$ {alt}
Por Michael Haederle

Nova Esperança

Pesquisadores estudam uma nova abordagem para tratar pacientes gravemente deprimidos com terapia eletroconvulsiva

A eletroconvulsoterapia (ECT) proporciona alívio a muitas pessoas gravemente deprimidas, mas o procedimento, que fornece corrente elétrica pulsada para induzir convulsões no cérebro, envolve um delicado ato de equilíbrio.

Os pacientes cujos cérebros recebem muito pouca corrente não veem benefícios antidepressivos suficientes. Demais, por outro lado, pode causar perda de memória de curto prazo e outros efeitos colaterais cognitivos.

christopher-abbott-md.jpg“Todos os que atualmente recebem ECT recebem a mesma corrente”, explica Christopher Abbott, MD, professor associado do Departamento de Psiquiatria e Ciências do Comportamento da Universidade do Novo México e diretor médico do Serviço de Terapia Eletroconvulsiva. Mas não existem duas pessoas iguais: o volume do cérebro, a espessura do crânio e outros fatores afetam a quantidade de corrente que chega aonde precisa.

Agora, graças a uma doação de US $ 3.8 milhões de cinco anos do National Institutes of Health, a Abbott e o professor associado Davin Quinn, MD, estão testando uma nova abordagem para a ECT que poderia adaptar o tratamento às necessidades de cada indivíduo.

Baseando-se em estudos anteriores envolvendo animais, a equipe irá gradualmente aumentar a amplitude da corrente elétrica ao ponto de induzir uma convulsão. Então, com a ajuda da ressonância magnética, eles calcularão o quanto acima desse nível precisam ir para obter uma resposta terapêutica.

Eles esperam fornecer dosagem precisa em relação à ECT tradicional, poupando os pacientes de problemas cognitivos. E se o método funcionar, ele poderia ser facilmente adotado por outros médicos.

O cérebro de pacientes deprimidos mostra sinais de atrofia, diz Abbott. A ECT é conhecida por aumentar o volume do hipocampo, uma estrutura cerebral intimamente associada aos sintomas de depressão, e os pesquisadores suspeitam que o campo elétrico estimula os neurônios a desenvolver conexões mais fortes entre si, revertendo a depressão.

“Nós nos referimos a isso como neuroplasticidade”, diz Abbott. “Estamos tentando normalizar o cérebro.”

Pessoas expostas aos campos elétricos mais elevados têm aumentos de volume do hipocampo muito grandes, diz Abbott, mas isso geralmente está associado a deficiências cognitivas. “Achamos que existe um ponto ideal para a dosagem de ECT e alteração de volume do hipocampo relacionado”, diz ele. “É a dose para a resposta antidepressiva perfeita, sem comprometimento cognitivo.”

Como o estudo envolve seres humanos, essa nova abordagem de aplicação de ECT requer a modificação do equipamento que controla a corrente. A equipe recebeu uma exceção de dispositivo investigacional da Food and Drug Administration para esse fim, disse Abbott.

Atualmente, a ECT beneficia 60 a 70 por cento das pessoas tratadas, e o novo método promete ajudar mais pacientes, diz Abbot. “Ver as pessoas reagirem, especialmente os gravemente deprimidos - nunca envelhece”, diz ele. “Eu faço isso há 12 anos. Ele nunca deixa de ser um conta-gotas quando você vê que funciona. ”

Mas o verdadeiro crédito fica por conta dos pacientes que se dispõem a participar do estudo, diz ele. 

“Esses são realmente indivíduos gravemente deprimidos”, diz Abbott. “É o pior das pessoas. Tenho muita sorte de trabalhar com pacientes que estão passando por dificuldades, mas que estão prontos e são capazes de ajudar neste tipo de pesquisa ”.

Categorias: Saúde, Estudos, Faculdade de Medicina, Melhores histórias