traduzir
Estrada rural do Novo México
Por Michael Haederle

Respondentes remotos

Pesquisadores da UNM encontram pronto-socorros de hospitais rurais oferecem atendimento de qualidade

Não é segredo que os hospitais de acesso crítico rural da América estão lutando para manter suas portas abertas e enfrentam uma miríade de desafios no fornecimento de atendimento de qualidade a seus pacientes internados.

Mas em um novo estudo, os pesquisadores da Universidade do Novo México ficaram surpresos ao descobrir que as pessoas tratadas em departamentos de emergência rurais tiveram resultados comparáveis ​​àqueles que recebem atendimento em pronto-socorros urbanos.

Em um artigo publicado recentemente em JARede MA aberta, uma equipe liderada por Margaret Greenwood-Erickson, MD, MSc, professora assistente no Departamento de Medicina de Emergência da UNM, analisou as reivindicações administrativas de dois grupos correspondentes de 473,152 pacientes do Medicare cada que procuraram atendimento de emergência em hospitais urbanos ou rurais entre 2011 e 2015.

O endpoint primário foi determinar quantos pacientes morreram devido a qualquer causa nos 30 dias após a visita. Os desfechos secundários incluíram o número de revisitas de ED com e sem hospitalização durante o mesmo período.

Hospitais rurais tendem a ter menos funcionários e menos recursos e acesso limitado a especialistas, observa Greenwood-Ericksen, e embora estudos anteriores tenham mostrado que os pacientes internos em áreas rurais não se saem tão bem quanto aqueles em hospitais urbanos, poucas pesquisas haviam considerado os departamentos de emergência rurais. .

“Nossa hipótese era que os DEs rurais não seriam capazes de ter um desempenho tão bom”, disse ela, “principalmente devido ao papel desproporcional que a transferência de interfacilidade desempenha na garantia de acesso a tratamentos avançados e cuidados definitivos”. 

Uma revisão dos registros do Medicare mostrou que os resultados dos pacientes rurais eram muito semelhantes para diagnósticos com risco de vida, como sepse, derrame e ataques cardíacos, diz Greenwood-Ericksen. Mas os pacientes rurais que apresentavam diagnósticos baseados em sintomas, como dor no peito, mal-estar e fadiga, náuseas e vômitos e dor abdominal, não se saíram tão bem.

Ela acredita que a resposta médica padronizada para um diagnóstico claramente definido, como um ataque cardíaco, ajuda a garantir resultados semelhantes entre pacientes de emergência urbana e rural. 

“Para um ataque cardíaco, você precisa ser transferido para um cateterismo cardíaco”, diz ela. Nesses casos, os médicos de emergência rural agirão rapidamente para diagnosticar e, em seguida, telefonar para encontrar um hospital com capacidade para realizar o procedimento e providenciar a transferência do paciente.

“Para mim, isso enfatiza ainda mais a importância de nos concentrarmos em garantir que os processos de transferência funcionem bem para condições urgentes diagnosticadas em EDs rurais”, diz ela.

Sintomas vagos, como fadiga, muitas vezes não podem ser diagnosticados com um teste simples e podem exigir uma avaliação extensa para identificar o problema subjacente. Pacientes rurais com essas queixas têm maior probabilidade de serem admitidos em seu hospital local do que transferidos, e suas perspectivas de longo prazo não eram tão boas, diz Greenwood-Ericksen.

A nova pesquisa pode contribuir para a conversa contínua sobre o futuro dos hospitais rurais, diz ela.

 

Margaret Greenwood-Ericksen, MD, MSc
Estes resultados mostram que os ERs rurais estão fornecendo serviços essenciais e indo bem
- Margaret Greenwood-Ericksen, MD, MSc

“Os hospitais rurais estão fechando cada vez mais”, diz ela. “Se os pronto-socorros rurais não podem produzir bons resultados, os formuladores de políticas podem argumentar que eles agregam pouco valor. Mas esses resultados mostram que os ERs rurais estão fornecendo serviços essenciais e indo bem. Isso apóia o argumento da política para mantê-los abertos, viáveis ​​e como uma parte fundamental da prestação de cuidados nas áreas rurais. ”

Ela nota que sob legislação federal recente hospitais rurais de acesso crítico poderiam ser convertidos em departamentos de emergência independentes e ainda receber reembolso do Medicare, a partir de 2023.

Os autores do artigo incluem colegas da UNM, Cameron Crandall, MD, Naomi George, MD, MPH e Larissa Myaskovsky, PhD, bem como pesquisadores da University of Iowa e University of Michigan, onde Greenwood-Ericksen concluiu a bolsa do National Clinician Scholars Program antes ingressar no corpo docente da UNM.

Categorias: Envolvimento da comunidade, saúde, Pesquisa, Faculdade de Medicina, Melhores histórias