traduzir
Uma cadeira virou com uma placa que diz DESPEDIDA nela
Por El Gibson

Imersão Perspicaz

Estudantes da Faculdade de Enfermagem da UNM experimentam impacto da pobreza em exercício único

Escola de Enfermagem da Universidade do Novo México prepara os alunos para navegar por experiências clínicas - e fazê-lo com empatia.

Parte da preparação de um aluno, disse Carolyn Montoya, PhD, RN, vice-reitora executiva interina da faculdade, é entender como é a vida das pessoas que vivem em comunidades carentes.

Entre na Simulação de Pobreza de Ação Comunitária, uma experiência interativa na qual os participantes foram designados para desempenhar o papel de membros da família que vivem na pobreza. Na sexta-feira, 23 de setembro, estudantes de enfermagem tiveram um vislumbre das barreiras estruturais da pobreza.

“A simulação dá aos alunos a chance de experimentar o que seus futuros pacientes podem enfrentar no dia-a-dia, ganhando empatia e compreensão”, disse Montoya.

 

Carolyn Montoya, PhD, RN
A simulação dá aos alunos a chance de experimentar o que seus futuros pacientes podem enfrentar no dia-a-dia, ganhando empatia e compreensão.
- Carolyn Montoya, PhD, RN

Montoya começou sua apresentação pré-evento com cinco palavras muito importantes: “Isso não é um jogo”.

"Estamos aqui para aprender", disse ela. “Esta simulação encoraja as pessoas a pensar sobre como é realmente viver abaixo ou pairar em torno da linha da pobreza.”

Durante a imersão de duas horas, os participantes foram designados para “famílias” fazendo o melhor para sobreviver semana a semana ao longo de um mês. A simulação apresentou aos participantes cenários da vida real e desafios enfrentados por pessoas que vivem na pobreza, seguido de um debate em grupo onde os alunos refletiram sobre a experiência e discutiram seus insights.

Cada semana simulada durou 15 minutos, durante os quais as famílias foram solicitadas a garantir comida, abrigo e outras necessidades básicas acessando vários recursos da comunidade, como mercearias, clínicas de saúde, serviços sociais, agências governamentais e muito mais – tudo isso enquanto gerenciavam empregos, escolas e vida familiar. Cerca de uma dúzia de voluntários desempenharam o papel de provedores de recursos montados em diferentes mesas ao redor do Salão C no Edifício da União Estudantil da UNM.

Montoya disse que a maioria dos alunos descobriu que os cenários são muito diferentes de suas próprias vidas e que aprenderam em primeira mão sobre os desafios de superar as dificuldades familiares.

Um participante, Michael Baker, estudante de doutorado em Ciências da Enfermagem, disse que aprendeu muito com a experiência.

“Este exercício é realmente ótimo para preencher a lacuna entre o que vemos no papel e o que vemos na vida real”, disse ele. “Para alguém como eu, que não vive nesse ambiente, posso realmente experimentar as lutas pelas quais alguém passa, em vez de apenas ler sobre isso em um livro.”

No início do workshop, Baker recebeu o papel de “Albert”, um desempregado, casado, pai de três filhos. Durante a simulação, esperava-se que ele pagasse as contas, cuidasse dos três filhos e tentasse encontrar um emprego.

“Foi muito caótico”, disse Baker. “Enquanto tentava administrar as finanças da família e nos manter acima da água, eu também tinha que me certificar de que as crianças não tivessem problemas – o que eu honestamente não fiz um bom trabalho. Foi realmente difícil.”

Este evento foi apoiado por financiamento do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA e uma Subvenção da Força de Trabalho de Educação em Enfermagem Avançada da Administração de Recursos e Serviços de Saúde.

Montoya e Mike Kisner, um especialista em programas da Faculdade de Enfermagem, usaram os fundos da subvenção para comprar um kit para o treinamento sobre pobreza da Simulação de Pobreza de Ação Comunitária de Missouri e participaram de um treinamento sobre como facilitá-lo.

“Como administrador, muitas vezes você pode se fechar em sua pequena bolha, e essa simulação me lembra dos problemas dos alunos – me lembra de ser humilde”, disse Montoya. “Eu sempre aprendo alguma coisa quando fazemos isso.”

Categorias: Faculdade de Enfermagem, Envolvimento da comunidade, educação, Melhores histórias