traduzir
$ {alt}
Por Rebecca Jones

NMDID ajuda na pesquisa COVID-19

Pesquisadores da Johns Hopkins comparam tomografias computadorizadas de tecido pulmonar

Pesquisadores da Johns Hopkins School of Medicine estão usando um banco de dados de informações de saúde compilado pelo Escritório do Investigador Médico do Novo México (OMI) para comparar o tecido pulmonar de pacientes com pneumonia COVID-19 com o de pessoas que morreram de outras causas, como câncer de pulmão.

O Banco de Dados de Imagens Decedentes do Novo México (NMDID), amplamente utilizado na pesquisa biomédica, inclui informações de saúde sobre 69 variáveis ​​diferentes coletadas de corpos trazidos para o OMI. Todas as informações pessoais são removidas para que não haja marcadores de identificação.

A pesquisa, "Novel Radiomic and Deep Learning Metrics for Covid-19 Disease", é liderada por Michael A. Jacobs, professor de radiologia e oncologia e diretor da Equipe de Avaliação Radiológica de Imagens do Sidney Kimmel Comprehensive Cancer Center da Johns Hopkins. Ele espera realizar ensaios clínicos para determinar se as tomografias podem ajudar a prever quais pacientes COVID-19 responderão à terapia direcionada.

"O resultado final é que podemos desenvolver assinaturas de tecidos, usando imagens radiômicas para determinar qual será o resultado para os pacientes com diagnóstico de pneumonia COVID-19", diz Jacobs.

"À medida que avançamos, se conseguirmos que esses pacientes façam duas ou três dessas varreduras, podemos ser capazes de prever quais terão uma melhor sobrevida geral e talvez responder a um tratamento se houver algum disponível - porque realmente não há t nenhum tratamento ainda ", diz ele.

Jacobs, que é certificado em física médica de diagnóstico pelo American Board of Radiology, diz que é grato por ter acesso ao banco de dados. "É muito útil", diz ele.

Heather Edgar, professora associada de antropologia da Universidade do Novo México e antropóloga forense da OMI, diz que o banco de dados inclui informações coletadas de mais de 15,000 corpos. Os dados podem ser acessados ​​por pesquisadores qualificados.

“Achei essa pesquisa muito legal”, diz Edgar sobre o projeto de Jacobs. "Está fazendo a diferença."

Edgar diz que espera que mais cientistas aproveitem o banco de dados do Novo México, porque é um recurso único. Até agora, possui 200 usuários em todo o mundo.

“Estamos divulgando que isso está disponível para pesquisadores em vários campos, incluindo antropologia e ciência forense”, diz ela.

Categorias: Envolvimento da comunidade, saúde, Pesquisa, Melhores histórias