade de Medicina, Melhores histórias