traduzir
Jessica Yeaton esquiando
Por Michael Haederle

Show de neve

A estudante de fisioterapia da UNM, Jessica Yeaton, competirá pela equipe de esqui cross-country da Austrália nos Jogos Olímpicos de Inverno de 2022

Sempre que ela faz uma pausa de seus estudos no programa de fisioterapia da Universidade do Novo México, Jessica Yeaton gosta de colocar seus esquis de cross-country e ir para os trechos nevados das montanhas Sandia para se exercitar.

Mas esta semana, Yeaton irá a Pequim para os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 como membro da equipe de esqui cross-country da Austrália. É a segunda participação olímpica da atleta de 30 anos: em 2018, ela esteve na Coreia do Sul para os jogos de inverno.

Yeaton, que nasceu em Perth, Austrália, morou no Texas e em Dubai antes de sua família se estabelecer em Anchorage, Alasca, quando ela tinha 12 anos. “Eu mudei do verão para o auge do inverno”, diz ela. Foi lá que ela colocou os esquis pela primeira vez.

“Eu não adorei no começo”, diz ela, falando via Zoom de Davos, na Suíça, onde sua equipe vem treinando nos últimos meses. “Lembro-me de ficar tipo, 'Esta é a coisa mais difícil de todas.'”

Mas Yeaton acabou percebendo que ela era realmente atraída por desafios intensos de resistência, como esqui cross-country, corrida e mountain bike. Ela esquiou em sua equipe do ensino médio e na faculdade na Universidade Estadual de Montana e depois continuou competindo com uma equipe profissional por quatro anos antes de vir para a UNM para seu programa de três anos de fisioterapia.

A mãe de Yeaton é australiana e seu pai é americano. Ao crescer, ela passou férias com a família em Perth, que fica no Oceano Índico, na Austrália Ocidental, a milhares de quilômetros das poucas áreas de esqui localizadas nas montanhas do sudeste da Austrália.

“Eu não estava super ciente de esquiar na Austrália”, diz ela. “Alguém me contatou na faculdade e disse: 'Você percebe que poderia estar esquiando pela seleção deles?' Quando me formei na faculdade, decidi que queria tentar isso.”

 

Jéssica Yeaton
Eu realmente me apaixonei pelo Novo México do ponto de vista do treinamento, e o clima está tão bom!
- Jéssica Yeaton, Estudante do terceiro ano de fisioterapia

Ela também se envolveu na comunidade local de cross-country, que cuida das trilhas nas Sandias. Com a ajuda de fones de ouvido, ela descobriu que poderia continuar seu aprendizado didático mesmo enquanto trabalhava em sua resistência. “Eu ouvia as palestras repetidamente enquanto estava dirigindo, ou mesmo enquanto estava esquiando”, diz ela.

Seu treinamento em alta altitude valeu a pena. Em 2020, Yeaton conquistou o primeiro lugar no American Birkenbeiner em Hayward, Wisconsin, a maior corrida de esqui cross-country da América do Norte.

Em Pequim, Yeaton competirá em cinco eventos, dois dos quais são sprints. "O último é um é 30k", diz ela. “Quanto mais tempo, melhor para mim.”

Beth Moody Jones, PT, DPT, EdD, MS, chefe da Divisão de Fisioterapia da UNM, a princípio não sabia que um de seus alunos era olímpico.

“Era seu primeiro ano, ela estava no meio da anatomia geral – uma carga horária muito difícil – e ela me contatou para ver se ela poderia se atrasar um dia para voltar para a escola”, lembra Jones. “Ela me disse que tinha a chance de correr em uma corrida de cross-country na Europa e isso significava ganhar algum dinheiro e ela poderia ficar e completar a corrida.”

No final do semestre da primavera de 2021, Yeaton abordou Jones para ver se ela poderia tirar uma licença para tentar a equipe olímpica.

“Ela era despretensiosa e não esperava que pudéssemos fazer isso funcionar”, diz Jones. “Desnecessário dizer que eu estava a favor dela tentando isso, e trabalhamos em um plano que permitia que ela saísse e treinasse. Estamos muito orgulhosos dela e estou muito feliz por ela!”

Yeaton, que está adiando o início de suas três últimas rotações clínicas de PT até depois das Olimpíadas, espera que a medicina esportiva seja o provável foco de sua prática quando se formar no final deste ano.

“A coisa mais importante na minha vida é o exercício”, diz ela. “De fato, eu quero ser ativo. Minha paixão é ajudar todo mundo a ser o mais ativo possível.”

Fotos: Manuel Lusti

Categorias: Engajamento da comunidade, Notícias que você pode usar, Faculdade de Medicina, Melhores histórias