José Graciano em sua cama de hospital, se recuperando de COVID
By Michael Haederle

Livre para respirar

Como uma equipe de cuidados intensivos da UNM lutou pelo transplante de pulmão duplo de um paciente com COVID

Em março 12, 2022, Jose Graciano emergiu da anestesia após uma cirurgia de transplante de pulmão de cinco horas no St. Joseph Medical Center, em Phoenix. Ele olhou para baixo para ver a incisão em “concha” recém-suturada que se estendia pela parte superior do tórax.

E pela primeira vez em quase sete meses, ele podia respirar livremente.

“Eu me senti normal”, diz ele. "Estava bem."

Sua provação médica começou em um hospital do Colorado com um diagnóstico de COVID-19. Os médicos previram que ele morreria devido a cicatrizes graves em seus pulmões. Mas sua sorte melhorou drasticamente quando ele foi transferido para o Hospital da Universidade do Novo México, onde uma equipe de cuidados intensivos o fortaleceu o suficiente para se submeter ao transplante.

“Estávamos convencidos de que ele conseguiria isso”, diz Maria Kelly, a enfermeira de cuidados intensivos que se recusou a desistir de Graciano e lutou para que ele fosse internado no UNMH.

“Só precisávamos de uma vitória.”


José e Anita, sua esposa há 21 anos, se conheceram quando eram estudantes no Santa Fe High School. Eles tiveram cinco filhos juntos e se estabeleceram em Farmington, NM, onde Anita administrava um restaurante e José passava semanas seguidas longe de casa trabalhando nos campos de petróleo.

Em agosto de 2021, ele estava baseado em Greeley, Colorado, com uma equipe que estava tampando poços de petróleo não produtores quando ele começou a ter problemas para respirar. (Diagnosticado com diabetes tipo II, ele aguardava o conselho de seu endocrinologista sobre a possibilidade de receber a vacina COVID.)

Quando ele foi internado no Northern Colorado Medical Center, seu nível de saturação de oxigênio era de 71% (o normal é 95% ou mais) e ele testou positivo para SARS-CoV-2. “Lembro-me deles me dizendo que, se eu piorasse, eles teriam que me entubar”, diz ele. “Eu disse a eles que não quero fazer isso. E então isso é tudo que eu me lembro. Acordei cinco meses depois e ainda estava lá.”

Enquanto José estava em coma induzido em um ventilador, Anita e o pai de José se revezavam em vigília ao lado de sua cama. Juntamente com sedativos, ele recebeu uma droga paralisante para evitar movimentos involuntários.

Os médicos não foram encorajadores, diz Anita. “Eles disseram: 'Ele não vai se recuperar disso. Ele está paralisado há muito tempo.

Com a notícia desanimadora, ela estava pronta para deixá-lo ir. “Eu apenas fiquei de pé sobre o corpo dele e agradeci a Deus pelos 21 anos que ele me deu com ele”, diz ela. “Ele nos deu uma boa vida. Ele trabalhou tão duro para nos sustentar”.

Mas na manhã seguinte ela recebeu uma ligação do médico de José. “Ela disse: 'Não fique animado, mas algo aconteceu, nós o tiramos do paralítico. Ele está desligado desde as 7 horas da manhã. Eu disse: 'É Deus - ele está fazendo um milagre acontecer.

Demorou duas semanas para desmamar completamente do paralítico, e então ele desenvolveu pneumonia. Perto da marca de dois meses, os médicos receberam mais más notícias. “Eles me disseram que ele teve morte cerebral – que não há atividade”, diz Anita. “Eles disseram: 'Realmente, não há mais nada que possamos fazer.' Foi a terceira vez que eles disseram isso.

Confundindo um Sharpie com um marcador de quadro branco, ela rabiscou uma mensagem pontiaguda na janela de seu quarto de hospital: “Nenhuma conversa negativa neste quarto”.

Contra todas as probabilidades, José continuou a se recuperar quando retiraram os medicamentos sedativos e ele estava totalmente acordado após três meses no hospital. “Todos os dias ele mostrava melhoras”, diz ela.

Para José foi como se três meses de sua vida tivessem desaparecido. “Minha primeira lembrança foi antes de voltar para o Novo México”, diz ele. “O médico veio e me disse: 'Você tem duas opções. Você pode ir para casa com este ventilador e esperar até morrer, ou pode ficar aqui e morrer no hospital. Mas não podemos ajudá-lo. Seus pulmões estão bastante danificados. Eles estão secos, não é bom.'”

O médico veio e me disse: 'Você tem duas opções. Você pode ir para casa com este ventilador e esperar até morrer, ou pode ficar aqui e morrer no hospital.'
- José Graciano

Um transplante de pulmão seria a única alternativa, mas um hospital afiliado em Tucson negou sua admissão em seu programa de transplante porque ele não havia recebido a vacina COVID.

Em meados de janeiro de 2022, José foi levado de avião para uma unidade de cuidados intensivos em Albuquerque. O plano era que Anita aprendesse a manter um ventilador para que ele pudesse ser mandado para casa em Farmington, onde nunca respiraria sem ajuda e provavelmente sucumbiria à doença.


Por acaso, a enfermeira do UNMH, Maria Kelly, também co-liderou a equipe de cuidados intensivos no centro de cuidados intensivos. Revendo a papelada do novo paciente, “Algo parecia: 'Por que esse homem de 43 anos não é um candidato a transplante? Não fazia sentido para mim.”

Como os ventiladores do centro de atendimento não eram tão potentes quanto os usados ​​nos hospitais, José ficou mais doente e precisou ser transferido para o UNMH para estabilizar seus níveis de dióxido de carbono. “Foi quando conheci Anita e conversamos mais sobre a história dele”, diz Kelly. Ao saber que não pôde visitar seu endocrinologista porque estava trabalhando fora do estado, “isso me deixou muito mais entusiasmado em fazer com que ele fosse visto”.

Jose voltou ao centro de atendimento, enquanto Kelly pressionava os médicos da UNM para interná-lo no hospital e, em pouco tempo, ele foi transferido para a Unidade de Terapia Intensiva Cardiotorácica.

O especialista em cuidados intensivos Isaac Tawil, MD, professor do Departamento de Medicina de Emergência e diretor médico do New Mexico Donor Services, a organização de aquisição de órgãos do estado, supervisionou os cuidados de Jose.

“Era óbvio que se tratava de alguém que tinha algumas opções talvez prematuramente fechadas para eles e, se conseguíssemos ajustá-lo do ponto de vista da reabilitação, poderíamos começar a discutir sobre um possível transplante com vários centros de transplante”, diz ele.

Os médicos da UNM já haviam obtido sucesso ao encaminhar pacientes com pulmões com cicatrizes de COVID para a equipe de transplante de St. Joseph, diz Tawil. “Sabíamos o que eles estavam procurando. Precisávamos demonstrar que ele estava acordado, alerta e capaz de conversar. Ele precisava demonstrar que tinha potencial para reabilitação.”

Na equação do transplante, um ponto a favor de Jose era que apenas um sistema orgânico – seus pulmões – foi afetado. “Falha em um único órgão do sistema em um cara jovem e previamente saudável – ele precisa receber essa injeção”, diz Tawil. Ele dá crédito aos fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais do hospital que, ao longo de seis semanas, tiraram José da cama e o levaram para a UTI enquanto ele estava preso ao respirador.

No início, mesmo o menor esforço era cansativo depois de passar tantos meses confinado a uma cama de hospital. “Eles me faziam levantar todas as manhãs e andar pela unidade, tentando me fortalecer para o transplante”, diz Jose. “Foi difícil porque toda vez que eu me levantava, parecia que meus ossos iam quebrar.”

Mas José estava determinado. “Eu sabia que meu filho estava no último ano do ensino médio e queria estar presente em sua formatura para vê-lo andar”, diz ele. “E eu sabia que tinha um neto que estava esperando por mim. Eu pensei, 'Você tem que parar de sentir pena de si mesmo e lutar.'”

Kelly, que o acompanhava regularmente na UTI, diz que ele precisava caminhar 100 metros por dia. “Os terapeutas trabalhavam duro com ele todos os dias”, diz ela. “Eles definiriam metas semanais no papel até que ele atendesse aos critérios do transplante.”


Em 22 de fevereiro de 2022, Jose recebeu alta e voou para Phoenix em uma ambulância aérea. Seus cuidadores do UNMH, ainda de luto pela perda de tantos pacientes durante a pandemia de COVID, consideraram isso um triunfo. “Eu disse a Anita: 'Precisávamos disso tanto quanto você'”, diz Kelly.

Em Phoenix, um conjunto de pulmões ficou disponível 2 semanas e meia depois, e Jose passou pela operação com louvor. Ele e Anita passaram seis meses morando em um apartamento perto do hospital antes de voltar para o Novo México no verão. Ele continua tomando 28 medicamentos para evitar a rejeição de órgãos, mas está recuperando as forças e espera voltar ao trabalho.

A provação deu a José uma nova perspectiva. “Precisamos desacelerar na vida”, diz ele. “Eu era tudo sobre trabalho, trabalho, trabalho. Acabei de aprender a desacelerar e dedicar mais tempo à família. Devemos passar mais tempo com as pessoas que amamos, apreciá-las e sermos gratos.”

Sua recém-descoberta gratidão se estende à equipe do Hospital UNM.

“Obrigado a todas as pessoas da UNM – todas as pessoas que me incentivaram”, diz ele. “Você ganha uma nova perspectiva de vida quando passa por algo como nós. Você aprende a apreciar mais a vida.”

Categorias: Saúde , Notícias que você pode usar , Melhores histórias