$ {alt}
Por Michele Sequeira

Robôs Melhoram a Cirurgia do Câncer

UNM Surgical Oncology é pioneira em novas técnicas minimamente invasivas no Novo México para cirurgias de câncer abdominal complexas

"Como é a recuperação? Quando posso voltar ao normal novamente?"

Victor Phuoc, MD, FACS, ouve essas perguntas rotineiramente de seus pacientes. Agora, ele pode dar a eles uma opção adicional de cirurgia que pode tornar sua recuperação ainda mais rápida e fácil.

Phuoc, junto com outros cirurgiões de câncer do Comprehensive Cancer Center da Universidade do Novo México, são pioneiros em novas cirurgias no Novo México usando o robô da Vinci. As cirurgias robóticas, diz ele, oferecem várias vantagens e combinam as melhores características das cirurgias abertas e laparoscópicas.

Na cirurgia aberta, o cirurgião faz uma grande incisão no abdômen que permite a entrada de mãos e instrumentos, manipular órgãos e remover o tumor. As pessoas podem enfrentar semanas de recuperação, não apenas pelo tamanho da incisão, mas também pelo aumento do risco de infecção e a necessária manipulação de órgãos.

"Quando esses órgãos [abdominais] são colocados em uma posição anormal por várias horas durante a cirurgia aberta", explica Phuoc, "leva tempo para que os órgãos recuperem a função normal." Pode levar dias, diz ele, para que os intestinos voltem a funcionar.

Na cirurgia laparoscópica, os órgãos permanecem no lugar e o cirurgião trabalha ao redor deles para remover o tumor. O cirurgião faz pequenos cortes, cada um grande o suficiente para permitir a passagem dos instrumentos estreitos. As pessoas se recuperam mais rapidamente da cirurgia laparoscópica, mas a cirurgia requer mais planejamento para remover todo o tumor.

Às vezes, o cirurgião pode converter uma cirurgia laparoscópica em um procedimento aberto se o tumor alterou a anatomia da pessoa de uma forma inesperada. Os instrumentos laparoscópicos retos convencionais restringem o cirurgião a trabalhar dentro de um ângulo fixo. A posição distorcida dos órgãos internos pode impedir que o cirurgião incline os instrumentos conforme planejado para operar e remover todo o tumor com segurança.

Em uma cirurgia robótica, Phuoc raramente precisa se converter em uma cirurgia aberta porque os instrumentos robóticos podem se curvar para mover órgãos e tumores. E eles podem girar em qualquer direção. “Com a cirurgia robótica, você pode expor áreas e realizar dissecações complexas e precisas que realmente não são possíveis com a laparoscopia convencional”, diz ele.

Os robôs oferecem outro benefício: eles não têm pulso. Cada mão humana, não importa o quão firme seja, produz tremor ao mover instrumentos ou segurar uma câmera durante uma operação muito precisa.

"O robô filtra o tremor humano. Ele nunca treme", diz Phuoc. "Ele fornece um campo operatório mais estável. E o sistema de câmera robótica oferece excelente visualização para maior precisão."

Phuoc está vendo seus pacientes se recuperarem mais rapidamente da cirurgia robótica. "Os pacientes estão vendo uma redução em sua internação em qualquer lugar de dois a cinco dias em comparação com a cirurgia aberta", diz ele. "Sua dor pós-operatória melhorou muito e eles voltaram às atividades normais muito mais cedo."

Phuoc concluiu as primeiras cirurgias robóticas no Novo México para câncer de fígado, pâncreas, esôfago e estômago. Para aqueles com cólon metastático ou câncer de apêndice, ele executou roboticamente quimioterapia intraperitoneal hipertérmica, ou HIPEC, um procedimento no qual ele envia drogas quimioterápicas aquecidas ao redor de órgãos no abdômen para que as drogas entrem em contato direto com as células cancerosas.

Os colegas cirurgiões do UNM Cancer Center, Ashwani Rajput, MD, FACS, e Bridget Fahy, MD, FACS, também usaram a cirurgia robótica mais para suas cirurgias de câncer avançadas.

Phuoc continua treinando para trazer outros procedimentos de cirurgia robótica de câncer para o estado. Treinar um cirurgião para realizar uma cirurgia robótica é como treinar um adolescente para dirigir um carro. Os cirurgiões estagiários praticam um determinado procedimento muitas vezes em cadáveres e com simuladores. Eles também observam cirurgiões com experiência em robôs realizando esse procedimento várias vezes. Quando eles demonstram habilidade suficiente com o robô, suas primeiras cirurgias para esse procedimento são supervisionadas de perto por um cirurgião com experiência em robótica.

Para Phuoc, os meses de treinamento para cada procedimento valem bem o seu esforço. “O objetivo de cada paciente é completar o tratamento oncológico e voltar a uma vida normal”, diz ele. "Acho que a cirurgia robótica os ajuda a chegar lá mais rápido."

-

Victor Phuoc, MD, FACS, é professor assistente no Departamento de Cirurgia da Divisão de Oncologia Cirúrgica da Escola de Medicina da UNM. Ele é certificado pelo American Board of Surgery e atua no UNM Comprehensive Cancer Center.

Categorias: Comprehensive Cancer Center