$ {alt}
Por Rebecca Roybal Jones

Latinas que lideram

A pediatra Teresa Vigil encontra alegria em seus pacientes e nos alunos de medicina que ela orienta

Anos atrás, como estudante da Faculdade de Medicina da UNM, Teresa A. Vigil, MD, pensou que ela estava no caminho para seguir uma carreira em oncologia.

Mas tudo mudou quando ela começou seu rodízio de pediatria, o que a levou a uma residência em pediatria em 2003.

“Eu me sentia bem em ir para o trabalho todos os dias”, lembra ela.

E ela ainda o faz, mesmo que as visitas de seus pacientes sejam conduzidas no Zoom devido ao COVID-19, em vez de no Hospital da Universidade do Novo México.

“Uma das minhas coisas favoritas a fazer é conversar com uma criança”, diz Vigil, acrescentando que isso também lhe dá uma desculpa para acompanhar os últimos quadrinhos e personagens da Marvel.

vigília_teresa-4185-2443-x-3420.jpg

Atualmente, ela pergunta a seus jovens pacientes como eles estão. Eles estão dormindo bem? “'Como você está, já que não pode ver seus amigos na escola?' Eu converso com famílias e crianças sobre (a pandemia) ”, diz ela.

Professora do Departamento de Pediatria da UNM, Vigil concluiu sua residência na UNM em 2006 e continuou como residente-chefe de 2006-2007. Ela está em Pediatria desde então, tornando-se professora titular no ano passado. Ela também é reitora assistente de estudantes de medicina no Office of Medical Student Affairs, e está no cargo desde 2016.

No campus de Ciências da Saúde da UNM, Teresa A. Vigil (pronuncia-se Teh-DEH-sa) é carinhosamente conhecida por seus colegas e alunos como “TV”. “Isso me distingue das outras pessoas”, diz ela. “Apenas me chame de TV.”

Vigil cresceu em Las Vegas, NM, e vem de uma família com uma longa história no estado. Ela credita sua família unida como sendo sua inspiração. Sua mãe era professora do primeiro ano e seu pai era professor de ciências políticas na New Mexico Highlands University. 

“Eu não estaria em lugar nenhum sem meus pais”, diz ela. “Eles sempre me incentivaram a fazer exatamente o que eu queria fazer. Esse pensamento e incentivo me trouxe aqui. ” 

Antes de se inscrever na faculdade de medicina, ela obteve seu diploma de graduação em biologia na UNM e trabalhou no TriCore Reference Laboratories no UNM Hospital por alguns anos. Ela começou a faculdade de medicina em 1999.

“Eu estava convencida de que faria oncologia médica”, diz ela. “Tive um tio que tinha um tumor cerebral e provavelmente foi aí que começou (meu interesse pela medicina). Adorei hematologia e oncologia. No meu terceiro ano, fui atraído por pacientes com câncer. Mas quando cheguei à pediatria, me senti como se estivesse em casa. ”

Ela decidiu buscar a residência principal para que pudesse aprender sobre funções administrativas. “Eu senti que poderia lidar com as coisas muito bem”, diz Vigil. “Parecia certo poder usar as habilidades organizacionais com as quais nasci.”

Orientar estudantes de medicina é uma grande parte do trabalho. Vigil se baseia em suas próprias experiências como mentora. “Eu realmente tento ouvir o que eles querem fazer antes de tomar uma decisão sobre como ajudá-los”, diz ela.

“Eu apenas tento lembrar que eles são únicos. Eu pergunto a eles: 'Qual é a sua formação? O que é que você fez? Quais são suas experiências? ' Posso ter uma ideia de para onde eles querem ir. Não estou lá para influenciá-los. Estou lá para mantê-los no caminho certo para algo que queiram fazer ”.

Em 2014, Vigil fez a transição para trabalhar com estudantes de medicina como Reitora Assistente de Estudantes de Medicina no Gabinete de Assuntos para Estudantes de Medicina, uma função que ela adora.

“Posso agir como um pastor, cutucando os alunos para onde devem ir”, diz ela. Mas, ela acrescenta, “Eu não sou como uma pessoa pastor”.

Vigil se descreve mais como um pastor alemão. “Eu uso essa analogia”, diz ela. "Na verdade, estou beliscando seus dedos dos pés e cutucando-os com o nariz."

Ela adora observar a “incrível metamorfose” pela qual os alunos passam. “No quarto ano, eles são médicos”, diz ela. “Eles chegam querendo cuidar das pessoas e saem daqui prontos para cuidar deles”.

 

Categorias: Diversidade, Educação, Faculdade de Medicina, Melhores histórias