traduzir
$ {alt}
Por Kara Leasure Shanley

Informação é Poder

A coleta de dados aprimorada salva vidas

Kimberly Page, PhD, MPH, professora do Departamento de Medicina Interna, sempre sentiu que suas raízes no Novo México um dia a chamariam de casa.

Quando ela era criança, seu pai - um nativo do Novo México e formado pela UNM - mudou sua família dos Estados Unidos para a América do Sul para trabalhar na indústria do petróleo. Ao crescer, aprendeu espanhol, inglês e português, além de flexibilidade cultural.

De volta aos Estados Unidos, ela obteve seu MPH e PhD em epidemiologia pela University of California, Berkeley, e uma posição no Center for AIDS Prevention Studies na University of California, San Francisco.

A epidemiologia - o estudo da doença por meio de sua história natural, causa e distribuição - incorpora um aspecto da ciência que Page sente às vezes ser esquecido.

"Às vezes, a parte criativa da ciência não é apenas suas grandes descobertas", diz ela, "mas também como podemos encontrar melhores maneiras de obter informações." E no campo de Page, a coleta de informações é tudo. Ela está constantemente em busca de novas técnicas e ferramentas de outras áreas que possam avançar em sua pesquisa.

Page estudou pacientes com HIV em San Francisco em 1990 para calcular o risco de contrair um vírus transmitido pelo sangue recentemente descoberto, a hepatite C, que estava danificando o fígado dos pacientes, às vezes levando ao câncer de fígado. Os Centros para Controle e Prevenção de Doenças estimam que 3.5 milhões de pessoas vivem atualmente com infecção crônica de hepatite C nos Estados Unidos

O vírus é difícil de detectar até dois meses depois que os pacientes foram expostos, então Page e sua equipe inovaram métodos para detectar o vírus mais cedo em usuários de drogas injetáveis.

“Nós nos colocamos - nacional e internacionalmente - no mapa com nosso conhecimento sobre infecção aguda de hepatite e história natural desde então”, diz ela. Page tem colaborado com antropólogos e imunologistas em sua busca por padrões em grandes conjuntos de dados. “Meu trabalho tem sido muito, muito multidisciplinar e transdisciplinar”, diz ela.

Sua familiaridade com diferentes culturas ajudou quando ela começou a pesquisar colaborações em todo o mundo, incluindo Austrália, Canadá, Brasil, Camboja e Tailândia. Ela treinou cientistas em todo o mundo para levar ajuda às comunidades rurais fora dos pontos focais da sociedade. “Adoro ir a campo e conhecer pessoas”, diz ela.

Com sua carreira de sucesso e viagens pelo mundo a reboque, Page sentiu que estava sendo chamada de volta ao Novo México. Em 2014, ela chegou à UNM para chefiar a Divisão de Epidemiologia, Bioestatística e Medicina Preventiva.

“Toda vez que eu vim aqui, eu pensava, 'Eu realmente pertenço aqui'”, ela explica. "Eu realmente senti isso quando cheguei aqui."

Page e sua equipe colaboram com outros pesquisadores e médicos da UNM ao trabalharem com populações de alto risco, como jovens injetando drogas, em todo o estado. Sua pesquisa já informou as políticas públicas de Albuquerque, mudando a forma como as pessoas em risco de desenvolver ou desenvolveram hepatite C estão sendo tratadas - e curadas.

"Não estamos exigindo que você se torne abstinente para obter um tratamento que pode salvar sua vida", explica ela. "Nós salvamos sua vida, e então talvez você queira dar o próximo (passo)."

Os sucessos de Page nos quatro anos desde que se mudou para o Novo México parecem levá-la de volta às suas raízes. "Estou de volta em casa, sabe", diz ela. "Essa sujeira está no meu DNA."

Categorias: Envolvimento da comunidade, educação, saúde, Pesquisa, Faculdade de Medicina, Melhores histórias