traduzir
$ {alt}

Alcançando o topo

Pesquisadores do HSC se reúnem para enfrentar os grandes desafios

Em 2019, o presidente da UNM, Garnett S. Stokes lançou um plano ambicioso para recrutar professores universitários para propor soluções interdisciplinares para problemas sociais urgentes. Enfrentar esses Grandes Desafios, disse ela, permitiria à universidade ter um impacto tangível nas pessoas e na sociedade.

O Presidente Stokes selecionou três Grandes Desafios: Recursos Hídricos Sustentáveis, Envelhecimento Bem-Sucedido e Transtornos por Uso de Substâncias. Os dois últimos estão intimamente ligados às iniciativas de pesquisa em andamento no Centro de Ciências da Saúde da UNM.

Janice Knoefel, MD, geriatra com prática clínica no Centro de Memória e Envelhecimento da UNM, lidera a iniciativa do Envelhecimento Bem-sucedido, enquanto Brandi Fink, PhD, professora assistente do Departamento de Psiquiatria e Ciências do Comportamento, co-lidera o Uso de Substâncias Disorders Grand Challenge com Katie Witkiewitz, Professora dos Regentes do Departamento de Psicologia.

"O Centro de Ciências da Saúde teve a sorte de ter duas de suas propostas selecionadas como Grandes Desafios", disse o vice-reitor executivo do HSC, Richard S. Larson, MD, PhD. "Isso reflete claramente nosso compromisso em conduzir pesquisas de alto impacto que se traduzirão em melhores cuidados de saúde para os novos mexicanos."

Cada uma das equipes do Grande Desafio recebeu financiamento para lançar programas-piloto para testar soluções em potencial, diz Larson.

---

A proposta do Envelhecimento com Sucesso tem uma urgência especial porque a população do Novo México está envelhecendo rapidamente, de acordo com Knoefel. “Todos nós estamos envelhecendo”, diz ela. "Há algumas coisas que não podemos prevenir. Mas muito do que as pessoas pensam como envelhecimento são, na verdade, doenças. Já sabemos disso há muito, muito tempo."

A proposta surgiu de um processo informal iniciado na Escola de Medicina da UNM no outono de 2018 por David Scrase, MD, um colega geriatra que no início deste ano foi nomeado secretário do Departamento de Serviços Humanos do Novo México, disse Knoefel.

Scrase convocou uma série de reuniões com professores cuja experiência compartilhada centrou-se no tratamento de pacientes mais velhos. Quando a presidente Stokes fez seu apelo à pesquisa, "Estávamos bem posicionados para ir para o Grande Desafio, porque já havíamos começado a nos reunir", disse Knoefel.

A proposta apresentada em nome do Envelhecimento Bem Sucedido começou com a prevenção, alcançando as pessoas antes que elas tenham deficiências cognitivas relacionadas à idade e incentivando-as a se exercitar e manter conexões sociais, diz Knoefel. “Toda a ênfase está na compressão da deficiência”, diz ela. "Queremos manter as pessoas o mais funcionais e saudáveis ​​possível."

Para quem está começando a apresentar déficit, é importante saber quem é. “Começaríamos a identificar indivíduos em risco por meio de avaliações de saúde em centros de idosos”, diz ela. A Escola de Enfermagem tem conduzido essas avaliações por mais de 20 anos, diz ela, mas esses esforços poderiam ser expandidos para incluir estudantes de medicina e farmácia.

“Depois de identificarmos as pessoas que têm necessidades, temos que fazer uma avaliação adicional”, diz Knoefel. Isso poderia envolver visitas domiciliares de fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais treinados para perguntar: "O que podemos recomendar como profissionais para manter as pessoas totalmente independentes?

E, finalmente, quando a demência e outras deficiências cognitivas exigem cuidados intensivos, é importante prestar atenção aos cuidadores, diz Knoefel.

“Nossa ideia era realmente começar a testar se a gestão do cuidado realmente faz diferença para o cuidador”, diz ela. Quando os cuidadores se sentem sobrecarregados, as pessoas de quem estão cuidando usam muito mais os recursos de saúde e as visitas ao pronto-socorro.

---

O transtorno por uso de substâncias, incluindo álcool, opióides e outras substâncias, teve um impacto negativo nas famílias do Novo México, diz Fink, que mantém uma prática clínica focada no tratamento da dependência ao lado de seus interesses de pesquisa.

Cerca de 66% das mortes por overdose de opióides são devido a medicamentos opióides prescritos, diz ela, enquanto dados do Office of the Medical Investigator mostram que em cada código postal de Albuquerque, de oito a 12 pessoas morrem a cada ano de overdose de opióides. “É um ofensor de oportunidades iguais”, diz Fink.

“O que estamos procurando fazer é coordenar e integrar intervenções em vários sistemas para realmente tentar reverter a tendência”, diz Fink. "Parte da maneira como faremos isso é direcionar as comunidades mais afetadas para intervenção, enquanto aumentamos a base científica para intervenções."

O Grande Desafio estabeleceu um alto padrão de sucesso, diz Fink. Até 2030, pretende reduzir a mortalidade por álcool, opióides e outras substâncias em 45% e as consequências relacionadas com as substâncias (incluindo overdose, lesões e acidentes) em 40%. Além disso, busca reduzir o crime, o encarceramento e a reincidência em 20%, as experiências adversas na infância em 20% e os custos econômicos gerais de doenças e mortes relacionadas ao uso de drogas em 20%.

“Para atingir esses objetivos, envolveremos escolas e comunidades, ambientes médicos gerais, ambientes de tratamento de especialidades e sistemas de justiça criminal”, disse Fink. Um dos objetivos gerais é aumentar a resiliência contra o uso de substâncias por meio de esforços de prevenção, especialmente em comunidades indígenas americanas e rurais, diz ela.

Também é importante melhorar a triagem e o tratamento de transtornos por uso de substâncias em ambientes médicos gerais e de tratamento especializado. E há uma necessidade premente de melhorar o acesso ao tratamento de abuso de substâncias para aqueles que se envolveram com o sistema de justiça criminal, disse Fink.

A equipe de transtornos por uso de substâncias, que inclui colaboradores de todo o Centro de Ciências da Saúde e do Campus Principal, já conseguiu financiamento para nove projetos-piloto.

“Como parte de nosso Grande Desafio, com nosso dinheiro estamos financiando um estudo piloto para avaliar a implementação do Projeto de Lei 221 do Senado, que requer aconselhamento para overdose de opióides e co-prescrição de naloxona”, disse Fink. As prescrições de naloxona, que reverte rapidamente os sintomas de uma overdose de opióides, aumentaram drasticamente, e o número de reversões de overdose cresceu quase dois terços, observa ela.

Em outra iniciativa, o Fink planeja se envolver com provedores que receberam uma carta de notificação obrigatória quando um paciente morreu devido a um opioide que eles prescreveram.

"Estamos olhando para usá-los como oportunidades para fornecer treinamentos adicionais, fornecer telas de ansiedade e depressão e treinar os provedores para confiar nessas telas ao redigir uma prescrição de opióides", diz ela.

E ela deseja implementar um programa de administração de opioides, para monitorar os padrões de prescrição de opioides e intervir com os prescritores quando necessário. “Essas são coisas fáceis de implementar”, diz Fink. "E eles têm um grande impacto."

Categorias: Envolvimento da comunidade, educação, saúde, Notícias que você pode usar, Pesquisa, Faculdade de Medicina, Melhores histórias