Pesquisadores UNM
Por Michael Haederle

Pesquisando Alívio

Cientistas da UNM desenvolvendo novo tratamento com anticorpos para dor crônica

Novo financiamento federal para pesquisas de ponta no Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Novo México oferece a perspectiva de alívio para um em cada cinco americanos que vive com dor crônica.

Um prêmio de dois anos e US $ 1 milhão do National Institutes of Health Iniciativa de longo prazo para o fim do vício (HEAL) vai financiar o desenvolvimento de um anticorpo que amortece a resposta à dor no cérebro, diz a pesquisadora principal do contato Karin Westlund High, PhD, professora do Departamento de Anestesiologia e Medicina Intensiva.

Westlund High, que passou os últimos 35 anos explorando tratamentos para a dor, diz que existem diferenças distintas na expressão do gene no cérebro de pessoas que sofrem de dor de curto prazo em comparação com aquelas que sofrem de dor crônica - que vêem um aumento na produção de proteínas prejudiciais.

O estudo atual concentra-se na colecistocinina (CCK), um hormônio peptídico que vive no estômago, onde ajuda na digestão, e no cérebro, onde agrava as células nervosas, que possuem receptores para a molécula.

 

Karin Westlund High, PhD
O receptor de colecistocinina no cérebro está ligado à dor e à emoção - ansiedade e depressão
- Escola Karin WestlundDoutorado

“O receptor de colecistocinina no cérebro está ligado à dor e à emoção - ansiedade e depressão”, diz Westlund High. Quando mais CCK é produzido, diz ela, “começa uma grande reação em cadeia envolvendo os nervos e a microglia e acaba causando dor crônica”.

Esta resposta inflamatória desencadeia um ciclo de feedback, diz ela. “A interação entre eles causa esse disparo neuronal contínuo, o que permite que a inflamação continue neste ciclo vicioso.”

Trabalhando com um modelo de camundongo, a Westlund High e os investigadores principais duplos Sascha Alles, PhD, professor assistente em Anestesiologia e Medicina Intensiva e ex-pesquisador da UNM Adinarayama Kunamneni, PhD, agora na Mayo Clinic em Jacksonville, Flórida, desenvolveram um pequeno anticorpo capaz de atingir o cérebro e se ligar ao receptor neuronal CCK, bloqueando o efeito do hormônio inflamatório.

Em camundongos, o anticorpo alivia a dor e é eficaz na prevenção da ansiedade e da depressão que costumam acompanhar a dor crônica, diz ela.

O próximo passo será “humanizar” o anticorpo de camundongo, que compartilha 85 por cento de sua sequência de DNA com humanos, substituindo alguns de seus aminoácidos para que corresponda à versão humana, diz ela. Esse trabalho está sendo feito por Kunamneni sob um subaward.

A equipe da UNM irá avaliar a eficácia no alívio da dor do anticorpo em células semelhantes a neurônios cultivadas a partir de células-tronco coletadas de amostras de sangue humano que foram expostas ao CCK. “Podemos aplicar o anticorpo e verificar a taxa de disparo (neuronal) para ver se isso vai acalmá-los na placa”, diz Westlund High.

As amostras de sangue provêm de pacientes do Hospital UNM, alguns dos quais sem dor e outros com dores crônicas, acrescenta ela.

Westlund High credita a Eugene Koshkin, MD, e Katie Reyes, MD, ambos professores associados em Anestesiologia e Medicina Intensiva, bem como Justin Baca, MD, PhD, no Departamento de Medicina de Emergência, e Hossein Mousavi, MD, residente no Departamento de Neurologia, ajudando a recrutar pacientes.

De acordo com as diretrizes da Iniciativa HEAL, se o projeto atingir seus marcos antecipados nos primeiros dois anos, ele pode ser estendido por mais três anos e, eventualmente, ser testado em humanos em ensaios clínicos de Fase 1 e Fase 2, diz Westlund High.

Categorias: Saúde, Estudos, Faculdade de Medicina, Melhores histórias