traduzir
Uma criança sorrindo
Por Michael Haederle

Pedido de Proteção

Médico da UNM se une ao apelo para ratificar a Convenção da ONU sobre os Direitos da Criança

Um membro do corpo docente da Faculdade de Medicina da Universidade do Novo México juntou-se a outros proeminentes defensores da equidade em saúde para pedir aos EUA que estabeleçam uma entidade federal de alto nível para supervisionar as questões dos direitos das crianças.

Em um documento de posicionamento publicado no mês passado em Revista Saúde e Direitos Humanos, o grupo observou que os EUA são a única nação do mundo que não ratificou a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança (CDC), adotada pela primeira vez em 1989.

A convenção encorajou os estados membros a estabelecer instituições para proteger os direitos das crianças, e muitos países têm cargos de liderança que servem como defensores dos interesses das crianças.

O grupo inclui Hope Ferdowsian, MD, MPH, professora associada do Departamento de Medicina Interna e cofundadora e CEO da Iniciativa das Zonas da Fênix, uma organização sem fins lucrativos que defende os direitos e o bem-estar das pessoas, dos animais e do meio ambiente.

 

Hope Ferdowsian, MD, MPH
A falha em ratificar a convenção tem sérias implicações para os determinantes sociais e ambientais da saúde das crianças – incluindo pobreza, acesso aos cuidados de saúde, nutrição, falta de moradia e separação da família
- Hope Ferdowsian, MD, MPH

A falha em ratificar a convenção “tem sérias implicações para os determinantes sociais e ambientais da saúde das crianças – incluindo pobreza, acesso à saúde, nutrição, falta de moradia e separação da família”, disse Ferdowsian.

“Nossa coalizão é nova, pois inclui profissionais e defensores de vários setores, incluindo assistência médica, saúde pública, imigração, bem-estar infantil, justiça juvenil, aprendizagem precoce, educação, trabalho e planejamento familiar”.

Os autores do artigo recomendaram três opções para promover a supervisão dos direitos da criança em nível federal. O primeiro é um Escritório da Casa Branca para Crianças, que exigiria apenas o endosso do presidente, contornando um possível impasse no Congresso, escrevem eles.

O segundo é um posto de nível ministerial e/ou um departamento para crianças. Um departamento exigiria legislação, mas potencialmente reuniria vários programas atualmente espalhados por muitos departamentos.

A terceira opção seria um comissário independente para crianças, semelhante a cargos semelhantes em outros países. O comissário supervisionaria os interesses das crianças nos poderes executivo e legislativo e apresentaria propostas de políticas em seu nome.

“A criação de uma autoridade federal de alto nível seria um primeiro passo importante e poderia impulsionar todas as políticas que devem ser seguidas para tornar os direitos e o bem-estar das crianças uma prioridade genuína”, concluem.

Categorias: Engajamento da comunidade, Notícias que você pode usar, Faculdade de Medicina, Melhores histórias