traduzir
$ {alt}
Por Michael Haederle

Variação Viral

Cientistas da UNM detectam nova mutação SARS-CoV-2 no Novo México

Os cientistas descobriram que o SARS-CoV-2 é um adversário astuto desde que foi identificado pela primeira vez na China, há pouco mais de um ano, com o novo coronavírus demonstrando uma capacidade teimosa de sofrer mutação ao tentar escapar do sistema imunológico humano.

Dois cientistas da Universidade do Novo México encontraram evidências de que uma nova variante viral, denominada Q677P, surgiu no Novo México e em estados ocidentais próximos nos últimos meses - enquanto uma mutação idêntica apareceu em amostras colhidas na Louisiana.

Em um artigo postado esta semana em medRxiv, o servidor de pré-impressão online para ciências da saúde, Darrell Dinwiddie, PhD, professor assistente no Departamento de Pediatria, e Daryl Domman, PhD, professor assistente no Center for Global Health, relatam que as mutações foram encontradas na proteína "pico", uma característica distintiva que desempenha um papel fundamental em ajudar o vírus a obter acesso às células hospedeiras. A dupla se juntou ao estudo por colegas da UNM e co-autores em Louisiana, Nova York, Pensilvânia, Wyoming e Suíça.

Não está claro neste ponto se a variação recém-identificada no genoma do vírus aumenta sua transmissibilidade. “Isso é algo que precisamos ficar de olho para descobrir se é esse o caso”, diz Domman.

As novas descobertas sublinham a importância da vigilância genômica contínua para ver como o vírus está se alterando. Sem ele, Domman diz, “estamos um pouco cegos em termos de compreensão de como o vírus está respondendo às nossas medidas de controle”.

Eles também são um lembrete preocupante do que os cientistas estão enfrentando, diz Domman. “Isso ressalta o fato de que, como temos contagens mais altas de casos, local, regional e nacionalmente, cada um desses novos casos é uma nova oportunidade para o vírus explorar e ter uma mutação e ser um pouco melhor do que da última vez. . ”

À medida que se reproduzem dentro de uma célula hospedeira, os vírus alteram constantemente pequenas porções de seu genoma como uma defesa contra os anticorpos que o sistema imunológico cria para neutralizá-los - as variações anuais no vírus da gripe são um exemplo bem conhecido. No coronavírus, essas novas mutações representam desafios para a elaboração de uma vacina eficaz.

Mutações foram encontradas em locais semelhantes na proteína spike COVID em outras partes do mundo, diz Dinwiddie, acrescentando: “Não é uma surpresa que o pico seja onde muitas dessas variantes ocorrem.”

Durante grande parte do ano passado, Dinwiddie e Domman estiveram sequenciando, depositando e monitorando genomas SARS-CoV-2 registrados no GISAID, um banco de dados internacional que fornece acesso aberto a quase 500,000 genomas de coronavírus coletados em todo o mundo.

Eles descobriram que 11.3 por cento dos genomas coletados no Novo México entre dezembro de 2020 e janeiro de 2021 refletem a nova variante. No entanto, não é exclusivo do estado e também foi visto no Colorado, Wyoming e Texas. Mutações adicionais na mesma posição na proteína spike estão sendo encontradas em todo o mundo e parecem ter ocorrido de forma independente - um caso, eles dizem, do que é conhecido como evolução convergente.

Embora o júri esteja decidido se as novas variantes aumentam a transmissibilidade do coronavírus, existe a preocupação de que as mutações na proteína do pico possam diminuir a eficácia das vacinas recém-introduzidas, diz Dinwiddie.

“As vacinas são projetadas não apenas para atacar um único lugar em uma proteína”, diz ele, mas “a evidência é que estamos vendo uma proteção reduzida contra algumas dessas mudanças de pico com algumas dessas vacinas”.

A boa notícia é que a tecnologia inovadora de RNA mensageiro que foi empregada para desenvolver rapidamente as vacinas também permite que os fabricantes de medicamentos as ajustem para reconhecer e se defender contra novas cepas virais, diz ele.

Domman observa: “Nossa maior ferramenta para garantir que nossas vacinas permaneçam eficazes é manter a contagem regressiva de casos”. E, no final, isso se traduz nos mesmos velhos hábitos: usar máscaras, lavar bem as mãos e manter distância física.

Categorias: Saúde, Pesquisa, Faculdade de Medicina, Melhores histórias